A riqueza sempre foi objeto de cobiça das sociedades antigas e modernas, e se traduziu de várias formas ao longo da história.

Seu foco e poderio transitou pela posse de terras e escravos, domínio do comércio mercantil, introdução das máquinas e controle da produção, acumulação de capital, bens e investimentos, e desenvolvimento da ciência e tecnologia.

Sofreu fortes influências dos senhores feudais, da igreja cristã, de governos e regimes políticos, das forças armadas, e do interesse diversificado de empresários, países e economias globais.

Como podemos observar, a riqueza sempre foi disputada pelas nações e seus povos, gerando como consequência, muita opressão, guerras e mortes.

Mas você já parou para pensar o que de fato é ser rico, em um âmbito individual? O que de fato caracteriza acumulo de riqueza para as pessoas “normais”, como eu e provavelmente como você?

Antes de avançarmos, vale salientar que o termo “riqueza” é muito subjetivo quando discutido no âmbito dos indivíduos, pois as ambições e conceitos de vida diferem de pessoa para pessoa.

Desta forma, em muitos casos, a riqueza está vinculada ao fato de termos uma vida tranquila, com saúde, e a possibilidade de, através de muito trabalho, proporcionar e vivenciar o bem-estar da família, e quem sabe, conseguir a tão sonhada independência financeira. Já em outros casos, está vinculada a necessidade ferrenha de acumulação de capital em detrimento de todo o restante. Claro que existe um meio-termo e outras variações…, e você pensa de que forma?

Abaixo listo algumas recomendações e atitudes para “gente como a gente”, que somos parte de um enorme contingente de trabalhadores com carteira assinada ou em busca dela, profissionais liberais, funcionários públicos e autônomos. Não incluo aqui, portanto, empresários e empreendedores de grandes e bem-sucedidas empresas, que estão, com todo o mérito, em um outro patamar em termos de capacidade de acumulação de riqueza. Também não incluo, por outro lado, indivíduos cuja riqueza deriva de heranças familiares, ganhos com jogos de azar, talentos esportivos, artísticos e obviamente atividades ilícitas.

Recomendações e Atitudes para te ajudar a acumular alguma riqueza.

  1. Invista em educação e objetive ganhos acima de seus gastos, com muita disciplina financeira

Invista na sua educação, e na de seus filhos, pois como regra geral, o conhecimento gera mais oportunidades e valorização para as pessoas, tanto no mercado de trabalho como em suas vidas pessoais. Essas oportunidades estão diretamente relacionadas a melhores cargos e salários que irão contribuir para um padrão de vida mais elevado. Para que estes ganhos maiores se reflitam em alguma acumulação de riqueza, exige-se um mínimo de educação e disciplina financeira – click no link para acessar o artigo “Tenha Disciplina Financeira”.

  1. Mantenha uma boa saúde física, emocional e mental, e com isso viva e trabalhe com mais qualidade e criatividade

Concentre seus esforços e energia, em atividades que irão te permitir uma boa saúde física, emocional e mental, pois a sua qualidade de vida e a de seu trabalho, dependerão diretamente disso. Faça esportes, tenha hábitos saudáveis de alimentação e lazer, deixe seus vícios de lado, seja positivo e determinado, tenha fé, dedique mais tempo aos seus filhos e seja zeloso com sua família.

Além disso, a criatividade e produtividade das pessoas depende de uma cabeça saudável, descansada e fértil. Muitas ideias e criações surgem desse ambiente, sobretudo nessa era global, integrada, virtual e tecnológica que vivemos.

  1. Gaste menos do que precisa, de olho no futuro…

Sabemos que gastamos mais do que precisamos, e ainda assim continuamos a fazê-lo. O motivo principal é a abundância de recursos à nossa disposição, na ponta de oferta, e a nossa disponibilidade financeira para adquiri-los.

Em tempos de crise, como a vivida recentemente com a greve dos caminhoneiros, que parou todo o país, somos obrigados a economizar e utilizar mais conscientemente os recursos disponíveis, passando então a necessariamente adotar um padrão de consumo mais consciente – click no link  para acessar o artigo “Consumo Consciente”.

Reproduzo trecho do artigo acima, onde é sugerido que esse hábito de consumo consciente se transforme em um lema de vida, e que nós possamos sensibilizar outras pessoas, amigos e familiares, divulgando a importância do mesmo para o meio-ambiente e a sociedade como um todo. Que nós, sempre que possível, possamos reutilizar, consertar, transformar ou reciclar produtos e embalagens, e principalmente refletir sobre as reais necessidades do consumo e, na medida do possível, viver com menos, de olho no futuro.

  1. Invista sempre pois isso cria o hábito e a disciplina

Não importa o quanto você ganha mensalmente, separe sempre um pouco de dinheiro para sua poupança, pois isso te possibilitará adquirir hábitos de economia, organização, planejamento, responsabilidade e disciplina, que serão fundamentais na construção de seu patrimônio de longo prazo.

À medida que você tiver condições de realizar um planejamento mais estruturado, recomendo fortemente a utilização de uma planilha de fluxo de caixa – click no link para acessar o artigo e as ferramentas disponíveis “Fluxo de Caixa, simples e eficiente”.

Defina, portanto, os objetivos de onde, como e quando chegar, e adote esse parâmetro para calibrar suas economias mensais ou anuais. Certamente isso permitirá que você desfrute de um futuro mais tranquilo, onde seus sonhos e desejos poderão ser realizados, e situações de emergência mais facilmente contornadas. Como já mencionado em outro artigo, e é de fato uma triste realidade, conhecemos muitas pessoas de renome e ótima formação em várias áreas, que simplesmente não tiveram a capacidade de acumular patrimônio ao longo da vida, e hoje passam seus últimos dias a depender da boa vontade de terceiros.

 “Lembre-se que a riqueza é uma conquista subjetiva e individual de cada pessoa, portanto tenha seus parâmetros e se planeje para conquistar a sua e de sua família, de forma ética e estruturada”

Maurício Perpétuo
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários