Os 5 principais erros dos investidores iniciantesHelder comenta: “Navarro, estou investindo bastante do meu tempo em leituras sobre investidores e suas estratégias de investimento. Uma das coisas que procuro é entender quais são os principais equívocos associados às decisões que tomamos quando decidimos investir nosso capital. Você tem uma lista dos principais erros relacionados aos investimentos? Obrigado”.

Sempre que o assunto é dinheiro e investimentos, seja com clientes ou em uma simples conversa de amigos, faço questão de deixar uma coisa bem clara: o sucesso (ou o fracasso) ao investir não depende apenas da matemática, mas de compreender, respeitar e lidar com a natureza humana.

O Dinheirama vem tratando da relação “homem-ciência-dinheiro-sentimento” na seção “Psicologia Econômica”, onde fica claro que lidar com a natureza humana é, sem dúvida, nosso maior desafio. A palavra-chave relacionada a este desafio é emoção.

Segundo uma definição clássica e muito utilizada pela Professora Vera Rita de Mello Ferreira, “emoção é impulso, é parente próxima de instinto, é o que nos impele a buscar satisfação e agir nesse sentido”.

Viu outra palavra importante? Satisfação. A definição acima serve para explicar porque adoramos consumir e fazer compras; ou porque é tão fácil ficar animado quando alguém apresenta uma oportunidade fantástica de investimento; ou ainda porque arriscamos tanto quando o mercado vai muito bem.

5 principais erros dos investidores iniciantes

Formular uma lista com os principais erros cometidos por investidores é uma tarefa bastante complicada. Primeiro, porque são muitos os erros. Segundo, porque eles têm origens em características subjetivas, o que os torna peculiares e únicos a depender do perfil do investidor. E, terceiro, porque eles são sempre potencializados pela emoção.

Ainda assim, arrisco-me a apontar cinco erros bastante perigosos, especialmente para quem investe há pouco tempo. Vejamos.

1. Superestimar a probabilidade de eventos positivos

Tudo que o investidor novato quer é ter a certeza de que seu dinheiro renderá muito e que, em pouco tempo, seu patrimônio será multiplicado por um fator bem interessante. Alguns vão muito além: querem investir pouco e ter um retorno expressivo. Vocês não imaginam quantos e-mails eu recebo com mensagens ao estilo “Tenho R$ 5 mil e gostaria de ficar milionário blá-blá-blá”.

Que ótimo que há o desejo de investir e transformar-se em um milionário (isso desencadeia emoções importantes no processo), mas superestimar as oportunidades disponíveis só tende a gerar mais angústia e ansiedade. Ora, como é lidar com a realidade de saber que aquele super negócio que seu amigo ofereceu, um típico esquema de pirâmide, quebrou?

A emoção toma conta. O investidor vai da euforia do investimento inicial, quando ele superestimou a chance de tudo dar certo e ele ficar rico logo, para o susto da realidade. O resultado pode ser um perigoso trauma.

Atitude desejada: conheça muito bem o investimento que pretende fazer, suas características, riscos e histórico.

2. Tirar conclusões a partir de poucos dados

Outro caso comum é o do investidor que é apresentado a um excelente produto (fundo de investimento, digamos) e decide investir logo depois de ouvir a explicação do representante da empresa (pode ser um “pastinha” ou profissional próprio). É o que espera o ofertante do produto, mas é melhor que não seja assim.

Ofereço algumas questões relevantes que devem ser plenamente respondidas e entendidas antes da decisão de investir:

  • A empresa que oferece o produto é devidamente registrada e tem autorização para oferecer produtos financeiros? Consulte a CVM, Banco Central e afins para ter certeza;
  • Desde quando a empresa existe e quantos fundos ela gerencia? É importante conhecer a empresa, seus sócios e sua história;
  • Qual o patrimônio total administrado pela empresa? O volume gerenciado dá dimensão de quantas pessoas já investem e confiam na empresa;
  • Qual o histórico de rentabilidade dos produtos da empresa? Dê preferência a empresas que existam há mais tempo e cujas estratégias tenham sido testadas em crises como a de 2007, por exemplo.

Estas são algumas perguntas. Você pode e deve fazer muitas mais, além de comparar, conversar com os gestores e visitar a empresa. Cercar-se de cuidados antes de decidir onde investir é a atitude correta quando se trata de preservar e multiplicar seu patrimônio. Afinal, o dinheiro do dia a dia é suado, não é mesmo?

Atitude desejada: perguntar muito sobre a empresa, sua história, seus produtos, clientes, patrimônio e histórico em relação ao mercado.

3. Relutância em admitir erros (ou teimosia)

A decisão se mostra incorreta e o resultado não é o esperado. Há quem siga fiel ao sentimento de que tudo vai melhorar, criando laços perigosos com os ativos de sua carteira. Agir assim significa associar-se forma silenciosa ao ego, quando o recomendado seria respeitar uma estratégia.

A palavra-chave, portanto, é estratégia. É preciso defini-la e respeitá-la. Definir limites de perdas (stop loss) e ganhos (stop gain) e prazos para o investimento (curto, médio e longo prazo) é o básico para evitar que as emoções somem tanta força na hora de tomar suas decisões.

Ao lidar com os investimentos, o foco não é saber quem está errado, mas compreender o papel da estratégia. Se ela não funcionou, é hora de revisá-la e experimentar variações. Se deu certo, será que foi um golpe de sorte ou as variáveis foram mesmo cobertas e corretamente analisadas? Ter uma estratégia evita que você valorize demais sua péssima capacidade de estimar (Erro 1, lembra-se?).

Atitude desejada: crie um plano de investimentos coerente com seus objetivos, preferindo realizar pequenos lucros mais vezes a esperar a “grande tacada”.

4. Acreditar que seu sucesso se deve à sua sabedoria, e não ao mercado em alta

Atualmente, este é um erro pouco comentado no Brasil. O mercado de ações, onde esse erro é mais frequente, anda bem estranho por aqui. O número de investidores pessoa física não cresce há algum tempo. Não há euforia, o que exige cuidado e experiência para ter bons resultados em um mercado “de lado”.

Os especialistas costumam dizer que quando a alta das bolsas é notícia muito frequente na mídia menos especializada, “é provável que essa seja uma boa hora para sair (vender) e realizar lucros”. Já vimos isso acontecer no passado recente e o convite à reflexão é simples: quão eficiente é sua estratégia quando o mercado não está soprando a favor?

Porque, convenhamos, é fácil ver a carteira subir bastante quando todo o mercado impulsiona a bolsa para cima. O que fazer, no entanto, quando a situação é diferente do ideal? Comece aprendendo técnicas de investimento diferentes, como proteção através de opções de compra/venda, aluguel de ações etc.

Atitude desejada: investir também em momentos de mercado lateral ou com tendência de baixa, testando e aprendendo estratégias diferentes (hedge, opções, contratos e etc.).

5. Confundir familiaridade com conhecimento

Em relação aos seus primeiros passos, começar a investir é sinônimo de comprar as Blue Chips que saem todos os dias no jornal? Esta pode ser uma decisão interessante para o longo prazo, mas muitos investidores agem assim simplesmente porque leram a recomendação em alguma revista e não porque entendem que essa seria a “coisa certa” a fazer.

Fulano ouviu dizer que o Tesouro Direto é uma aplicação bacana. Legal, mas isso torna a aplicação realmente interessante para ele? Depende. Depende do seu horizonte temporal do investimento, do montante a ser aplicado, do seu perfil e por ai vai.

É desejável que você acompanhe o noticiário especializado e tenha opinião formada sobre as diversas alternativas de investimento disponíveis. Só não confunda a familiaridade com o tema com conhecimento para investir de forma mais confiante – essa confusão abre espaço para a emoção e os resultados podem ser desanimadores.

Atitude desejada: valorize a familiaridade com o assunto e, a partir dela, aprofunde-se nas alternativas de investimento que parecem mais apropriadas para seu perfil.

Confundi mais que ajudei?

É bem possível que ao chegar até aqui você acredite que investir é bem mais complicado do que você imaginava. Talvez por isso você, inconscientemente, invista apenas naquelas opções tradicionais, simples e que você já conhece há muito tempo, como a caderneta de poupança ou os fundos de renda fixa.

A proposta é mesmo convidá-lo a rever sua postura diante das decisões que vem tomando em relação patrimônio familiar. Quero desafiá-lo a sair da zona de conforto. Adianta eu tentar convencê-lo dizendo que investir melhor representa uma decisão fundamental para quem busca independência financeira? Isso você já sabe.

Se a provocação faz sentido, termino com a sensação de dever cumprido. Se ainda não “cheguei lá”, prometo insistir mais, mais e mais. Deixe seus comentários e fale comigo também no Twitter – sou o @Navarro por lá. Até mais.

Foto de freedigitalphotos.net.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários