A Classe Alta: Nova edição do nosso curso de enriquecimentoAcho que você também deve ter visto várias matérias nos grandes jornais e revistas com diferentes dicas e sugestões para cortar gastos. Recentemente, a Forbes publicou artigo dizendo que é ridículo o preço que pagamos pelos carros. Além do mesmo carro custar três vezes mais no Brasil, a renda do brasileiro é muitas vezes menor do que a do consumidor americano.

O assunto repercutiu também em uma edição recente do TopMoney, programa em que os amigos Conrado Navarro e Ricardo Pereira, sócios deste blog, participam ao lado de diversos outros especialistas de finanças pessoais. Mas, para nós, que buscamos maior qualidade de vida, será que o foco principal deve ser nos gastos ou na receita?

Não adianta apenas economizar!
Entendo que os artigos sobre moderação de gastos são sempre bem intencionados, mas não podemos ignorar as peculiaridades de nosso país. De fato, existe muito a ser feito na esfera pública, como promover mais competição, adequar a carga tributária e investir em educação. Os desafios são grandes, pois essas transformações políticas e sociais requerem muita discussão e votações. O processo é naturalmente lento e existem muitos intermediários até que algo seja feito.

Já na esfera pessoal, a coisa é bem diferente: nós somos diretamente responsáveis pelos resultados colhidos, que dependem das nossas escolhas e ações. Com as ferramentas adequadas, boa orientação e motivação dentro de um ambiente de apoio, é possível sim buscar um aumento na renda. É o que temos oferecido em nosso curso A Classe Alta (clique para conhecer).

E existem várias formas para ganhar mais:

  • Fazer trabalhos adicionais para ter renda extra;
  • Fortalecer relacionamentos para encontrar mais clientes, parceiros e oportunidades;
  • Negociar melhores condições com diferentes prestadores de serviço;
  • Se dedicar ao empreendedorismo;
  • Investir na própria carreira para um aumento de salário.

Antes de contar mais sobre o curso de enriquecimento criado pela Arata Academy em parceria com o Dinheirama em 2010, vamos primeiro entender um pouco sobre o que está por trás dessa cultura de corte de gastos.

Adianta apenas cortar gastos?
Muitos conselhos sobre corte de despesas são diretamente importados da cultura de frugalidade que funciona bem nos Estados Unidos e na Europa. Lá, a base salarial é bem maior e, portanto, muitos podem abrir mão do consumo de supérfluos, promovendo um significativo avanço em suas economias.

No Brasil, nem sempre as recomendações de redução de gastos são adequadas. Quando a maior parte das despesas é dedicada ao consumo de bens essenciais, existe pouca gordura para ser eliminada.

Aqui no Dinheirama, encontramos ótimos recursos para adquirir educação financeira e poupar e investir com inteligência. Isso é excelente, mas quando o montante que temos para investir é modesto, precisaremos de muitas décadas para que a mágica dos juros compostos traga prosperidade financeira.

Assim, o que faz a maior diferença para nossa vida não é nem o corte de despesas nem a otimização de investimentos. Se não é assim, onde devemos focar nossa atenção?

Os dois lados da riqueza: financeiro e mental
Encontramos a riqueza dividida em dois grandes pilares: 1) aumentar o patrimônio monetário (enriquecer financeiramente); e em 2) valorizar o que é importante – (enriquecimento mental)

Ambos são importantes, pois não adianta ter uma conta bancária milionária com um vazio interno, sem nutrir relacionamentos de qualidade, sem ter um propósito maior do que nós mesmos. O enriquecimento financeiro sem o enriquecimento mental apresenta um vácuo que tende a ser preenchido pelo hedonismo.

Não é por acaso que muitas pessoas apresentam aversão ao dinheiro, já que ele é frequentemente associado à esbórnia, imaturidade e irresponsabilidade de quem não cuidou do lado mental.

E do outro lado? Será que basta apenas o enriquecimento mental sem o enriquecimento financeiro? Na sociedade brasileira de hoje, quem não dá atenção às finanças pessoais fica dependendo de serviços públicos cada vez piores. Torna-se vulnerável a mirabolantes planos de financiamento “sem juros” anunciados por grandes corporações e campanhas de marketing apelativas.

O enriquecimento mental se manifesta na plenitude quando temos uma economia mínima para nossa dignidade e segurança. Podemos dizer que o enriquecimento financeiro e mental são complementares. Isso não deve causar muito espanto para ninguém, já que o meu amigo Conrado Navarro e toda a equipe Dinheirama trabalham com uma qualidade excepcional o equilíbrio entre ambas formas de riqueza.

O curso “A Classe Alta”
Para quem deseja dar um passo a mais, o nosso curso (clique e conheça) segue uma dinâmica inédita no Brasil, contendo vídeos teóricos intercalados com vídeos de atividades interativas. Ao finalizar uma aula, você pode discutir juntamente com os demais participantes do curso, trocando ideias e experiências. Toda a metodologia foi bolada para ser agradável, interessante e motivadora.

O nosso curso tem crescido e melhorado a cada edição, e fica um pouco difícil explicar tudo em um único post. Por isso, nós fazemos o convite para que você possa conhecer mais no site oficial clicando aqui.

Nos vemos lá. Abraços e até a próxima.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários