Há uma confusão muito comum em relação ao papel do dinheiro. É verdade que ele existe para ser gasto, como gostam de dizer muitos especialistas, mas isso não significa que ele deve ser desperdiçado. Acumular coisas para ostentá-las é bem diferente de fazer uso inteligente dos recursos financeiros visando qualidade de vida e realização pessoal.

Trabalhamos (muito!) e em troca desse esforço recebemos dinheiro, que será trocado por produtos, serviços e também usado para investimentos. Assim, acredito que faz sentido associar nossa capacidade financeira também à construção das condições para mais felicidade familiar e tranquilidade.

3 motivos que fazem do dinheiro um aliado da felicidade

Andei pensando, lendo muito e praticando exercícios sobre como lidamos com a felicidade, algo bastante subjetivo e pessoal, e entendi que para enxergar o dinheiro como um instrumento dentro desta busca devemos reforçar mais nossa capacidade de dialogar, nossa definição de prioridades e nossas aspirações.

Em resumo, creio ser mais produtivo dissociar a felicidade de conquistas materiais, preferindo as experiências vividas ao lado das pessoas que amamos e as aspirações ligadas à realização pessoal.

Faço um resumo abaixo das maneiras que encontrei para relacionar dinheiro e felicidade de uma forma interessante. Acho que o leitor ciente de seu potencial precisa:

1. Definir melhor o que quer

Não tenho nenhuma vergonha de dizer que fiz terapia por muito tempo. Quando ainda tenho alguma dúvida sobre os caminhos a escolher e sobre as mudanças que preciso implementar, volto ao divã. Procuro me conhecer bem, cada vez melhor, mas simplesmente para aceitar quem eu sou e minhas decisões.

O dilema de encontrar o que gostamos de fazer e definir aquilo que queremos ser será sempre assustador. Em muitos casos, porém, além de assustador, ele é também paralisante – e quem fica “travado” na sua própria busca por sentido costuma ser displicente com o dinheiro.

Onde você quer chegar? O que você deseja ser? Que tipo de vida você pretende levar? Quais são os seus sonhos? Ou são delírios? Definir melhor o que se precisa e deseja facilita a determinação das prioridades. Sim, isso é tudo muito dinâmico, mas precisa ser objeto de questionamentos e ações.

Não estranhe essa conversa de consultório psiquiátrico. A relação com o dinheiro é bem simples e direta: ao descobrir o que você gosta e as razões para lidar melhor com seus objetivos, você usará seu dinheiro para realizações íntimas, deixando a necessidade de ostentar e competir com a sociedade um pouco de lado.

Quer um exemplo? Há quem não se importe com o último modelo de carro e prefere viajar com a família e fazer programas culturais. No entanto, muitas destas pessoas têm um carro do ano na garagem porque são “cobradas” socialmente por isso (“Você ocupa esse cargo e anda nesse carro velho?”). O resultado é que sobra pouco ou nenhum dinheiro para o que realmente interessa: viagem e cultura.

Leitura sugerida: Pare de fantasiar e imaginar seu futuro e apenas construa-o

2. Errar sem julgamento e assim perdoar a si mesmo

É natural que na vida tomemos muitas decisões erradas ou que mesmo escolhas certas (para um dado momento e contexto) resultem em consequências indesejadas ou resultados inesperados. O sucesso “da noite para o dia” é fruto de muitos anos de trabalho e tentativas.

Para o erro, portanto, existem duas reações possíveis (cada qual com suas consequências):

  • Indignação infantil, em que preferimos ficar procurando culpados e apontando o dedo em vez de reagir e aprender. Para estas pessoas, o fracasso é sinal inequívoco de falta de capacidade, de incompetência. Aqui, errar é quase imperdoável;
  • Resiliência, que se resume em olhar a situação com humildade, procurando entender o que deu errado para aprender com o fracasso. Para estas pessoas, o fracasso é temporário e parte de uma história de vida que não terminou, ou seja, trata-se de uma etapa, nunca o fim. Aqui, errar faz parte.

Esse item é fundamental para permitir que o dinheiro construa a felicidade na medida em que valoriza a humildade necessária para lidar com as perdas e fracassos, o que tira de cena nosso ímpeto de julgar os demais e não perdoá-los (assim como a nós mesmos). Essa leveza tira o foco do material e dá fôlego para as prioridades pessoais e familiares.

Leitura sugerida: 5 Filmes sobre superação e liderança que você deve assistir

3. Aprender a lidar com as frustrações

Tudo que dá errado, demora para acontecer (ou simplesmente não acontece) e sai diferente do planejamento inicial gera frustração. É algo diferente do fracasso porque trata-se de um sentimento vivido em situações mais corriqueiras e geralmente enquanto o fracasso ainda não é nítido ou declarado.

Ansiedade, angústia, palpitação e até depressão são efeitos colaterais comuns de quem se deixa abater pela frustração. Há quem deixa de insistir nos seus sonhos ao menor sinal de dificuldades e logo entra na fase mais perigosa proporcionada pela frustração: a dúvida em relação às próprias capacidades.

As coisas vão dar errado. Ou, se preferir, sempre existirá alguém mais feliz, mais rico e mais talentoso que você. Não adianta, é impossível ter tudo que você deseja e sonha, e o crédito caro só torna essa busca mais perigosa – o endividamento por aqui causa estragos familiares por vezes irreversíveis.

O que as frustrações têm a ver com dinheiro e felicidade? Simples: aquele que tem prioridades claras e um ambiente familiar saudável, com diálogo e controle, aprende a conquistar seus sonhos (não confunda com delírios) de forma planejada, a partir do esforço próprio de trabalho, poupança e investimento.

Leitura sugerida: Redes sociais e status, uma combinação perigosa para o bolso

Conclusão

Você pode contar com o seu dinheiro para ter mais qualidade de vida e realização pessoal, aspectos essenciais dentro de qualquer contexto de felicidade. Essa escolha, no entanto, não tem tanto a ver com o valor do seu salário, mas com as suas prioridades e com o sentido que você dá ao seu bolso.

Tudo isso resulta em uma constatação: aquelas pessoas que menos falam sobre coisas e dinheiro e suas particularidades são as que mais o aproveitam para realizar metas e objetivos pessoais. Valide essa realidade conversando com gente feliz e bem-sucedida que você admira.

Fica o convite para uma reflexão mais profunda sobre você, seus anseios e seu atual modo de lidar com o fracasso e a frustração. Essa busca interior vai surpreendê-lo e, de certa maneira, despertá-lo para o que realmente interessa: a jornada, e não o fim. Um abraço e até a próxima.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários