A poupança e os hábitos financeiros do brasileiroAs mudanças na caderneta de poupança parecem mesmo uma questão de tempo. Pouco tempo. Segundo apurou o jornal Valor Econômico, algum posicionamento oficial sobre o tema deve sair até o final desta semana. Para quem não acompanhou de perto a discussão, sugiro a leitura do artigo “A caderneta de poupança atraente demais”, publicado recentemente aqui no Dinheirama. A crise e a insegurança causada pela discussão fizeram com a que poupança registrasse mais saques do que depósitos nas últimas semanas. Ouça ao final do artigo o podcast em que trato do assunto.

A verdade sobre as mudanças parece ser a seguinte:

  • Alíquotas de Imposto de Renda da renda fixa serão alteradas. Atualmente, quem investe em fundos de renda fixa paga 22,5% de IR sobre os ganhos quando decide manter o dinheiro[bb] aplicado por até seis meses. A alíquota vai diminuindo, passando por 20% (de seis meses a um ano), 17,5% (de um a dois anos) e termina em 15% (para mais de dois anos). A medida que deve ser adotada para aumentar a competitividade destes produtos deve ser a mudança do teto, que passará a ser de 15% – e não mais 22,5%. Em outras palavras, a alíquota máxima seria de 15%;
  • IR para cadernetas de poupança “inchadas”. Cerca de 93% dos usuários das cadernetas possuem aportes de até R$ 5000,00. A idéia do governo é que estes pequenos poupadores não sejam afetados, mas que quem mantém muito dinheiro na poupança pague IR referente aos ganhos via declaração anual. O teto e a alíquota não foram apresentadas, mas a medida parece ser a mais atraente aos ouvidos do Presidente Lula. A razão é óbvia: mexer na rentabilidade da poupança em véspera de eleição pode derrubar sua popularidade, o que atrapalharia bastante os planos da base governista. A solução, no entanto, seria paliativa e só entraria em vigor em 2010, aparecendo apenas na declaração de IR de 2011.

Outras mudanças, como atrelar o rendimento da poupança a um percentual da Selic (discute-se 65%), aumento da carência dos depósitos (hoje de 30 dias) ou mesmo mudar o cálculo da TR também foram ações cogitadas pela equipe econômica, mas não ganharam popularidade entre os políticos. A verdade é que algo será feito, mas sem que haja efeitos colaterais no bolso do eleitor. O sonho seria notar maior competitividade entre os produtos de renda fixa, com taxas de administração mais baixas.

No programa Futura Dinheiro, veiculado todas as terças às 11h na Futura FM 106,9 e aqui disponibilizado como um podcast, tratei desta e de outra questão de suma importância no nosso dia-a-dia: quais os hábitos financeiros dos brasileiros e como eles influenciam suas decisões de investimento[bb] e poupança? Ouça o programa de hoje e deixe seu comentário.

[powerpress]

Lidar com o dinheiro é mais do que apenas vê-lo passar por nossas mãos. Negociar, comprar bem e investir são hábitos existentes no cotidiano das pessoas e investidores[bb] bem-sucedidos. O que você está esperando para agir como elas e agintir o merecido sucesso? Estude, informe-se, leia bastante e aprenda a questionar aquilo que antes parecia um tabu. Seu bolso merece atenção. Até a próxima.

Se você gosta de ouvir aos podcasts em seu MP3 Player, iPod ou iTunes, assine o RSS direto dos arquivos via iTunes (Apple Store) ou pelo link https://dinheirama.com/feed/podcast e receba os novos episódios automaticamente.

——
Conrado Navarro
, educador financeiro, formado em Computação com MBA em Finanças e mestrando em Produção, Economia e Finanças pela UNIFEI, é sócio-fundador do Dinheirama. Atingiu sua independência financeira antes dos 30 anos e adora motivar seus amigos e leitores a encarar o mesmo desafio. Ministra cursos de educação financeira e atua como consultor independente.

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários