Conversor para TV digital em até 48 prestações?Já pensou poder comprar seu conversor para a TV digital[bb] em suaves prestações? Pois é, infelizmente, você leu certo. Que a TV digital vai revolucionar a nossa maneira de assistir televisão, não tenho dúvidas. Só não imaginava que seu impacto também se estenderia para o aspecto financeiro das muitas famílias humildes deste país. Mas, tudo bem, eu sou ingênuo mesmo. Pelo menos assim sempre surgem bons assuntos sobre os quais debater.

A primeira questão foi a lenda dos conversores baratos, que só começaram a surgir no mercado há poucos meses (dias). Não pretendo entrar no mérito técnico da da TV digital, mas na sua repercussão diante da nossa consumista sociedade. A idéia é, mais uma vez, abrir e alimentar um importante debate sobre a necessidade de financiarmos bens de consumo supérfluos em detrimento da saúde financeira[bb] familiar e do planejamento futuro, objetivos tão sonhados e almejados por todos. Vale a pena?

Banco do Brasil vai financiar conversor para a TV digital. Esta é a manchete de uma pequena nota do jornal Folha de S. Paulo, do dia 16/07. Não se trata de uma linha especial de crédito, mas da extensão do já existente financiamento de produtos eletroeletrônicos. O anúncio foi feito pelo ministro das Comunicações, Hélio Costa, no lançamento de um novo modelo de conversor.

Ao ler a notícia, fiquei com a sensação de estar sendo “obrigado” a consumir a TV digital. Minha imaginação criou, com realismo incrível, a imagem do ministro dizendo: “A TV digital é revolucionária e você não tem desculpa para não tê-la. Use o crédito, financie, as parcelas são muito pequenas”. Veja bem, ele não falou isso. Foi só minha imaginação. Calei imediatamente minha mente e continuei a leitura da nota:

“Segundo Dênis Corrêa, gerente executivo da diretoria de varejo do banco, não há condições especiais para os conversores. Os juros são de 2,84% ao mês com divisão em até 48 vezes. O valor do crédito vai depender do limite de crédito pré-aprovado de cada cliente do banco.”

Pera lá! Pausa para a educação financeira.
Alguns aparelhos citados na reportagem têm preços sugeridos de R$ 299,00 e R$ 199,00. Grandes varejistas oferecerão estes produtos com parcelas que variam de R$ 10,00 a R$ 15,00. Ah, sim, não existe essa de “sem juros”. O fato é que 2,84% de juros ao mês é um percentual muito alto. Os juros embutidos nos preços “à vista” também são excessivos, não se iluda.

Por que não pensar em poupar o valor das prestações e então comprar o conversor à vista e com desconto? Se aplicados mensalmente em uma simples caderneta de poupança, R$ 10,00 se trasformam em R$ 200,00 em dezoito meses. Ora, é poupar agora para ter o conversor no final do ano que vem. Longe demais? Francamente, falta em nosso dia-a-dia tanto bom senso, quanto disciplina. Inteligência financeira[bb], leitor, sabe o que é isso?

Apenas pretextos.
Este artigo, a TV digital, o conversor e as horas em frente ao televisor são apenas pretextos, confesso. Meu objetivo é alertá-lo, de forma cada vez mais insistente, para as armadilhas do crédito fácil e desnecessário. Ao deparar-se com uma situação cotidiana, como a compra financiada de um simples conversor, procure ir além do raciocínio simplista que apenas mede o impacto da prestação no orçamento doméstico. Pergunte-se:

  • Eu preciso mesmo deste produto? Preciso agora? Adiar a satisfação não é sinal de fraqueza, mas de inteligência emocional e financeira.
  • Meu fluxo de caixa permite que eu economize o valor da parcela? Posso poupar este montante e comprar o bem à vista e com desconto? Simule as alternativas, ande bastante e pesquise.
  • Se eu voltar para casa sem comprá-lo, vou sentir falta daqui um mês? Na dúvida, não compre. Faça a experiência. Quase que a totalidade das coisas que você quer comprar não são necessárias no curto prazo. Então poupe e construa o capital para comprá-lo mais adiante.
  • Comprar algo agora afeta meus objetivos financeiros? Ah, não tem objetivos financeiros? Pois é, trate de incorporá-los à sua realidade e leve esta pergunta a tira colo. Sempre.

Atenção então, caro leitor. Educação financeira, noções de economia[bb] e algum bom senso são suas armas contra a onda consumista que está solta por ai. Veja você: aqui onde moro, a TV digital deve demorar a chegar. É o belíssimo e famoso “interiorzão” (com o erre bem puxado) de Minas. Não tem problema, enquanto a revolução não chega o dinheiro está sendo poupado pagá-la (se ela chegar).

PS: Enquanto você lê este artigo, estou desfrutando de minhas merecidas férias em algum lugar deste planeta. Tentarei manter o blog atualizado mesmo assim. Conto com a sua compreensão.

bb_shop = “submarinoid”;
bb_aff = “247523”;
bb_name = “fixedlist”;
bb_keywords = “pai rico,cerbasi,bolsa de valores,investidor,investir dinheiro”;
bb_width = “500px”;
bb_limit = “5”;

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários