A pressão dos amigos e o consumoA adolescência traz consigo muita descoberta, a autopercepção aumenta a cada dia e a vida social torna-se cada vez mais independente. Uma fase onde também as questões ligadas ao universo financeiro costumam “incendiar” a relação entre pais e filhos! Nessa fase, o grupo de amigos passa a ter um papel central na vida dos jovens e isso fica claro nas famosas frases tão comuns nessa idade:

  • “Todos meus amigos trocaram o celular, menos eu”
  • ”Preciso muito de uma roupa nova para sair com a turma”
  • “Os pais de fulano dão dinheiro para ele toda semana”

Na convivência com os amigos, os adolescentes[bb], entre muitas descobertas, têm a oportunidade de ver a vida sob dois aspectos: os ensinamentos recebidos em sua casa e o modo como seus amigos vivem.  Esse confronto contribui para a formação da própria identidade.

Susanna Stuart, autora do livro “Ensine seu Filho a Cuidar do Dinheiro” (Editora Gente) e consultora financeira, recomenda muita atenção dos pais nessa fase, pois em termos de construção de boas estratégias financeiras, a influência dos amigos pode, às vezes, comprometer as boas atitudes financeiras que seu filho (a) costumava ter:

“Em busca de aceitação, os jovens adotarão alguns comportamentos financeiros que podem moldar significativamente a forma como lidarão com o dinheiro por toda a vida. O papel dos pais é ajudá-los a escolher hábitos positivos”

Conflito na medida certa contribui para o amadurecimento
O desejo de aceitação pela turma é mais significativo nessa fase e isso leva os adolescentes a entrarem em conflitos pessoais: ”o que penso e o que meus amigos querem que eu pense”. As questões relativas ao dinheiro[bb] também fazem parte dessas pressões: “o que tenho e o que meus amigos esperam que eu tenha”.  Os jovens viverão várias situações envolvendo escolhas nem sempre simples e confortáveis.

Porém, todos os conflitos vivenciados nessa fase contribuirão para o amadurecimento. Nesses momentos, a parceria dos pais contribuirá para a formação de um adulto mais equilibrado e consciente. Os pais devem estar atentos às atitudes de seus filhos, procurando estabelecer um diálogo aberto e próximo. A base para que isso aconteça satisfatoriamente é a relação de confiança construída a cada dia.

Especialistas da área de educação financeira recomendam um olhar especial a dois aspectos:

  • Desejo de comprar marcas caras: usar aquela calça jeans com aquela etiqueta famosa é “tudo” para muitos jovens. Através desse símbolo, o jovem se sente aceito pelo grupo.  O caminho das etiquetas torna-se um passaporte fácil para novas amizades. Hora de questionar o verdadeiro sentido dessa palavra;
  • Pressão para gastar mais dinheiro: às vezes não basta usar roupas e objetos de marca. O jovem sente que precisa acompanhar o padrão de consumo de seus amigos, seja nas baladas, no shopping ou em lan houses. Com isso, a mesada some e as economias também! A pressão que a turma exerce é um fato que deve ser encarado com naturalidade, devendo ser monitorada. O problema é quando essa pressão é excessiva e começa a comprometer o desempenho escolar e o relacionamento dentro de casa.

O que fazer quando ter passa a valer mais que o ser? A solução passa pela elevação da autoestima e busca por interesses diferentes, como o esporte e a música. Os pais precisam se envolver mais no universo do filho, conhecer seus amigos e trazê-los para seu ambiente familiar. Assim serão capazes de saber como o filho se encaixa naquele grupo. Conversar e mostrar interesse por suas atividades.

Outra informação importante é que pesquisas afirmam que em grupos heterogêneos, as pressões são muito menores e o respeito à individualidade é muito forte. Logo, o estímulo a novas amizades[bb] e idas a locais diferentes dos habituais podem ajudar nesse sentido.

A importância da autoestima
A mensagem em relação às questões financeiras é cuidar para que seu filho não utilize o dinheiro para pertencer ao grupo ou para impressionar os amigos.  Os problemas são ligadas ao dinheiro, mas o alerta é em relação à autoestima desse jovem. Ter um grupo de amigos é fundamental para o desenvolvimento social, psicológico e afetivo de todos, adolescentes e adultos. Mas, como toda questão tem dois lados, às vezes alguns amigos podem marcar negativamente a adolescência.

Quando um adolescente possui uma boa autoestima é capaz de passar pelas situações com mais tranqüilidade. Estes não levarão, por exemplo, a questão das grifes famosas muito a sério! Compreenderão melhor as questões ligadas ao dinheiro e buscarão qualidade de vida e amizades sinceras.

Uma dica: Esse artigo foi baseado no livro “Ensine seu Filho a Cuidar do Dinheiro” (Editora Gente), de Susanna Stuart. Um livro interessante que aborda comportamento e atitudes para desenvolver a inteligência financeira de crianças e adolescentes. Se você procura algo nesta linha, recomendo a leitura. Até a próxima.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários