Finalmente os novos ministros da área econômica foram nomeados. Mas calma, ainda não temos a data da posse. Temos uma situação no mínimo suis generis. Uma equipe demitida faz tempo e outra que ainda não assumiu definitivamente. E é bom que isso ocorra para não contaminar quem entra com os péssimos resultados da “nova matriz econômica do ministro Mantega”.

Fato é que os novos ministros foram confirmados e são profissionais de grande currículo e o que é melhor: conhecem os meandros do poder público e vão precisar muito disso, num governo que nasce fragilizado pela fragmentação da base de apoio político e com muitos escândalos que podem ter desdobramentos graves e insuspeitos.

No plano econômico, o governo 2.0 de Dilma ao convidar Joaquim Levy (Fazenda), Nelson Barbosa (Planejamento) e Alexandre Tombini para o Banco Central (com nova roupagem); rasgou todos os discursos de campanha e admitiu que a economia tem que ser reconduzida para rumos corretos. Escolheu as pessoas certas para isso, sem dúvida alguma. Porém, existe o perigo do que estamos chamando de inconsistência temporal.

Essa inconsistência temporal pode ser resumida da seguinte forma: as metas surgirão de forma gradual para ajustar a economia, e não são exatamente amigáveis. Essas medidas não garantem bons resultados no curto prazo (algumas até trazem efeitos) e vamos seguir coletando resultados ainda sofríveis. O PIB não vai crescer, a inflação não vai cair muito, o desemprego pode piorar, alguns programas sociais sofrerão contingências, etc. Aí, inevitavelmente surgirão questionamentos. Ainda ficarão outros curtos-circuitos, como o Petrolão e todos os desdobramentos da corrupção no país que correu solta por muitos anos. A presidente tem obrigação de minorar os efeitos do loteamento de seu governo pela base aliada e punir severamente os “malfeitos”.

Assim, a presidente tem o dever de bancar as mudanças e silenciar o núcleo duro que a acompanha por anos, inclusive daqueles políticos e assessores que têm o acesso franqueado de seu gabinete. Há um prazo para maturação dessas medidas, e nesse intervalo não pode haver burburinho. Igualmente não deve ser permitida a adoção de atalhos que tragam riscos ao projeto de ajuste. O bom para que isso ocorra pode estar, curiosamente, na postura do ex-presidente Lula, ajudando a domar a turba petista, já que ele é fiador da ascensão dessa nova equipe econômica.

Da coletiva dos novos ministros restou muita prudência e contrição nos pronunciamentos. As perguntas formuladas por jornalistas (foram limitadas a somente seis) também não foram respondidas na essência, mas ficaram as declarações de fazer superávit primário de 1,2% do PIB em 2015 e acima de 2,0% para os dois anos seguintes. Certamente é insuficiente para domar o crescimento da dívida bruta, mas já é alguma coisa frente ao superávit zero de 2014, ou mesmo a possibilidade de déficit (até aqui em R$ 11 bilhões).

Os três ministros têm muito por fazer e têm que permanecer fortes por todo o tempo. Só assim o Brasil terá sucesso na recondução da política econômica, atração de investidores, ampliação dos investimentos em relação ao PIB, concessões bem sucedidas, aumento da produtividade, maior competitividade e retorno ao radar dos investidores, com transparência de contas públicas e políticas, marcos regulatórios mantidos e preparando o futuro do crescimento e desenvolvimento econômico.

Resumindo, os nomes são ótimos, mas isso por si só não é suficiente. A presidente terá que manter a carta branca aparentemente concedida aos novos ministros e calar as vozes contrárias, evitando as cascas de banana colocadas no caminho. Não será fácil, mas tem que ser feito.

Joaquim Levy também falou sobre o uso do mercado de capitais para fazer o país crescer. Nesse ponto somos céticos, na medida em que vários outros ministros falaram sobre isso, mas não saíram do discurso para a prática. Como não teremos mais o BNDES tão ativo (seus recursos serão contingenciados), teremos chance para colocar isso em prática.

O ano de 2015 será de ajustes, mas pode ser também uma boa chance para constituição de posições de longo prazo em ativos de risco. Acesse o site da Órama e conheça boas opções de investimento para todos os perfis de risco.

Foto: A candidate for the presidency of the Republic of Brasil Rousseff during her campaign speech, Shutterstock

Alvaro Bandeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários