Bola de cristal - GurusÉ tanta informação por ai e tanta gente tratando manipulá-la, que fica difícil decidir. E é sobre decisão que quero falar, inspirado pela ótima decisão de peneirar, feita pelo colega Janio. Em quem você confia? Quem é o seu guru financeiro? Quem por ai normalmente explica, discute e proporciona calorosos papos sobre dinheiro, investimentos e um melhor futuro financeiro? Toda família, grupo de amigos, comunidade tem um “especialista” no assunto. Será que não precisa aprender a escolher melhor os seus gurus? Aprender já seria suficiente.

Não raro, o especialista anda de carro usado (e financiado), acredita na capitalização oferecida pelo gerente e de vez em quando entra no cheque especial. Não tenho nada contra quem anda de carro financiado, mas estes não podem ensinar muita coisa sobre o poder nocivo dos juros deste país. E acredite, existem muitos especialistas assim por ai. Pode ser que o seu guru seja assim. A matemática do guru é simples: em terra de cego, quem tem um olho é rei. E nesta terra, calculadora não entra.

Pare de acreditar em quase tudo que o guru falar. Ouça-o com atenção, mas desconfie de seus argumentos até que saiba do que ele está falando. Ele só ganhou a fama de guru porque fala de algo que você não entende. Se ele é uma pessoa de confiança, peça que ele explique melhor o tal investimento ou a dica, demonstrando matematicamente, e em detalhes, o exemplo citado. Não se espante se ele não conseguir operar a calculadora. Aqui 70% dos gurus ficam pelo caminho.

Dificulte um pouco mais. Comece a perguntar sobre resgate antecipado, incidência de imposto de renda, valores para os novos aportes, taxa de administração, taxa de performance ou risco. Gurus odeiam que detalhes tão importantes sejam colocados à prova. Lembre-se que com eles o assunto não é matemático, mas filosofal. O melhor investimento e o discurso sobre tal produto surgem apenas na mesa de bar ou no jantar da família, onde um pedaço de papel, um lápis e uma calculadora não podem ser facilmente encontrados. Por aqui, mais 20% dos gurus também ficam para trás. Os que sobram merecem um pouquinho da sua atenção.

Como um conselho é sempre para ajudar, surgirão também imensas críticas ao seu perfil, enquanto investidor. Eles apontarão sua calma (ou sua ousadia), seu orçamento e sua atitude como causas do seu atual estágio financeiro. Consequentemente, você se impressionará com o poder de advinhação do guru. “Como ele percebeu que eu passo por estes problemas”? É fácil, ele também sofre dos mesmos males. Quando o assunto é dinheiro não há nada melhor que a vontade de aprender e uma boa dose de desconfiança.

Por último, gurus costumam tentar colocar falsos gurus em seus devidos lugares. Assim, se você decidir encaminhar este artigo ao rei em questão, prepare-se para algumas reações típicas. Primeiro, ele vai negar que seja uma pessoa assim e vai afirmar, com um belo sorriso no rosto, que sempre quis, e continua querendo, te ajudar. Acredite nele, é verdade. Se você insistir, ele pode ficar mais incisivo: “Não acredita em mim? E esse Dinheirama? Navarro? De onde surgiu isso”? Preciso surgir de algum lugar? Ora, sou só um blog. Sou da paz.

A dica? Como sempre, uma história tem dois lados. Não seja o cego da sua história. Se ainda quiser ser o cego da história de seu guru, sem problemas. Afinal de contas, uma conversa de bar é sempre bem-vinda e muito divertida, desde que longe de uma calculadora. Daqui a alguns anos compare os resultados. Qual a melhor matemática? E por favor, gurus são necessários, cegos também. A história agradece. Eu também. Eu?

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários