A melhor aplicação depende de seus sonhosDepois de assinar o contrato de estágio ou de começar em seu primeiro emprego, uma preocupação do jovem deve ser em fazer com que o dinheiro que passará a receber seja suficiente para o seu uso cotidiano e, principalmente, que este seja usado para a realização dos seus sonhos. Sempre reforço que, para isso, é importante que se crie o hábito de investir[bb] parte dessas receitas. Com isso o jovem tem pela frente outro desafio: definir o melhor investimento. Parece óbvio, mas não é.

Essa procura faz com que a cabeça dos jovens fique ainda mais confusa, já que uma pesquisa rápida do que o mercado oferece mostrará diversas opções (poupança, Fundo DI, Previdência Privada, Bolsa de Valores etc.). É verdade, são várias as alternativas. E, claro, como tudo na vida, cada uma possui diferentes vantagens e desvantagens.

Assim, antes de aplicar é importante definir o montante mensal que será aplicado e quanto tempo será necessário aplicá-lo para a realização dos sonhos e objetivos traçados. Sim, é isso mesmo, o melhor lugar para se colocar o dinheiro[bb] dependerá diretamente do período para atingir essas metas (curto, médio ou longo prazo).

Se o dinheiro guardado for para realizar um objetivo ou sonho de curto prazo (como uma viagem ou comprar um aparelho eletrônico), as melhores aplicações hoje são a poupança, um fundo de curto prazo ou título de renda fixa (CDB por exemplo), visto que os mesmos têm atingido taxas de rentabilidade interessantes (por vezes parecidas) e são seguras – possibilitam uma maior maleabilidade na hora de tirar o dinheiro.

Agora, se o objetivo é usar o dinheiro em um período de médio prazo (como fazer um curso ou comprar um veículo), você pode aplicar em ações, fundos de renda variável, multimercado e de renda fixa. Se o prazo for superior à três anos, vale a pena pensar em bolsa de valores[bb] – até o percentual de 30% do investimento total.

Quando o objetivo ou sonho for de longo prazo (como uma casa própria ou sua independência financeira), devemos pensar e considerar todas as alternativas anteriores, mas também a previdência privada – sempre observando as taxas de carregamento e administração (as menores taxas estão nas seguradoras).

Outra boa aplicação para um prazo maior é a compra de ações – dando preferência para ações de perfil moderado e conservador, principalmente de grandes corporações. É aconselhável que se busque no mercado especialistas em investimentos em bolsa de valores.

Alguns alertas que sempre faço aos jovens investidores merecem destaque:

  • Não aplicar o seu dinheiro em um único investimento. É interessante criar uma cesta de investimento (CDB, previdência privada, bolsa de valores etc.);
  • Evitar investimentos arrojados com taxas de juros agressivas, o que pode ser uma armadilha financeira.

Para finalizar, é importante reforçar que é fundamental ter um destino para esse dinheiro investido. Nunca guarde dinheiro sem estabelecer com antecedência o que fará com ele no futuro. Tenha objetivos, metas e respeite-os. Saiba que quando não tratamos o dinheiro com tal disciplina, é quase certo que o investimento será gasto na primeira oportunidade de consumo que apareça.

——
Reinaldo Domingos é professor, consultor e terapeuta financeiro. Também é autor dos livros “O Menino do Dinheiro” (Editora Gente), “Terapia Financeira” (Editora Gente) e Presidente do DiSOP – Instituto de Educação Financeira.

Crédito da foto para stock.xchng.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários