A Psicologia Econômica e suas AÇÕES!Você tem investimentos? Tem algum investimento atrelado à bolsa de valores[bb]? Como estão suas AÇÕES? Neste último questionamento, não me refiro aos títulos que possivelmente tenha em carteira, mas sim à outra definição de “ações” como sinônimo de atitude, de atos realizados para provocar ou reagir a estímulos. As ações que praticamos em nosso dia-a-dia necessitam, em muitas ocasiões, ser cuidadosamente analisadas. A motivação desta análise é avaliar se aquilo que estamos fazendo é resultado de nossa própria vontade ou efeito colateral de alguma decisão passada.

Um exemplo
Você se lembra de alguma vez em que comprou (ou ganhou) um livro/CD/DVD de que não gostou? Qual foi a sua reação? Foi até o final, ouviu todas as músicas ou abandonou tudo pela metade? Que tal outro exemplo ainda mais simples: alguma vez matriculou-se em uma academia pagando juntamente as 3 primeiras mensalidades? Tentou ir durante os 3 meses mesmo sem vontade?

A Psicologia Econômica reconhece estas atitudes exemplificadas como falácias dos recursos investidos. Em resumo, são situações em que tendo investido algum tempo ou recurso financeiro, continuamos “insistindo” naquela atividade mesmo que, intimamente, ela vá contra nossa vontade. Vamos conversar sobre isso e envolver investimentos[bb] financeiros na história.

Emoção na Bovespa
Voltando às ações da bolsa de valores, como andam suas decisões? Desfez-se das ações enquanto ainda estavam em patamares elevados, usando o famoso jargão “vender na alta”? Continua mantendo as ações em carteira com tranqüilidade ou está sofrendo os efeitos da queda? O que fazer neste último caso? Se você ainda pretende continuar operando na bolsa, tente imaginar (se possível!) que não tem nenhuma ação e só então pense no que faria neste atual cenário:

  • Compraria acreditando que os preços estão baixos o suficiente?
  • Continuaria aguardando um momento melhor para a compra?
  • Adotaria uma estratégia de venda acreditando que os preços ainda podem cair mais?

Tente decidir sem que os fatos passados interfiram nas novas decisões e procure precaver-se nas próximas operações, estudando, por exemplo, mecanismos específicos como vendas automáticas (também conhecidos como STOP). Acredite, as decisões planejadas para que ocorram automaticamente poderão livrá-lo de perdas maiores quando estiver indeciso em relação a abandonar um investimento com prejuízo. Agir assim no mercado de ações[bb] é fundamental.

Quando estamos envolvidos pelo calor da emoção (esta sendo uma das frentes de pesquisa da Psicologia Econômica), normalmente tomamos decisões inadequadas – ou simplesmente deixamos de decidir. Portanto, procure sempre tomar decisões que possam maximizar seu bem-estar, além de abandonar aquelas que, inconscientemente ou não, esteja realizando (ou deixando de realizar) para livrar-se de algum equívoco do passado.

Sugiro que faça uma avaliação de suas últimas decisões financeiras e procure interpretá-las segundo o viés apresentado pelas reflexões deste artigo. Intencionalmente, provoquei muito mais que esclareci, a fim de que você possa refletir sobre seus atos e observar-se mais. Boa sorte e bons investimentos! Até a próxima.

——
Marcelo Stefanelli Santos é leitor assíduo do Dinheirama, vencedor da promoção “Investimentos Inteligentes no Dinheirama”, e grande estudioso da Psicologia Econômica e seus efeitos no cotidiano financeiro dos brasileiros.

Crédito da foto para stock.xchng.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários