Ter conta em banco é necessário, mas não precisa ser caro e nem dar dor de cabeça. No texto de hoje, falamos sobre algumas coisas que o banco não te conta. Sabendo tais informações, você pode economizar um bom dinheiro e tomar decisões mais acertadas de acordo com a sua realidade financeira.

Leitura recomendada: Você é o responsável pelo seu dinheiro, e não o seu gerente

1. Há opção de conta bancária sem tarifa

O oferecimento de uma conta online sem tarifa é uma realidade desde 2010, depois da publicação da Resolução 3.919 pelo Banco Central. Mas tal opção é quase que secreta e, infelizmente, não é popular. Afinal, não é interesse para o banco oferecer um serviço sem custo para o cliente.

Saiba que os principais bancos são obrigados a oferecer a gratuidade de tarifas para contas online – ou seja para fazer transações apenas por meio eletrônico.

Muitas pessoas (assim como eu) não pisam em uma agência há muito tempo e usam o Internet Banking para tudo! Se você também não costuma frequentar a agência, considere ter uma conta digital ou digiconta (como é conhecida) e informe-se no site do seu banco.

eBook gratuito recomendado: Ter uma Vida Rica Só Depende de Você

2. As recomendações são boas para banco, mas nem sempre para você

Aquela previdência privada sugerida, um CDB que você não sabe o rendimento e prazo nem sempre são selecionadas de acordo com o seu perfil – e sim de acordo com a meta da área comercial.

Por isso, antes de autorizar uma aplicação no banco, entenda bem o que está sendo oferecido. Lembre-se: o gerente do banco não é um consultor de finanças pessoais e investimentos. Ele faz parte da equipe comercial e por isso tem metas para venda de produtos e oferecimento de serviços.

3. Se você fez leasing, o carro é do banco e isso pode ser bom para você

Você deve saber que um leasing é um tipo de aluguel em que você paga para ter o veículo durante um determinado período. No final do contrato você pode escolher entre ficar com o carro ou devolvê-lo ao banco.

É importante saber também que é possível devolver o carro durante a vigência do contrato sem ter de pagar as parcelas futuras restantes. Afinal, não se trata de financiamento, não havendo, assim, um saldo devedor.

Essa informação é importante, pois muitas vezes os bancos tratam o leasing como um financiamento, a fim de garantir o pagamento regular até o final. Saiba também que se você pagou o Valor Residual Garantido (VGR) e quer devolver o carro antes de finalizar as parcelas, você pode receber de volta o VGR corrigido.

A dica é sempre ler os contratos e todas aquelas letras miúdas chatas para não se sentir enganado e saber quais são os seus direitos e deveres.

Gosta de vídeos? Aprenda mais: TV Dinheirama – Você no comando do seu dinheiro

4. Título de Capitalização não é investimento

Vendido como uma forma de guardar dinheiro para aqueles que não tem controle das finanças, os títulos de capitalização têm rendimento tão ruim que conseguem perder para a poupança!

Uma das estratégias para vender esses títulos são os tais prêmios sorteados ao longo do tempo de carência (só contando com a sorte mesmo!). Esse é um dos produtos em que o banco ganha mais dinheiro e você só consegue resgatar no vencimento – e com certeza não vai ser nem perto do que imaginou.

A nossa dica é: se você quer guardar dinheiro e garantir uma boa rentabilidade com segurança, conheça o Tesouro Direto. Trata-se de um investimento de renda fixa (assim como a poupança), mas que rende mais e a aplicação inicial mínima é de apenas R$30,00.

Você já sabia dessas informações? Se tiver outras dicas, deixe seus comentários. Até a próxima!

Daniella Gomes
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários