Home Finanças Pessoais A realidade dos números e o seu futuro financeiro

A realidade dos números e o seu futuro financeiro

por Ricardo Pereira
0 comentário

A realidade dos números e o seu futuro financeiroOs números geralmente não mentem. Quando falamos em número de vendas de automóveis, a análise ganha significância e merece um importante debate – sobretudo porque atua sobre o andamento da economia. As vendas de veículos novos no mercado brasileiro somaram 239,2 mil unidades em outubro de 2008, o que representa uma queda de 11% em relação a setembro e de 2,1% em comparação com o mesmo mês de 2007.

Os dados foram apresentados nesta quinta-feira pela Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores). Foi a primeira queda registrada pela associação desde junho de 2006. Claro que, se elevarmos a abrangência da pesquisa para os 10 meses do ano (no acumulado de janeiro a outubro deste ano), foram comercializadas 2,45 milhões de unidades, o que significa um crescimento de 23,4% ante igual intervalo de 2007.

Fica claro que o ano representa momento de muitas vendas, mas também que a concessão do crédito ficou mais rigorosa e os prazos propostos para o financiamento diminuíram. Tirando o aspecto econômico, que passa pelo desaquecimento da economia e retração do mercado, existem aspectos positivos que podem ser observados nesse cenário. Vamos pensar na independência financeira[bb], tão desejada por todos.

Menos financiamento = menos endividamento
Um fato pode ser facilmente constatado ao andar pelas ruas do país – e podemos falar isso sem medo de errar: a situação financeira das pessoas, de uma maneira geral, melhorou. Infelizmente, essa melhora ainda não foi amplamente canalizada na formação de poupança[bb] e busca de independência financeira. O que fizeram os brasileiros então?

Outro movimento natural apareceu: a sensação de melhora motivou as pessoas a fazerem mais dívidas, inclusive comprando automóveis caros em financiamentos de muitas parcelas. Isso sem falar no consumismo de outros itens. A preocupação é evidente: toda a atitude consumista pode significar dívidas fora de controle.

Nos próximos meses, milhares de pessoas experimentarão a terrível sensação de escolher  quitar as dívidas dos vários financiamentos ou pagar as despesas básicas de sua casa. Como não canso de falar, crédito fácil não quer dizer o mesmo de crédito barato. Se alguém tenta lhe vender isso, cuidado!

Os juros praticados no país beiram a falta de pudor, são altíssimos. É desumano levar pessoas ao consumo através de financiamentos exorbitantes, exagerados e imorais. Mas se as pessoas aceitam, quem sou eu para criticar? Pois é, aqui o objetivo é alertá-lo, educá-lo e despertá-lo para novos hábitos.

Onde fica a independência financeira?
Procuramos ser muito realistas na conversa diária com você, leitor do Dinheirama. Nunca pregamos que a independência financeira é um objetivo fácil de se atingir, mas é preciso começar, dar o primeiro passo, não é mesmo? Trata-se de um grande desafio, é verdade. Mas um desafio recompensador, capaz de mudar nossas vidas.

Quem descobrir cedo como utilizar alguns conceitos básicos de educação financeira[bb], em breve colherá frutos maravilhosos. O chavão é antigo e batido, mas é verdadeiro. A hipocrisia nos cega para certas afirmações, o que é triste. Quantas pessoas próximas optaram pelo endividamento, em detrimento da poupança e futuro? Pois é, muitas.

Quem não conhece alguém que está inadimplente com os pagamentos de condomínio, faculdade ou escola dos filhos, mas continuam exibindo o carro zero na garagem? Não seria mais sábio aplicar o dinheiro, desfrutando das mesmas altas taxas de juros, e criar um futuro mais próspero e tranqüilo?

A irresponsabilidade com o dinheiro custa caro. Muito caro. São muitas perguntas e nossa cultura voltada para o hoje, agora, levou as pessoas para esse caminho. Concordo, mas falta coragem de ir atrás do melhor, mudar a direção da vida rumo a novas práticas onde o melhor e mais precioso bem seja a boa informação e o conhecimento.

Instrua-se, busque oportunidades de crescer e prosperar. Orçar e construir os sonhos de forma gradual é o melhor caminho para o sucesso financeiro. Alguns trabalhos neste sentido são desenvolvidos de maneira séria e didática, mas ninguém fará o seu trabalho de cuidar do futuro e do seu dinheiro. Cabe lembrar que a responsabilidade não é do seu gerente ou do seu consultor. Aceite, ela é sua! Bom final de semana.

——
Ricardo Pereira é consultor financeiro, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
▪ Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Assine a newsletter “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.