A cerveja é o melhor investimentoAntes, um importante alerta: este texto deve ser lido com bom humor, inteligência e correta interpretação. Dito isso, sinto-me tranquilo e mais à vontade para começar. Tempos atrás, brinquei no Twitter da melhor loja do mundo (@mcf_sa, a minha) que a cerveja seria o melhor investimento. Para não ficar vazio de argumentação emendei um “certo @dinheirama?”.

No Twitter, é comum se fazer conversações meio aleatórias, citando pessoas ou entidades (como o @dinheirama ou a @mcf_sa) com o intuito de dialogar um pouco. Funciona, mas nem sempre. Eis que o Bruno, da equipe do blog, responde que “cerveja não é ativo, não rende juros nem nada”. Ok Bruno, você está certo, mas está profundamente errado. Explico adiante porque esta bebida pode ser considerada também um investimento[bb].

Cerveja é uma bebida social
Apesar de conter uma droga perigosa e debilitante, a cerveja é considerada por muitas pessoas como uma bebida social por excelência. Talvez sua baixa graduação alcóolica ou seu custo imbatível expliquem isso. Não sei se é por ai e este artigo não é sobre este assunto. O fato é que as pessoas se reúnem com muito mais frequência para tomar cerveja do que para tomar vinho, seu “concorrente” mais próximo.

Mas e o tal do investimento?
Pergunte aos experts quais as características principais das pessoas de sucesso. Networking ou a força de redes de relacionamento[bb] sempre estão na lista. Faça você mesmo a análise: quantas pessoas você conheceu em eventos regados a cerveja? E quantas oportunidades costumam surgir na sua vida dentro de suas redes de relacionamento?

Algo como “amigo contrata amigo” ou “amigos começam sociedade” ou “conhecido indicado por amigo para um cargo de confiança”. Os exemplos são inúmeros e corriqueiros, muitas vezes tão banais que não sabemos a que os atribuir. Digamos que o lubrificante social chamado cerveja é sim um catalisador importante para amizades e relacionamentos relevantes.

Faça uma avaliação baseada na sua experiência. Como você faz amigos? Jogando futebol, durante uma balada, colegas de aula etc. Pense bem, qual é a desculpa “GOLDEN HIPER SUPREME” usada por 99,9% das pessoas quando querem se enturmar e conhecer gente nova? Respondo: “E aí galera, quem tá a fim de ir tomar uma cerveja?”

E fazer amigos é investimento? Claro que é. Diga ai, quantas pessoas se mantém em seus empregos ou desenvolvem negócios de forma sustentável apenas criando inimigos ou sem se relacionar com as pessoas? Quantas seleções de emprego não contém a exigência “trabalha bem em equipe”? Pois é, o relacionamento é fundamental.

Apesar do jeito “desacadêmico”, este texto não trata apenas de um manifesto idiossincrático (hora de pegar o dicionário[bb]). Ser uma pessoa sociável, mesmo que não inclua a cerveja, é necessário para ter uma vida melhor, uma carreira mais gratificante e mais oportunidades profissionais e pessoais.

Tomar cerveja socialmente, com moderação – ou mesmo acompanhar no refrigerante -, é uma forma de investimento de longo prazo. É duradouro e rende benefícios, mesmo que isso seja difícil de quantificar financeiramente. Ou não?

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários