Não somos imunes aos erros! Mesmo os bons gestores cometem alguns deslizes. Cabe aos verdadeiros líderes aprender com os erros mais comuns e refletir sobre suas formas de atuação, evitando uma série de problemas com os liderados e, consequentemente, na performance da equipe e nos resultados da empresa.

Quais são os 7 erros mais comuns?

Leitura recomendada: 10 Características separam os chefes dos líderes (descubra em que lado você está)

1. Tentar gerenciar as pessoas

Um erro comum na liderança é a crença de que cabe aos gestores gerenciarem as pessoas. Não! O líder precisa ser um incentivador para que as pessoas gerenciem a si mesmas. E para a autogestão é importante que o líder apresente os propósitos e expectativas de maneira clara e dê feedback constante.

Usar o potencial das pessoas para que tomem decisões também é necessário. O desafio dos líderes é fazer as pessoas “subirem para a gestão” e o apego à hierarquia e a falta de confiança são grandes barreiras para que isso aconteça.

2. Não ter foco

Equipes autogerenciáveis precisam de alinhamento e objetivos comuns, mas ninguém vai adivinhar para que lado devem ir se o líder não mostrar qual é o foco! Definir metas é uma prática muito positiva, pois ajuda as pessoas a priorizarem suas ações.

Ebook gratuito recomendado: Freelancer: Liberdade com muito trabalho e resultados

Também é fundamental que as pessoas tenham indicadores disponíveis para que elas mesmas percebam se estão na direção correta.

3. Colocar o cliente em primeiro lugar

Levou susto com essa ideia? Tudo bem… para a empresa o cliente realmente precisa estar no centro das atenções, mas, e para o líder? Coloque os “liderados em primeiro lugar” e eles vão colocar o “cliente em primeiro lugar”.

O líder precisa servir à equipe, dando poder às pessoas para que elas façam o que há de melhor ao cliente, afinal, são elas que estão na linha de frente.

4. Ser a solução de todos os problemas

Ser um líder herói, que resolve todos os problemas, é deixar a equipe dependente e sem iniciativa. Os verdadeiros solucionadores dos problemas precisam ser os liderados e, quanto mais o chefe traz para si essa responsabilidade, menos as pessoas serão competentes e a empresa fica lenta, pesada, pouco criativa e o líder será mais ocupado, estressado e sem tempo para fazer a gestão estratégica.

Gosta de vídeos? Aprenda mais: TV Dinheirama – Você no comando do seu dinheiro

5. Querer que todos sejam iguais a ele

Os líderes tendem a querer pessoas iguais a eles. Ora! Se todos pensam igual tem gente sobrando. A sinergia e a inovação nascem do confronto positivo de pontos de vista.

Pessoas que pensam diferente é o cenário que gera a visão mais ampla e as ideias mais criativas. Cabe ao líder celebrar as diferenças e construir equipes com multicompetências. Mas o que elas têm que ter em comum? Os valores e os objetivos coletivos.

6. Não desenvolver as pessoas

Ter pessoas capacitadas é uma necessidade constante. Mas isso não acontece apenas nos cursos formais e nas salas de aula. O líder precisa assumir o papel de desenvolvedor da equipe e atuar como um verdadeiro líder educador.

Dar feedback e atribuir desafios são excelentes ferramentas que podem ser usadas para fazer os liderados crescerem e se tornarem cada vez melhores.

7. Não comunicar no tempo certo

Sabe por que existem tantas fofocas e boatos na empresa? Uma das razões é a falta de comunicação assertiva e transparente. Mas não se iluda achando que ter uma comunicação com transparência significa “falar tudo” (pois sabemos que nem tudo pode ser dito, especialmente os assuntos confidenciais).

Leitura recomendada: O poder destrutivo da crítica: prefira praticar o reforço positivo

Ser transparente significa “falar rápido”, ou seja, aquilo que as pessoas precisam saber, elas devem receber a informação da boca do líder o quanto antes. O líder competente tem a “rádio-peão” na mão.

Gostou dessas dicas? Tenha-as sempre “em mãos”. Neste link você pode baixar o infográfico completo. Até a próxima!

Marcelo de Elias
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários