A crise internacional e as lendárias reformasCorrida aos bancos, com direito a saques de 800 milhões de euros por dia, estocagem de comida e instabilidade política na Grécia, injeção de fôlego de 100 bilhões de euros para re-capitalização de bancos espanhóis sem garantia de sucesso, relação dívida/PIB italiana em níveis nunca dantes vistos e cortes orçamentários profundos da família real britânica.

Isso sem falar do rebaixamento, por agências de rating, de bancos alemães (grande parte do PIB alemão está atrelada à saúde financeira do resto da Europa[bb], já que exportam boa parte de sua produção para os vizinhos). A crise lá fora tem ingredientes de sobra para alarmar muita gente (e seus governantes).

O que se faz, de fato?
Linhas de crédito aos bancos como salvação e manutenção da solvência evitam a disseminação do pânico, quebra de instituições financeiras e aumentos ainda maiores nos prêmios de risco (custos de rolagem das dívidas públicas), mas são apenas medidas pontuais que não resolvem os problemas estruturais políticos, fiscais e sociais.

Tais problemas, como o ínfimo crescimento, o desemprego em níveis alarmantes e a taxa de rejeição aos atuais governos só terão reversão de tendência quando esforços estruturais e sistemas de metas de austeridade fiscal, superávit primário, transparência e regulação dos mercados e redução de déficit em transações correntes do balanço de pagamentos forem devidamente implementadas na Zona do Euro.

O custo social e político do aumento de tempo de contribuição e mudanças de regras previdenciárias, elevação de impostos e diminuição de oferta de serviços públicos é tão grande que faz com que haja uma enorme lacuna entre a retórica dos governos e a efetiva execução desse “aperto de cinto social”.

E como fica o Brasil nessa história?
Por aqui, no que se refere à “questão macroeconômica”, não podemos deixar de elogiar a condução do tripé da política econômica: política monetária voltada à manutenção do poder de compra da moeda e o sistema de metas de inflação, política de câmbio flutuante que permite absorver choques externos e eventualmente acumular reservas internacionais e a política de austeridade fiscal, com metas de superávit primário.

A população vê, no governo Dilma[bb], uma atuação mais conjunta e coordenada entre Ministério da Fazenda e Banco Central (BC), diferentemente dos governos passados onde víamos discrepâncias nos pacotes de medidas entre as duas instituições.

Basta lembrar que o BC usava, no passado recente, medidas macroprudenciais para restringir o crédito e controlar a convergência da inflação para o centro da meta, enquanto a Fazenda cortava o IPI da linha branca e dos automóveis mostrando-se na contramão ou suscetível à pressão política dos sindicatos e da indústria.

Se a autoridade monetária (BC) acertadamente aproveitou a oportunidade da crise externa para baixar a taxa básica de juros (SELIC) ao seu menor nível histórico (8,5%) e tentar aquecer a economia no segundo semestre, através do estímulo ao consumo de nossas já altamente endividadas famílias, vamos saber daqui a pouco.

Particularmente, preferia ver mudanças também através das reformas estruturais, por nós tão sonhadas e das quais ouvimos falar por aqui desde meados da gestão FHC[bb]. Continuar sonhando não custa nada, não é?

Foto de sxc.hu.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários