Recentemente recebi uma mensagem de um leitor me perguntando sobre “investimentos incríveis” que o gerente de seu banco lhe oferecera. O mais interessante desse fato foi que ele me consultou, mas não se convenceu da minha resposta; estava clara a tendência em acreditar em “seu amigo gerente”.

Primeira lição de hoje: jamais pergunte se não quer ouvir a resposta. Eu lhe dei diversos argumentos com embasamento matemático de que ele não faria um bom negócio em seu banco e que havia opções melhores por aí, inclusive em nossa corretora parceira, a Rico.com.vc.

Ele agradeceu, se despediu e durante um tempo não apareceu mais. Até que outro dia voltou perguntando sobre previdência privada e, claro, perguntei o que ele havia decidido sobre a primeira vez que conversamos. A resposta foi: “Fiz um teste de perfil online no meu banco, e com base nisso, meu gerente alocou meus recursos da maneira mais adequada ao meu estilo”.

O que nos leva à segunda lição de hoje: errar é humano, insistir no erro é burrice. Muitas pessoas não saem do lugar pela pura e simples inércia. A preguiça ou medo de tentar algo novo fazem a evolução ser tão lenta, que uma vida só não é o bastante.

Leitura recomendada: Pessoas ricas não têm menos problemas que você (a diferença está na atitude)

Sabemos muito, mas muito pouco (falei recentemente disso no post Humildade e mente aberta, fatores essenciais para aprender sempre”) e se não tivermos humildade para aprender e mudar a direção daquilo que provadamente não dá resultados, teremos que nos contentar com “o que vier”.

E assim chegamos à lição número 3: se não está dando certo, pare, repense e recomece. Pior que insistir no erro, o que muitas vezes acontece por absoluta ignorância, é estar ciente de que o caminho não é o melhor, mas, por acomodação, seguir nele.

Conheço tanta gente que tem uma situação financeira boa e que, no entanto, poderiam estar muito melhores se fossem menos acomodados e teimosos. Pior, assistem aos vídeos do Dinheirama, comentam e… continuam deixando seu dinheiro na poupança. Depois não adianta chorar. Quer ficar rico? Tire o traseiro da cadeira.

Por fim, a lição 4: vai doer, vai sangrar e, no final, pode não dar certo. É amigo, ainda ouço muito “quais são minhas garantias?” por onde passo. A minha resposta é sempre “as mesmas de que vai estar vivo daqui a um minuto”, ou seja, nenhuma.

Garantia é uma falácia para fazer as pessoas dormirem melhor à noite. Imagine que em uma rodada de investimentos para startups, sempre tem um bonitão que chega de gaiato e pergunta: “Que garantia eu tenho de que não vou perder meu dinheiro”? Nesse ponto, tem gente que ignora e passa para a próxima pergunta.

Vídeo recomendado: Mentalidade rica e atitude para enriquecer são escolhas simples

Estar disposto a correr riscos, e ter a certeza de que vai ser um caminho para lá de espinhoso, faz parte da mentalidade rica. E só pessoas com mentalidade rica têm a chance real de serem realmente ricas, emocional e financeiramente. Está esperando o que? Deixe o “mimimi” e comece já!

Um abraço e até nosso próximo encontro.

Renato De Vuono
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários