A diferença entre Análise Técnica e Análise FundamentalistaMuito se fala das teorias de análise fundamentalista e análise técnica (gráfica) para tentar prever o comportamento dos preços das ações e identificar oportunidades de investimento. Diferente do que muitos dizem, as análises fundamentalista e a gráfica não são antagônicas, mas sim complementares.

Entender o funcionamento de cada uma dessas poderosas ferramentas serve para ajudar o investidor na hora de escolher uma ação e na hora de determinar a sua estratégia para investir no mercado financeiro. Mas então qual é, afinal, a diferença entre a análise fundamentalista e a análise técnica? Vamos começar com um pouco do conceito básico e da história dessas duas escolas.

A Análise Fundamentalista
A análise fundamentalista se configura com a mais tradicional das duas, sendo utilizada há mais tempo e considerada de mais confiança entre os analistas de mercado. Ela se compõe pelo conjunto de estudos e análises debruçados nos fundamentos macro e microeconômicos das empresas que operam no mercado.

Esta abordagem parte, portanto, de dados econômicos e financeiros provenientes do entorno econômico no qual a empresa atua e dos próprios resultados operacionais decorrentes de sua atividade para se medir como vai seu desempenho.

Os conceitos básicos da Análise Fundamentalista remontam ao próprio início do estudo econômico e contábil. Não obstante, essa abordagem começou a ser utilizada com o foco de maximizar investimentos no mercado de capitais apenas no final do século XIX.

Ben Graham e Warren BuffettUm dos grandes expoentes dessa escola foi o economista Benjamin Graham (1894 – 1976), que além de estudar os fundamentos das empresas em seus próprios investimentos foi um grande organizador e acadêmico do arcabouço conceitual utilizado até hoje na Análise Fundamentalista.

Um de seus maiores discípulos é o multibilionário americano Warren Buffett, que é largamente reconhecido por ganhar muito dinheiro utilizando a Análise Fundamentalista em estratégias “buy and hold”, ou seja, avaliar empresas subvalorizadas no mercado, investir e esperar os lucros maximizarem e suas cotas valorizarem no médio-longo prazo.

A Análise Técnica
Já a Análise Técnica, ou Gráfica, caracteriza-se pelo conjunto de técnicas e estudos apoiados nos movimentos históricos nos preços de mercado dos ativos financeiros. As ferramentas gráficas e técnicas matemáticas que fazem parte desta abordagem buscam tentar prever os movimentos futuros nas cotações de títulos e ações, pares de moedas, índices, preços de commodities etc., negociados em mercado aberto.

Basicamente, os estudos gráficos realizados buscam sugerir padrões de comportamento nos preços de ativos voláteis e de difícil previsão e dedução matemática.

Entre os pais da Análise Técnica estão os americanos William Peter Hamilton (1867 – 1929) e Charles Dow (1851 – 1902), um dos fundadores da Dow Jones e do Wall Street Journal. Charles Dow formulou uma série de estudos que vieram a compor o âmago da Análise Técnica e que ficaram conhecidos como a Teoria de Dow.

O confronto das duas análises
Para a análise fundamentalista, existe uma diferença crítica entre o valor da empresa negociado em forma de preço de mercado, derivado das cotações de suas ações nas bolsas de valores, e o valor verdadeiro (ou potencial) da empresa. Esse valor é referido como valor intrínseco e reflete o verdadeiro preço da empresa a partir de suas premissas operacionais, indicadores macroeconômicos e expectativas de crescimento.

Assim, a Análise Fundamentalista busca mapear e mensurar os fundamentos econômico-financeiro-operacionais da empresa, como: receitas, custos, dívidas contraídas, investimentos efetuados etc. e procura avaliar como tais fatores pesam na atividade atual da empresa.

A partir deste estudo busca-se estimar como estes números irão crescer ao longo do tempo. Pode-se, portanto, projetar qual será o fluxo de caixa esperado das empresas – e, com este fluxo futuro, pode-se descontar uma taxa de juros e chegar a um valor presente da empresa. Esse é, para os analistas, o valor real da empresa, o valor intrínseco.

Além disso, existe uma série de outros indicadores financeiros que ajudam a avaliar como está a saúde financeira da empresa. Todos esses números derivam dos demonstrativos contábeis das empresas, e são fáceis de encontrar, pois são públicos. Veja alguns exemplos de indicadores utilizados para analisar a Petrobras (PETR4).

PETR4 - Bússola do Investidor

Podemos, com esses números e resultados, identificar oportunidades de investimento avaliar como andam financeiramente as empresas, comparar com outras do mesmo setor e por ai vai.

Na hora de escolher uma empresa para investir seu dinheiro, é muito importante fazer um estudo mínimo pra ver como anda o desempenho operacional e financeiro da empresa ver se ela tem potencial de gerar lucros no longo prazo. Se sua valoração estiver bem acima do preço de mercado, por exemplo, é esperado que o preço busque o valor intrínseco, o que fará seus investimentos valorizarem ao longo do tempo.

Já a análise técnica busca utilizar seu arsenal de indicadores e desenhos gráficos para identificar tendências, variabilidade, reversões e rompimentos nos movimentos dos preços. Assim, ao invés de analisar se a empresa está crescendo operacionalmente e se seu valor tenderá a crescer por isso, as técnicas gráficas buscam identificar um padrão de crescimento dos preços históricos a fim de identificar um bom momento para compra e venda dos ativos.

Abaixo, vemos um exemplo simples de uma análise elaborada com o Andrew’s Pitchfork para mostrar um constante crescimento no Índice Bovespa (IBOV). O Andrew´s Pitchfork nada mais é que uma ferramenta de desenho que busca traçar canais de tendência controlando a amplitude de variação dos preços a fim de identificar oportunidades de compra e venda.

Análise Técnica - Bússola do Investidor

Os recursos da Análise Gráfica também podem ser empregados, por exemplo, como alerta para deixar uma posição, o que é chamado de stop-loss. Algumas figuras e movimentos particulares dos preços podem indicar que seu investimento está caindo abaixo de um normal suportável o que pode ajudar como alerta para se desfazer da posição e evitar prejuízos mais intensos.

Assim, a análise gráfica, por poder ser aplicada a qualquer frequência dos gráficos dos preços e em qualquer corte temporal pode ajudar a montar estratégias de compra e venda. Tanto para obter lucros ou minimizar perdas, seja qual for o movimento dos preços (queda, alta, estáveis).

Conclusão
Como vimos, o arcabouço conceitual e o arsenal de ferramentas das duas abordagens são vastos e apresentam diferenças cruciais. Apesar das escolas terem origens e conceitos distintos e seu emprego ser muito diferente, as duas se debruçam sobre o mesmo problema: como maximizar seus investimentos e evitar perdas no mercado de capitais.

A grande diferença entre as duas vertentes, além das diferenças conceituais apresentadas, vem do foco que o próprio investidor deseja dar para seus investimentos.

Um investidor que deseja utilizar o mercado de capitais para guardar seu dinheiro, como uma alternativa às formas tradicionais de poupança, deve utilizar a análise fundamentalista para avaliar se as empresas em que está investindo têm futuro, ou seja, se vão gerar lucros no longo prazo que façam valorizar suas cotas.

Já para o investidor que deseja ganhar dinheiro fazendo operações de compra e venda mais no curto prazo, ou até no intraday (durante o dia), os fundamentos ficam muito aquém de explicar os movimentos nos preços. Por isso, neste foco é indicado adotar-se técnicas básicas de análise gráfica para garantir um bom retorno, ou ao menos minimizar perdas.

A análise técnica arma o investidor com mais munição para enfrentar as oscilações de curto-prazo no mercado e montar diversas estratégias de compra e venda, ao invés da estratégia buy and hold advinda da análise fundamentalista.

Deve-se manter em mente que utilizar as técnicas gráficas para montar inúmeras operações de compra e venda no curto prazo pode, realmente, maximizar seu retorno, mas também existem altos custos de transação (como a taxa de corretagem) e tributários, visto que a taxação para investimentos em períodos curtos é maior.

Além disso, as duas exigem conhecimento e estudo de quem quiser aprendê-las. Você vai demorar um tempo para se tornar um Warren Buffet ou um Charles Dow! Mas é só ter vontade de aprender e apreço por seus investimentos que tudo fica mais fácil.

Se você deseja analisar mais dados, ter acesso a mais índices de empresas e ferramentas de análise fundamentalista e gráfica, convido-o a visitar, conhecer nosso site www.bussoladoinvestidor.com.br e experimentar novas formas de investir melhor. Logo voltarei com mais textos sobre investimentos no mercado de ações. Até a próxima.

Fotos: sxc.hu e divulgação.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários