Se ficamos doentes, a primeira tentativa é, quase sempre, a auto-medicação. O médico só é procurado se ela não surtir efeito. Ainda assim, relutamos em concordar com o diagnóstico e, na maioria das vezes, procuramos outro médico. O ser humano é assim, tão dono de si que nada pode ser pior que perder o auto-controle. E se o problema não fosse de saúde, mas de dinheiro? “Opa, o dinheiro é meu e eu faço dele o que bem entender”. A auto-medicação nestes casos pode ser desastrosa e perigosa.

Por que não procurar ajuda? Se o problema persiste, como no exemplo médico anterior, por que razão insistimos em comprometer cada vez mais nossa saúde financeira e nosso fluxo de caixa? Já me responderam: “É a vergonha Navarro. Você não sabe o que é gastar mais do ganha e se ver culpado por isso todo final de mês”. Vergonha? Então sugerem que eu tenha dó? Você, dono do dinheiro, não tem absolutamente nada de vítima nesta situação. E tem que admitir que precisa de ajuda. “Mas Navarro, a culpa não é só minha”.

Precisa de ajuda?Os planos não se concretizam, os objetivos não se completam, os sonhos ficam cada vez mais distantes e a culpa é sempre “do sistema”, como comumente ouço. Ou o salário é baixo, ou são muitos os impostos, ou são poucos os benefícios, ou os preços ficam cada vez mais altos etc. Ou todos juntos. Mas então, qual a solução para viver seu dia-a-dia de maneira a chegar onde quer, se você não precisa mudar? Talvez mudar de país? Ou admitir que precisa de ajuda, ou pelo menos de disciplina, para organizar-se, viver de acordo com sua realidade e ainda assim poder economizar de modo a criar “gordura” para os tempos difíceis e para um futuro melhor?

A responsabilidade pelo que você é, vai ser, ter ou conquistar, é sua. O meio pode (e deve) influenciar mas a decisão final é só sua. Poupar, investir, pedir dinheiro emprestado, financiar, usar cheque especial, pagar à vista e diversas outras atitudes podem ser a diferença em admitir, para si mesmo, que sua saúde financeira precisa, ou não, de ajuda. E que pra ela ser diagnosticada, você precisará abrir mão do papel de vítima e passar a se considerar um agente. Acredite, há quem prefere continuar vítima. E ai, a culpa é minha? Do sistema? De quem?

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários