A crise financeira, atitude e o abismo da sociedadeDesde que o mundo é mundo, ou melhor, desde que o mundo experimentou a primeira crise financeira (ao que tudo indica na Roma antiga, em 88 A.C.), surge nesses momentos um grande pessimismo, que aos poucos começa a se enraizar e fazer parte do dia-a-dia das pessoas. São muitos os argumentos técnicos e financeiros que surgem nestes períodos para embasar atitudes administrativas e medidas drásticas, como cortes de custos, ajustes de salário/jornada e até demissões em massa.

Mas, o que acontece hoje no Brasil? Como definimos os reflexos da crise em nossos resultados e em nossas empresas? O Presidente Lula, no alto de sua grande popularidade (que acaba de bater mais um recorde), deixa claro que quem apostar contra o Brasil se dará mal. Tirando sua posição, algumas de suas opiniões e acertando alguns “pingos dos is”, concordo com ele.

O primeiro ponto que merece nossa atenção é que nem a pessoa mais pessimista do governo imaginava que a crise chegaria de forma tão forte ao país – por esta razão, provavelmente não nos preparamos adequadamente e fomos pegos “de calças curtas”.

O crescimento, o consumo e as mudanças
É importante notar que durante o período de bonança poucas pessoas guardaram dinheiro[bb] e se dedicaram a viver dentro de um padrão financeiro realista. Pior, as pessoas se endividaram muito e começaram a usar mais as ferramentas de crédito (como cartão e cheque especial) como complemento de renda.

O consumo correu solto e pontuou o crescimento da indústria e do setor de serviços, levando ao povo brasileiro produtos e opções que antigamente eram exclusivos de pessoas com faixa de renda muito altas. Um bom exemplo disso são os serviços de Internet banda larga e TV a Cabo, que se popularizaram bastante.

Outro setor que experimentou um crescimento enorme nas vendas foi o automobilístico. Entretanto, aqui cabe uma ressalva muito importante: em sua maioria, as pessoas compraram carros de forma parcelada, usando o farto crédito, entrando em financiamentos longos e, quase sempre, muito caros.

Com o desemprego e a queda da renda observada já no último trimestre de 2008, alguns indicadores preocupantes começaram a aparecer. Entre eles está a taxa de inadimplência no setor automobilístico. Aliás, muito se fala sobre o potencial devastador que a inadimplência nesse setor pode trazer para a economia brasileira. Tomara que o pior não aconteça.

A contaminação, o pessimismo e as escolhas
Voltando para o raciocínio inicial, as crises são cíclicas e agem também no aspecto comportamental das pessoas. O pessimismo é um como um vírus letal que afunda de forma grotesca ótimos negócios, ótimas empresas e grandes países. Ora, quem tem dinheiro[bb] não investe, nem gasta.  Quem tem sua renda comprometida prioriza gastos fundamentais, como alimentação, moradia e transporte. E lá se vai mais uma parcela do carro sem pagar.

São escolhas. Escolhas muito difíceis, aliás. O fato é quem opta pelo imediatismo se vê enrolado até o pescoço no endividamento. Aliás, qual é mesmo o número de brasileiros endividados? 80 milhões, algo muito próximo de 80% da população economicamente ativa. Muita gente, não é mesmo?

Quanto ao governo brasileiro, o caminho é um só: Incentivar o crescimento econômico. Como? Para começar, que tal poupar o dinheiro público, diminuir gastos de custeio da máquina pública e priorizar os investimentos? Assim criam-se empregos e se prepara o país para os desafios do crescimento após o fim da crise – ela há de ter fim.

Atenção especial com os juros básicos da economia e o spread bancário. Não dá pra levar bem uma economia[bb] com as taxas reais de juros praticadas atualmente. É preciso uma reforma tributária real para que as empresas possam produzir e as pessoas de maneira geral não vejam seus rendimentos se direcionarem a serviços de péssima qualidade e ineficazes.

Programas sociais são bons, justos e necessários, mas o que sobra deles de aprendizado e preparação para as pessoas? E se os governantes mudarem e os programas forem extintos? Portanto, é preciso mais: é preciso que o as pessoas estejam aptas a seguir em frente, se qualifiquem e aprendam que crises podem representar grandes oportunidades.

——
Ricardo Pereira é educador financeiro e palestrante credenciado pelo Instituto DiSOP, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários