Várias pessoas fazem contato conosco para saber o que fazer com uma quantia maior de dinheiro que receberam de uma única vez.

Pode ser a rescisão de um contrato de trabalho, a venda de algum bem de maior valor (como um imóvel), o saque do FGTS, ou uma herança.

O fato é que muita gente tem ótimas ideias sobre como gastar esse dinheiro, mas se a decisão for investir, aí as dúvidas aparecem. Precisamos conversar um pouco sobre isso.

Andar, trabalhar, dirigir e investir

Vamos à origem do problema: o aprendizado. Um dia você nasceu, e não sabia fazer quase nada. Nem sua memória você sabia usar, afinal, não se lembra de nada que fez nos primeiros anos de vida.

Mas o tempo passou, e você aprendeu a beber, comer, andar e falar. Tudo com muito esforço e num processo repetitivo de experimentação, envolvendo muito mais erros do que acertos.

O tempo passou e você cresceu. Aprendeu a escrever, ler, pedalar, dirigir, trabalhar. Aprendeu muito mais do que isso. Tudo com muito esforço e num processo repetitivo de experimentação… Sim, mais erros e acertos para a sua coleção.

Ebook gratuito recomendadoRiqueza pessoal é possível

Se você tem uma boa saúde mental e física, ou seja, nada mais grave que te impeça de raciocinar e agir, então pode fazer o que quiser. A única barreira será você, com sua mentalidade limitante.

Então uma coisa precisa ficar clara. Se você não se dispuser a estudar, com esforço e num processo contínuo, envolvendo experimentação, você não vai aprender a lidar bem com as suas finanças.

E se isso é uma coisa importante para você, então deve ocupar uma posição relevante na sua lista de prioridades.

O que fazer com o dinheiro?

Agora que já dei um leve “puxão de orelha” em você (não me leve à mal, faço isso porque quero que prospere), vamos à parte prática.

Dica 1: Livrar-se das dívidas

Considere utilizar o dinheiro recebido para quitar possíveis dívidas. Faça contato com a instituição financeira que concedeu o empréstimo, e busque negociar um bom desconto para pagar o saldo devedor à vista.

Se tiver mais de uma dívida, dê preferência para pagar primeiro àquelas que possuem juros mais elevados. Clique aqui para ver um vídeo sobre isso.

Dica 2: Proteja o dinheiro enquanto pensa

Talvez você não tenha dívidas, e precise pensar com calma sobre o destino deste dinheiro. Enquanto faz isso, aplique-o num investimento que tenha liquidez e rentabilidade acima da inflação.

Dessa forma, enquanto monta seus planos de multiplicação (seja no mercado financeiro ou através de negócios próprios), o seu dinheiro ficará protegido e ainda gerando rendimentos.

O produto recomendado para isso são os títulos públicos chamados Tesouro SELIC. Clique aqui para ler mais sobre isso.

Dica 3: Monte um plano de multiplicação financeira

Apesar de toda a tentação para gastar o dinheiro recebido, o mais sensato é você montar um plano para multiplicar esse dinheiro.

Dessa forma, você poderá criar novas fontes de renda que irão permitir você consumir de forma responsável e por muito mais tempo. Clique aqui para ler mais sobre isso.

Essa é a diferença entre o pensamento imediatista e o pensamento de longo prazo. Você não gasta tudo hoje para poder gastar sempre depois.

E se você não tem a mínima ideia sobre o que fazer, pense em aprender um pouco sobre marketing e vendas, e avalie a possibilidade de revender produtos no seu tempo livre.

Escolha produtos com boa margem de lucro e com os quais você tenha afinidade em trabalhar. Clique aqui para ler mais sobre isso.

Dica 4: Invista em conhecimento para planejar melhor

Agora que seu dinheiro está protegido e você já entendeu que precisa criar mais fontes de renda com este dinheiro que recebeu, dedique tempo para os estudos.

Lembre-se do “puxão de orelha”. Faça uso de sites como o Dinheirama.com (e da ferramenta de buscas, lá no topo superior direito da tela). Temos mais de 4.000 artigos sobre finanças e empreendedorismo para você ler e estudar gratuitamente.

Estude também através de bons livros. São baratos e eficientes. Considere realizar cursos específicos e direcionados aos seus planos: empreendedorismo, bolsa de valores, vendas ou cursos técnicos específicos. Prefira aqueles online (mais baratos), mas também considere os presenciais.

Quem tem conhecimento tem mais chances de gerar e multiplicar o dinheiro do que quem sabe pouco. Clique aqui para ver um vídeo sobre isso.

Dica 5: Adote a educação financeira como um estilo de vida

Depois de colocar essas coisas nos trilhos, não pense que a tarefa acabou. Muito pelo contrário. Ela acaba de começar, e nunca terá fim (ao menos eu espero).

Educação financeira é algo que você aprende para praticar sempre. Sua mente ficará aguçada e você movimentará o seu dinheiro de forma responsável, para que ele seja sempre um instrumento para melhorar a sua qualidade de vida. Clique aqui para ler mais sobre isso.

Conclusão

Não importa o quanto você ganha. O que importa é o que você faz com aquilo que você ganha.

As decisões são suas, e com elas, a responsabilidade e os resultados. Seja sábio ao utilizar seus recursos financeiros e viva feliz financeiramente. Abraços e até a próxima!

Giovanni Coutinho
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários