A inteligência empresarial não nasce por acasoPor Gustavo Chierighini, fundador da Plataforma Brasil Editorial.

Caros leitores, iniciarei este texto tentando transcrever o breve diálogo, que presenciei na qualidade de abelhudo observador, travado entre um diretor de respeitável empresa (de grande porte) e seu subordinado executivo e ocorrido em um seminário – precisamente no espaço reservado para a venda de livros instalado na saída do evento.

Diretor: “Leia este livro, é de fácil leitura, não exige muito raciocínio e não chateia se aprofundando demais no assunto”.

Executivo: “Legal, vou ler sim, também não gosto de leituras muito complicadas que ficam questionando tudo o tempo todo”.

Diretor: “Sem dúvida, essa coisa de ficar questionando as coisas não resolve nada, não paga as contas e ainda faz perder um tempo precioso”.

O fato ocorreu três dias antes de data em que deveria preparar este artigo para publicação e, naquele momento, eu ainda estava em dúvida sobre qual assunto abordar. A conversa que escutei eliminou qualquer dilema. Não, não vou revelar nenhuma outra informação sobre a empresa na qual trabalham os meus observados e nem mesmo o título do livro, seria injusto com a empresa e com a editora.

Queremos superficialidade?
Naquele momento o que me chamou a atenção não foi o livro em si, mas antes a recusa compartilhada entre os dois interlocutores diante de “leituras complicadas” e, ainda pior, a comum aversão aos questionamentos.

Claro, alguém afirmaria, não totalmente desprovido de razão, que o que presenciei pode simplesmente representar uma exceção ou ainda concluir que se trata de uma amostragem muito pequena, portanto pouco relevante de uma cultura corporativa.

Entendo isso muito bem, e na verdade torço para estar equivocado. No entanto, acredito, sim, que este exemplo representa uma cultura, um estilo comportamental corporativo, que se não é dominante, é ao menos crescente.

Seria esta a regra? Penso que não, mas seus adeptos não param de crescer. São os fãs do superficialismo corporativo, da perfumaria da gestão. Algo útil em um universo que embora afirme que a criatividade e a participação fazem os negócios crescerem (e que colaboradores críticos contribuem muito para o jogo competitivo), detestam lidar com a “insolência crítica” e odeiam “perder tempo” em embates intelectuais, encarando estas atitudes como freios à produtividade e aos resultados.

Você conhece a velha profecia do “quanto mais se afirma, menos se faz”?
Trata-se de um fenômeno onde o exercício do “politicamente correto corporativo” bem praticado, seja nos discursos ou nas apresentações em “PowerPoint”, acaba por garantir salvo conduto para a sua não efetivação concreta na vida real.

O resultado disso não fica só na aparente tranquilidade da inexistência de conflitos de pensamentos ou posicionamentos, mas na falta deles – afinal, uma equipe que não é levada a raciocinar, criticar e conflitar criativamente ou quebrar a cabeça não pode competir “pra valer”.

Cria-se com isso um ambiente intelectualmente infértil, com pseudointelectuais reproduzindo modelos copiados e abusando dos eternos “lugares comuns” em busca da aprovação constante do sistema e de sua empregabilidade imediata.

Este ambiente empobrece a empresa, os negócios, mas deixa o caminho livre para aqueles que vão além do “blá-blá-blá” cotidiano, cobrando, com rigor, a presença da inteligência que seus colaboradores prometeram disponibilizar durante os processos de seleção.

Portanto, caros leitores, cinco vivas para as leituras complicadas, densas, que colocam os nossos cérebros à prova – preferencialmente na lona. A adversidade fortalece, disso não podemos esquecer. Boas leituras e até o próximo.

Foto de sxc.hu.

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários