Jair comenta: “Navarro, estou me sentindo muito desmotivado por conta dos acontecimentos no Brasil. Vou trabalhar meio que no piloto automático e já não tenho vontade de fazer muita coisa no tempo livre. Parece que desisti da coisa toda e acho que estou na mira do meu chefe! Preciso de um pouco de energia para enxerga a luz no fim do túnel? O que tem pra mim? Obrigado”.

Com o avanço da tecnologia e das novas descobertas, a sociedade também aumentou a velocidade com que se transforma. Da mesma maneira, o mercado se tornou mais globalizado e, com isso, cada vez mais problemas locais têm impactado economias mundo afora.

Basta assistir a qualquer telejornal ou ler alguns jornais e revistas para se deparar com alguns destes acontecimentos: países passando por crises, economia estagnada, pessoas perdendo seus empregos, terrorismo e por aí vai. Os reflexos destes problemas eram menores e demoravam mais para atingir outros países. Não mais!

Se não podemos encerrar tais problemas originados mundo afora, no nosso alcance está a chance de lidar com o impacto destas questões na nossa vida. Como podemos lidar com os problemas que a crise está gerando? Será possível encontrar novos caminhos?

3 atitudes para encarar (e ultrapassar) tempos difíceis

Ao olharmos o curso da história, encontraremos muitos momentos de crises (econômicas, políticas e etc.). Períodos de guerra, recessão, queda da economia, movimentos sociais, há muitas possibilidades envolvidas nas diversas crises já enfrentadas.

Em todos esses momentos críticos, também é possível encontrar pessoas que fizeram fama e até dinheiro enfrentando a turbulência, usando sua criatividade e trabalho; há quem se destaca por buscar maneiras de lidar com os momentos de baixa. Você é assim?

Neste artigo, pretendo mostrar três atitudes fundamentais para lidar com a realidade que nos cerca. Confira:

1. Desenvolva o controle emocional

Em períodos de crise, as pessoas ficam mais pessimistas, reclamam mais e olham somente o lado negativo de tudo. Sendo franco, não é possível buscar novas soluções e melhorias nos períodos ruins quando não existe controle emocional.

Por maior que seja um problema, sempre existe uma solução. Se a solução não existe ou simplesmente não é viável, preste atenção: a questão já está resolvida. Concorda? Desenvolva uma visão objetiva do que está acontecendo e procure observar tudo de maneira mais abrangente, “saindo” de dentro do problema.

Uma ótima alternativa é se associar com pessoas que estejam passando pela mesma situação, mas que tenham visões diferentes das suas. A união é sempre uma opção para quem precisa de força e de controle emocional.

Leitura recomendada: Você tem medo? Que bom, então é alguém normal

2. Exercite sua criatividade

Esta é, provavelmente, a melhor qualidade das pessoas que conseguem inovar e se mexer mesmo durante momentos de crise. Você já reparou em como temos a tendência de fazer as coisas sempre do mesmo jeito, sem questionar o que está acontecendo?

Todas as inovações começaram na cabeça de alguém criativo e que foi capaz de observar seu entorno de uma maneira diferente, empreendedora. Exercite este lado simples do cotidiano mudando sua rotina, criando novos hábitos e conhecendo pessoas diferentes.

Leitura recomendada: 3 Dicas para ter mais iniciativa e se tornar um líder

3. Inspire-se através de outras histórias

Busque histórias de pessoas empreendedoras e que encontraram maneiras de criar e aproveitar oportunidades na crise. Veja, por exemplo, a história dos dois vendedores que foram enviados para analisar se era possível vender sapatos numa determinada região. Conhece essa?

O primeiro vendedor voltou e disse à empresa: “O mercado é muito ruim, ninguém irá comprar nossos sapatos, pois todos naquela região andam descalços”. O segundo vendedor, no entanto, voltou e disse à empresa: “O mercado é sensacional! Ficaremos muito ricos vendendo sapatos, pois todos andam descalços!”.

Um exemplo simples, mas que tem uma lição poderosa: a maneira como olhamos a crise é mais importante do que a situação em si. Gosto sempre de ler e reler histórias como a desses 6 milionários brasileiros (clique aqui) para ter inspiração.

Conclusão

Com criatividade, inspiração e controle emocional, é possível enxergar novas maneiras de realizar as coisas. Neste momento, tudo que você precisa fazer é parar de reclamar e olhar de forma diferente para a sua vida e como a tem aproveitado (e gerenciado).

Gravei um vídeo falando sobre comportamento e crise, acho que você vai gostar de assistir (é bem curtinho):

Estude melhor os momentos complicados que vivemos e você encontrará um padrão interessante: foi (é) nessas horas que pessoas com capacidade empreendedora, persistência, criatividade e controle emocional construíram as bases de seus negócios de sucesso.

Parece estranho dizer que crises são ótimas oportunidades de refletir e crescer, mas depois que a gente entende essa afirmação, ela soa ridícula e óbvia. Portanto, aproveite a chance que está em suas mãos e questione-se mais e melhor. Saia de sua zona de conforto porque você decidiu assim, não porque você foi jogado longe dela pelos outros. Abraços e até a próxima!

Foto “Fighting the crisis”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários