Poupança - CofrinhoMarcelo comenta: “Navarro, algumas pessoas me chamam de conservador e apático porque eu não tiro meu dinheiro da caderneta de poupança. Eles insistem para que eu estude outras opções e parta para aplicações em fundos de investimento DI ou de Renda Fixa. Claro, uma das pessoas que insiste nestes pontos é meu gerente. O que fazer? Será que sou tão devagar assim. A propósito, parabéns pelo blog! É leitura diária e sagrada”.

Marcelo, obrigado pela visita e por deixar esta mensagem em momento tão oportuno. Ao ler seu e-mail durante o final de semana, comecei a esboçar uma resposta e então tive a felicidade de encontrar, na edição de ontem do jornal Valor Econômico, um pequeno estudo comparativo entre a caderneta de poupança e alguns fundos bancários. Uma coincidência que seguramente irá tranquilizá-lo. Mas, que não deve acomodá-lo. Estudar novas possibilidades é algo essencial e vai lhe fazer muito bem. Ah, quero deixar também um agradecimento pelas suas palavras de apoio. Muito obrigado.

Poupar e entender de dinheiro é importante
Não importa a quantidade de dinheiro que você possui, nem quanto pode guardar. O hábito de poupar e investir é fundamental nos dias de hoje. Marcelo, parabéns por ter este espírito e acreditar que precisa tomar conta do seu dinheiro de forma tão séria. Vamos ao que interessa. É fato que a caderneta de poupança não é um investimento livre de risco, uma vez que em caso de falência da instituição, você terá até R$ 60.000,00 de garantia. Se tem mais do que isso aplicado, terá que tentar reaver tudo na Justiça. Também é fato que o rendimento da poupança, calculado com base na TR (Taxa Referencial), sofreu uma pequena redução, já que o Governo decidiu revisar o cálculo desta taxa. Mas também é fato que ela anda muito competitiva.

Eu sempre disse que o importante é aprender a calcular a rentabilidade real de uma aplicação. Sem essa habilidade, tendemos a acreditar em especialistas que, muitas vezes, usam chavões manjados e preconceituosos para colaborar com as cirandas financeira e bancária que movem também parte de seu trabalho e de seu “mercado”. Tudo bem, a caderneta de poupança é uma aplicação de rendimento baixo, mas ainda assim há quem participe de fundos DI ou Renda Fixa com rentabilidade ainda mais baixa.

A caderneta de poupança e os fundos de investimento
O rendimento da caderneta de poupança, calculado para o mês de maio, já contempla a nova regra para a TR. A pesquisa publicada pelo jornal Valor mostra que neste mesmo mês (maio), 24 fundos DI de varejo, dentre os 40 com maior patrimônio, renderam menos que a poupança, se considerada a alíquota de 22,5% de IR sobre o retorno dos fundos. Mas espera ai. Esses fundos cobram altas taxas de administração, ainda que a TR e a rentabilidade da poupança tenham caído? Sim. E a razão é simples: se cotistas, como você, não tiram seu dinheiro de lá, pra que mexer na taxa de administração?

Se usada a taxa de 15% de IR sobre o retorno dos fundos analisados, cai para 13 o número de fundos que perderam em rendimento para a caderneta de poupança em maio deste ano, ainda entre os 40 mais populares. No entanto, calma! Este artigo é uma análise da situação dos fundos e não dos cenários macroeconômicos do país. Uma mudança brusca neste panorama pode complicar o Brasil. Uau, fui um pouco dramático demais no “complicar”, mas enfim, não saia tirando seu dinheiro sem antes entender o que tudo isso significa. A propósito, estão em curso algumas discussões para permitir que os fundos permaneçam competitivos frente à caderneta de poupança. Já pensaram até em cobrar IR dos clientes das cadernetas. Calma, são apenas especulações. Por enquanto.

A influência da sua decisão para o Brasil. Você faz a diferença.
Não adianta tirar o dinheiro dos fundos e jogar na poupança porque “o Navarro pediu”. Meu objetivo é, de novo, alertá-lo no sentido de que um investimento pode ser bom, mas é preciso que você saiba realmente se ele atende suas expectativas. O que você espera de sua aplicação? Quer saber, vou me aventurar um pouco nas projeções macroeconômicas sim. Se todos nós largarmos imediatamente a caderneta e passarmos a usar somente os fundos bancários DI ou de Renda Fixa, o Brasil fica sem dinheiro para o financiamento habitacional. Pois é, seu dinheiro da caderneta é usado para isso.

Por outro lado, se tirarmos nosso dinheiro dos fundos e o pusermos apenas na poupança, o país fica sem condição de financiar sua dívida, pois estes fundos compram Títulos Federais. Eita balança complicada hein? Você deve estar pensando: “e eu com isso”? Você mora aqui não mora? Ah bom!

Pois é Marcelo, depois de demonstrar que a caderneta de poupança apresenta-se ainda competitiva, de confundi-lo com um pequeno parágrafo sobre conjectura econômica e de colocá-lo para pensar sobre suas aplicações, quero deixar a verdadeira mensagem deste artigo: procure por fundos DI ou de Renda Fixa que ofereçam atraentes taxas de administração e tenha em mente que, quanto maior for o aporte inicial mínimo para um determinado fundo, menor será sua taxa de administração. Portanto, use sabiamente seus recursos e dê valor à cada centavo exibido em seu extrato. Eu falo isso sempre né? Confesso que sou meio chato com os centavos.

Ufa, chegou a conclusão.
Continua confuso? Desculpe, as vezes até eu me enrolo em meus textos. Acho que um exemplo pode facilitar. Que tal guardar seu dinheiro na caderneta de poupança até que você tenha a soma mínima para comprar cotas naquele fundo interessante de DI ou Renda Fixa, que oferece rentabilidade real adequada e cobra baixa taxa de administração? Assim evita de entrar no fundo bancário com um valor baixo, pagando alta taxa de administração e com rentabilidade baixa demais. Que tal?

No final das contas, caímos na mesma tecla de sempre. Olha o chato de novo em ação. Preocupe-se em calcular a rentabilidade de suas aplicações, considerando inflação, taxas envolvidas e IR. E não se esqueça da velha e boa caderneta de poupança. Alô? Marcelo? Ainda está ai? Não, você não é conservador demais. Mas, tome cuidado para não transformar seu hábito em teimosia. Bons negócios.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários