No dia a dia, a gente enfrenta alguns problemas relacionados ao consumo de produtos e serviços. Quem nunca ficou horas pendurado no telefone para saber quando a conexão da Internet seria normalizada ou viu um preço na loja e na hora de pagar era outro?

Pois bem, saiba que com informação é possível ser atendido de acordo com os direitos do consumidor e garantir que as empresas trabalhem com transparência e respeito às relações de consumo.

Selecionamos os 7 direitos que todos devem conhecer e praticar para fazer valer o que está no Código do Consumidor, evitar estresse e também coibir despesas abusivas.

1. Valor mínimo para uso do cartão de crédito não existe

Você já foi a algum bar ou padaria e ao pagar ouviu do atendente que para usar o cartão de crédito é obrigatório gastar um determinado valor?

Pois bem, da próxima vez você pode citar o artigo 39, que diz que é proibido exigir valor mínimo. Tal exigência é ilegal. Outra prática proibida é cobrar uma taxa adicional para aceitar cartão de débito ou crédito no lugar de dinheiro.

Leitura recomendada: Black Friday: cuidados e dicas para aproveitar os descontos 

2. Ressarcimento na falta de sinal de TV a cabo e Internet

Ficou sem sinal para ver aquele filme que tanto esperava ou a Internet simplesmente caiu? Saiba que você tem direito a receber desconto na próxima conta pelo período que ficou sem o serviço.

Para isso, é preciso entrar em contato com a empresa, informar o tempo que está sem o serviço e pedir o ressarcimento. Lembre-se de anotar e guardar o número do protocolo, para reclamar caso não veja o abatimento no mês seguinte.

Para contratação de serviços extras, como pay per view, o cliente tem o direito de receber de volta o valor integral.

3. Perda de comanda e ticket do estacionamento sem multa

Quase toda comada de bar vem com aquelas letras miúdas dizendo algo como: “no caso de perda da comanda, será cobrada uma taxa de X reais”.  E essa taxa geralmente é bem salgada e muito mais alta do que se pretendia gastar a noite toda.

O estabelecimento é responsável por definir uma forma de controle do consumo sem que isso seja responsabilidade do consumidor. Já para o ticket do estacionamento, o mesmo não pode cobrar multa, apenas o valor relacionado ao tempo de permanência do veículo.

Ou seja, não somos nós, consumidores, os responsáveis por controlar os meios utilizados pelas empresas para realizar a cobrança. Isso fica claro no inciso IV do Art. 51: “São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais relativas ao fornecimento de produtos e serviços que estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem”.

4. Consumação mínima não pode ser obrigatória

Aproveitando que falamos da comanda acima, também é ilegal cobrar um valor de consumação como se fosse uma espécie de “entrada” nos bares e casas noturnas.

Isso é considerado uma “venda casada”, pois a entrada estaria condicionada à consumação de produtos dentro do local. Tal prática é abusiva, e se precisar citar, caso se veja nessa situação, você encontra a informação no Artigo 39, inciso I do CDC.

Leitura recomendada: Você e sua vida: rápida reflexão sobre seus direitos

5. Compras feitas de internet: você pode desistir

Para qualquer compra realizada pela Internet, o artigo 49 esclarece que  “o consumidor tem 7 dias para desistir de um produto ou serviço sem ter de pagar por ele sempre que a contratação ocorrer fora da loja física, ou seja, via internet, catálogo ou telefone”.

6. Dano ou furto no estacionamento

Já reparou naquelas placas no estacionamento com a frase “o estacionamento não se responsabiliza por possíveis danos no veículo”? Pois bem, isso pode coibir a reclamação do cliente, pois é normal achar que isso é uma regra. Mas não é.

Tal plaquinha não anula a responsabilidade do estacionamento. De acordo com a Súmula 130 do STJ, a empresa responde, perante o cliente, pela reparação de dano ou furto de veículo ocorrido em seu estacionamento.

7. Nome limpo em até 5 dias após pagamento da dívida

Pagar as dívidas para limpar o nome no SPC ou Serasa é um baita alívio e um grande feito nos dias de hoje. Mas é preciso estar atento ao tempo que se leva para que o nome não conste na lista de inadimplentes.

Se após 5 dias do pagamento da dívida o consumidor não foi excluído dos serviços de proteção ao crédito, a empresa pode ser processada por danos morais.

Conclusão

A melhor maneira de fazer valer os seus direitos é sempre por meio do diálogo. Porém, caso sinta-se coagido ou desrespeitado, evite discutir e procure registrar a sua queixa com um boletim de ocorrência, no juizado de pequenas causas, Procon ou mesmo no site de registro de reclamação Reclame Aqui.

Vídeo recomendado: Como exercer seus direitos e ser um cidadão/consumidor inteligente

Daniella Gomes
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários