Planejar uma viagem costuma ser algo trabalhoso, mas o envolvimento com os detalhes da viagem é fundamental para encontrar as melhores oportunidades e, claro, gastar menos.

Um dos segredos para fazer a viagem dos sonhos é justamente começar a planejar os detalhes com bastante antecedência. Agora mesmo, hoje, é um excelente momento para começar o planejamento das férias de final de ano. Longe demais? Nada disso!

Para quem deseja aprender mais sobre isso e viajar sem estresse, separei cinco dicas para fazer um bom planejamento, gastar menos e evitar a correria (e os problemas) da viagem acertada na última hora.

1. Defina um limite de gastos

O primeiro passo para realizar um bom planejamento de viagem é definir exatamente quanto pretende gastar, já que esse é o ponto fundamental do seu planejamento e todos os outros itens serão seguidos a partir dessa decisão.

Assim, faça as contas, veja quanto de dinheiro disponível você possui, calcule os próximos gastos e descubra quanto dinheiro você tem para poder ser usado na viagem.

Com esse planejamento, você não passa apertado e nem fica com dívidas após o término do seu passeio. De nada adianta uma grande viagem, se ela te trará grandes dívidas. Tente levar tudo em conta, o que inclui gastos com alimentação, locação de veículos, compras e lembranças, além claro de passagens, passeios e hotel.

Na verdade, não existe resposta correta, cada pessoa toma essa decisão de acordo com aspectos financeiros que só o planejamento financeiro pessoal pode apresentar.

Planilha gratuita recomendada: Faça o controle das suas finanças

2. Defina o(s) seu(s) destino(s) e o que pretende fazer lá

Depois de saber quanto pode gastar, defina o seu destino de acordo com seu orçamento. Muita gente sonha ir a Paris e ficar três semanas na cidade luz, mas se os valores disponíveis garantem apenas uma boa estadia em uma cidade aqui mesmo no Brasil, por que não aproveitar esse momento com grande entusiasmo?

Manter os pés no chão e não cometer nenhuma loucura é importante para quem valoriza a educação financeira. A viagem para Paris poderá ser realizada lá na frente se for transformada em um objetivo de médio ou prazo e você começar a construí-lo hoje.

Se o destino requer viagem de avião, comprar a passagem com antecedência é sempre garantia de economia. Definir o seu destino é fundamental para também permitir que você e sua família escolham/cotem os passeios e programas turísticos, tendo assim uma base de preços/valores para discutir e analisar diante do orçamento.

3. Defina a duração da viagem

Depois de definido o destino e quanto se pretende pagar, a quarta decisão a ser tomada é o tempo de duração da viagem, que logicamente será baseado no destino e na quantidade de dinheiro disponível.

Existem pessoas que preferem fazer viagens mais curtas, mas com atrações/destinos mais caros (hotéis luxuosos e pacotes diferenciados). Outros indivíduos fazem viagens mais longas, com menos atrações e custos mais baixos (inclusive com uso da economia compartilhada).

Esta decisão depende do seu estilo de vida e do que você quer na sua viagem, então pense bem e aproveite ao máximo o tempo de duração da viagem. Coloco este item na lista porque é sempre comum ouvir das pessoas que “não deu tempo de ver tudo” ou que “a viagem foi cansativa demais”.

Leitura recomendada: Planejamento financeiro: faça da sua viagem de férias um sonho sem dívidas

4. Verifique sempre a reputação das empresas

Outro passo bastante importante para realizar um bom planejamento de viagens é pesquisar bem as empresas que você vai contratar antes, durante e depois da tão sonhada viagem.

Verifique os diferenciais da companhia, descubra se o hotel tem boas qualificações, se o restaurante que você reservou é mesmo de qualidade, enfim, faça uma pesquisa minuciosa e descubra todos os detalhes das companhias envolvidas nos serviços que você vai usar.

Agindo assim será mais fácil evitar surpresas desagradáveis no meio da viagem, momentos que podem transformar o que deveria ser inesquecível em uma lembrança trágica. Ah, cuidado com o barato demais também.

5. Decida a forma de pagamento

Depois de definir quanto gastar e os detalhes do roteiro, é chegada a hora de decidir qual vai ser a forma de pagamento. Se a melhor opção é parcelar os valores no cartão, lembre-se que o não pagamento integral da fatura pode transformar a dívida (e a viagem) em um pesadelo (juros elevadíssimos).

Outro detalhe que envolve o cartão é a questão do limite, uma vez que o valor total da compra é deduzido do limite disponível, o que pode prejudicar o uso do cartão nos meses seguintes à compra (enquanto houver parcelas para pagar).

Ao fazer bem as contas e avaliar as possibilidades de pagamento, talvez fique claro que a melhor opção é gastar um pouco menos e tentar fazer o pagamento à vista, sem esquecer de pedir um bom desconto.

Leitura recomendada: 12 Dicas para fazer da classe econômica a sua primeira classe

Conclusão

Viajar é sempre algo memorável e que deve ser incentivado. Há um ditado popular que diz que “viajar é a única coisa que quanto mais a gente gasta, mais rico a gente fica”. São as experiências que formarão as melhores (e piores) lembranças de sua vida, portanto planeje tudo com carinho e antecedência.

Em poucas semanas, eu passarei alguns dias fora com minha família e definimos tudo há pelo menos 6 meses; a viagem já está praticamente paga e, confesso, agora já estamos planejando a próxima “escapada”, provavelmente para fora do país.

Ainda tenho uma dica bônus, talvez a mais importante: quando estiver de férias, procure fazer o máximo para aproveitar a companhia das pessoas que estão com você! Esses momentos serão eternizados se você assim desejar, o que dará cada vez mais combustível para recuperar as energias e seguir em frente. Até a próxima

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários