Como vai o seu negócio ou a empresa onde você trabalha? Lutando como sempre para buscar constantes melhorias na relação entre os custos e o faturamento?

É interessante percebermos as muitas semelhanças entre a gestão financeira de uma organização e a gestão financeira familiar.

Controlar (ou reduzir) os gastos, promover ações para aumentar as receitas, realizar investimentos para crescer, são alguns exemplos amplos.

Cada um deles se desdobra em vários outros pontos específicos, porém muito importantes para o bom andamento do fluxo financeiro.

Gostamos dessa visão comparativa entre finanças pessoais e corporativas. Há muito que se extrair de aprendizado e aplicações, principalmente das finanças corporativas, pois costumam ser geridas de forma mais profissional.

Não tem segredo: corte os custos e aumente as receitas

Todo empresário ou executivo de empresa deveria estar atento a estes dois pilares que mantém um negócio funcionando.

Mas isso precisa ser feito de forma inteligente, mantendo o foco do negócio principal da empresa e utilizando ferramentas, processos ou terceirizações para as atividades secundárias, porém necessárias.

Enquanto estávamos escrevendo esse texto, um de nossos redatores mencionou um exemplo prático. Ele trabalhou como executivo de vendas numa grande empresa.

Quando saía para visitar clientes, ele tinha que utilizar um boleto em papel (conhecido como voucher) para solicitar táxis. Isso criava ao menos dois problemas:

1) Os vouchers eram preenchidos à mão, e portanto fáceis de serem burlados. Ou ainda poderia haver alteração de trajeto para fins particulares, que dificilmente seriam percebidos pela empresa.

2) Com frequência era necessário esperar até 45 minutos para ser atendido. O processo era manual e dependia de ligações telefônicas (que também geravam custos extras).

Ebook gratuito recomendado: As 6 táticas definitivas para melhorar o controle de custos corporativos

Processos e ferramentas ultrapassadas terminam gerando custos “escondidos”, seja no preço do próprio serviço ou na perda de produtividade do funcionário.

Problemas assim são resolvidos facilmente com a adoção de ferramentas modernas, como aplicativos para smartphones. Inclusive, falando em deslocamentos, no Dinheirama utilizamos e gostamos do aplicativo da 99.

Dicas importantes para gerir melhor os recursos

Tivemos contato com um material interessante e que traz 6 dicas para melhorar o controle de custos corporativos.

Entendemos que a leitura será proveitosa para você que é empresário ou executivo de empresa. E caso você seja aquele funcionário com perfil intra-empreendedor (que trabalha como funcionário, mas que tem visão de sócio proprietário), você também vai gostar.

6 táticas poderosas para controlar despesas corporativas

Veja os assuntos principais:

  • Mapeamento de despesas
  • Corte de gastos desnecessários
  • Política de reembolsos
  • Controle de estoque
  • Coordenação de compras
  • Softwares de gestão financeira

Para ler o material, que é gratuito e tem formato de ebook, basta clicar aqui.

Deixamos apenas duas observações finais antes de você ter contato com este material:

  • Ao identificar alguma informação com maior relevância para seu negócio ou empresa, coloque-a em prática o quanto antes. O motivo de muitos problemas não serem resolvidos, é porque não colocamos em prática aquilo que aprendemos.
  • Se você gostar do conteúdo, compartilhe também com seus amigos empresários ou com as áreas da empresa que você julgue que serão beneficiadas com as informações.

Boa leitura! Abraços, e até a próxima!

Nota: Esta publicação é um oferecimento da 99, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários