Antes de iniciar nossa análise sobre o Processo e Tomada de Decisão, gostaria de convidá-lo para uma rápida reflexão.

Você já deve ter percebido que nos últimos anos, fala-se cada vez mais em agilidade dentro das empresas, daí surgindo alguns conceitos como Lean, Scrum, PMI Agile, métodos ágeis e assim por diante. Com isso, alguns processos, como por exemplo os processos de desenvolvimento de produtos, são acelerados.

Contudo, geralmente essas ações são pontuais, ou seja, os profissionais implementam essas melhorias apenas em seus departamentos. Como consequência, apenas seus departamentos se tornarão mais ágeis, o que significa que os “gargalos” serão apenas deslocados e não completamente removidos, pois os demais departamentos continuam com seus métodos tradicionais.

Podemos concluir que o ideal é que essa ação seja tomada na empresa como um todo – só assim os “gargalos” poderão ser eliminados por completo. Acrescente aqui também o fato de que a velocidade de mudança de panorama dos negócios pode mudar do dia para a noite. Você está trabalhando no desenho de um novo produto, enquanto seu concorrente já está lançando algo similar ou até melhor. Cenário complicado, não?

Fiz essa pequena introdução para que você visualize, na prática, como tudo é muito dinâmico e rápido. Você, como líder, está inserido nesta realidade. Surge então aquela pergunta: como lidar com isso? Como tomar as melhores decisões no meio dessa “guerra”, onde as coisas mudam do dia para a noite? Como implementar uma melhoria que realmente ataque a causa raiz?

Além de você ter que se adaptar a esse novo cenário, você terá que trabalhar junto com sua equipe para que ela também entenda e comece a agir diferente. Não adianta só você se adaptar e conseguir tomar as melhores decisões, afinal de contas quem executa as suas decisões dentro de uma empresa são você e sua equipe!

Veja aqui algumas dicas capazes de ajudá-lo a tomar as melhores decisões:

1. Revise seus métodos de tomada de decisão

Se você é daqueles que fica esperando grandes volumes de informação para tomar alguma decisão, é hora de mudar sua forma de pensar e agir. Como dissemos, o mercado está ágil e mudando a cada momento. Por vezes, você não terá as melhores informações e mesmo assim terá que tomar decisões.

Existe um método chamado “Fórmula 7-3”, que diz que é melhor tomar uma decisão e acertar sete em cada dez vezes do que ficar procurando a solução perfeita. Esse é apenas um exemplo que pode te ajudar nessa remodelagem de pensamento.

Ah, sim, confie na sua intuição gerencial para tomar decisão, afinal você tem experiência, bagagem e conhecimento. Geralmente, a voz interna não costuma nos enganar. Junte tudo isso e tenha certeza de que você acertará. E, se não acertar, sem problemas, é só corrigir.

Atenção, é claro, para decisões que envolvam muita coisa: cuidado para não errar em coisas muito grandes, que envolvam muito dinheiro, muitas pessoas e a reputação da empresa.

2. Conecte-se

Você não está sozinho nesse barco. É bem provável que outros gerentes ou diretores da mesma empresa já passaram pelo que você está passando e já tiveram que tomar muitas decisões em suas vidas.

Portanto, uma dica é compartilhar suas bases de conhecimento e trocar experiências referentes a tomadas de decisão. Por vezes, seu amigo de trabalho não vai dizer exatamente o que você deve fazer, mais vai compartilhar algum conhecimento, ou alguma experiência, que servirá como uma “luz”.

3. Teste direto no mercado

Essa é na verdade uma forma que você tem de “transferir grande parte da responsabilidade” de uma tomada de decisão para o mercado. Ou seja, no caso de um produto novo, você pode disponibilizar um protótipo para o mercado e colher os feedbacks sobre esse produto. Com isso você terá subsídios necessários para saber se o produto foi bem aceito ou não, se precisa de ajustes e assim por diante.

4. Descentralize a tomada de decisão

Sabe aqueles modelos hierárquicos das antigas, onde o chefe mandava e o empregado apenas executava? Aquela coisa mais ou menos parecida com os filmes de robôs, onde estes são programados para fazer tal tarefa e ponto final, conhece?

Se você ainda pensa dessa forma, posso afirmar que está “cavando sua própria cova” e em pouco tempo conhecerás o fracasso. Isso é atitude de qualquer coisa, menos de um líder atual. Hoje em dia, a tendência é o compartilhamento de responsabilidades e do poder de tomada de decisão.

As pessoas precisam se sentir importantes e como parte da solução. Se você leva sua equipe para um brainstorming de definição de metas, objetivos ou um evento para falar sobre um novo produto, pode ter certeza que durante o processo de execução as pessoas estarão mais felizes e, consequentemente, elevarão o nível de produtividade (não podemos generalizar, claro, mas é o que tenho visto).

Conclusão

Não tenho dúvidas também de que a tomada de decisão está diretamente relacionada com a gestão do tempo. Ou seja, decisões sábias e assertivas fazem com que você gerencie melhor o seu tempo e tenha mais tempo disponível para atividades mais nobres. Fazer uma boa gestão do tempo está diretamente relacionado com fazer mais coisas importantes do que coisas urgentes. Como você tem lidado com o tempo na sua Vida.

Recentemente escrevi e publiquei um e-Book totalmente gratuito sobre este assunto: “A Arte de Gerenciar o seu Tempo” (clique para download). É hora de mudança, de assumir as rédeas da sua vida e, principalmente, do seu tempo! Muito obrigado, torço muito pelo seu sucesso e felicidade e conte comigo. Logo publicarei novos textos por aqui. Até a próxima!

Foto “Choose your way”, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários