A crise obriga você a ter a foco, o sucesso não. Muitos empreendedores têm enfrentado dificuldades nos tempos atuais para gerenciar seu negócio. Muitas empresas fecharam e muitas das que sobrevivem não conseguem retomar o crescimento. O que poderia ajudar quando o sistema entra em pane diante de um cenário hostil para os líderes? Sugiro 3 atitudes.

1. Redescubra sua missão insurgente

Empresas extraordinárias deram seu pontapé inicial a partir de uma insatisfação com um produto ou serviço; observaram uma oportunidade de oferecer uma nova estratégia, uma nova ideia, uma nova solução.

Uma missão bem-feita destaca seu diferencial, gerado um sentimento de causa e o magnetismo cultural que atrai as melhores pessoas para trabalhar em sua organização. Uma missão mal elaborada transmite o sentimento de “mais do mesmo” e, por fim, imprime subjetivamente nos corações a mensagem típica “somos apenas mais uma empresa”.

Leitura recomendada: 7 Dicas para se transformar em um Líder Coach

Como mudar isso? Momentos de pane e crise são uma oportunidade para reconstrução. Reúna-se com seu conselho, sócios ou diretoria. Faça isso em ambiente agradável (pode até ser num parque ao ar livre). Meia dúzia de pessoas é uma quantidade razoável para reconfigurar a missão.

Escolha um membro da equipe para ser o facilitador do processo. Em um flipchart, folha avulsa, lousa ou apresentação escreva verbos de um lado e DNA do outro.

Peça aos participantes que preencham esses dois aspectos da missão, isto é, quais os verbos que vivemos em toda a organização (servir, ajudar, fazer, entregar e etc.) e o DNA seriam as características singulares que a empresa oferece em relação a qualquer outra empresa. Esse brainstorming geralmente oferece uma nova perspectiva que incute motivação.

Mas cuidado! Não esqueça que a missão precisa ser curta, simples, inspiradora e alcançável. Cada trabalhador precisa responder à pergunta: “Estou fazendo isso agora?”. Veja esses dois exemplos:

  • “Fazer as pessoas felizes” (missão da Disney): qualquer colaborador precisa responder essa pergunta – estou fazendo as pessoas felizes? – em tempo real, não importando seu papel na empresa. A atividade primaria é fazer as pessoas felizes, as secundarias são atividades técnicas (entregar bilhetes, organizar filas e etc.);
  • “Fazemos com que as pessoas que estão longe de casa se sintam entre amigos” (missão dos Hotéis Marriot): certa vez, um cliente pediu que a camareira não jogasse a metade de seu charuto fora, visto que ainda voltaria para o hotel. Quando chegou, encontrou um pacote de charutos da mesma marca. Ele retornou para casa satisfeito e, semanas depois, hospedou-se num dos hotéis da mesma rede, porém em outro estado. Advinha o que ele encontrou quando abriu a porta de seu quarto.

Uma missão comum coloca você no jogo, uma missão inspiradora é que faz você vencer! Redescobri-la pode ser essencial.

2. Seja obsessivo pela linha de frente da empresa

Você precisa ter uma equipe que respira a linha de frente de seu negócio, do contrário, não haverá crescimento. Muitas empresas que ganham notoriedade perdem o relacionamento com o cliente.

Não há nada de novo, mas veja esses dois exemplos: Kiichiro Toyoda (da Toyota) abandonou o escritório para ir até o chão de fábrica até que todos veículos saíssem com o mais algo grau de qualidade. David Neeleman, fundador da Azul Linhas aéreas, despende um dia da semana no trabalho direto com clientes para saber o que pode ser melhorado.

Leitura recomendada: Pesquisa de Satisfação – A pergunta Definitiva

Muitos líderes fazem visitas-surpresa em plantas e tornam-se clientes ocultos em lojas para entender o impacto do negócio diretamente com o cliente. Não economizam energia, recursos ou tempo no treinamento daqueles que estão conectados diretamente com o cliente.

Veja mais um exemplo: “Uma criança está passeando na Disney e compra um sorvete. Segundos depois, o sorvete cai no chão. Uma experiência comum seria nesta sequência: a criança chora, o pai compra outro sorvete e o sorveteiro o entrega. A experiência na Disney seria assim: o sorvete caiu no chão; antes mesmo de a criança esboçar o choro, o sorveteiro aparece na frente da criança com um novo sorvete e substitui o choro por um sorriso e um abraço”.

Esse exemplo revela duas coisas: a missão está alinhada e cravada no coração de cada colaborador e a linha de frente funciona impecavelmente na realização da missão. Neste aspecto, a função mais importante do líder é eliminar o complexo, dar autonomia e ser obsessivo na linha de frente.

3. Pratique a mentalidade do fundador

Diferentemente dos gestores mantenedores, os fundadores têm apetite pela inovação, sabem lidar com o risco e estão voltados para a velocidade do negócio sem perder de vista que a estratégia principal é de longo prazo.

Apple e Dell são duas empresas que tiveram seus fundadores de volta para fazer a empresa crescer novamente. O que eles tinham em comum? Steve Jobs e Michael Dell sempre focavam no longo prazo.

Nem sempre é fácil ter essa perspectiva com acionistas e proprietários gritando por resultados de curto prazo. Talvez esse seja um teste importante para sua liderança. Lembre-se: “liderança não é somente uma questão de mente e coração, razão e paixão, mas de estômago e digestão”.

Leitura recomendada: Quer ser um líder de verdade? Cuidado com estes dois estilos de liderança

Quando ocorre uma pane, não é necessário entrar em pânico. Basta reativar a missão, renovar a obsessão pela linha de frente e incutir a mentalidade do fundador por toda a empresa para que novos resultados sejam atingidos. Até a próxima!

Alex Arcanjo
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários