Já perdi a conta de quantas vezes visitei sites de empreendedorismo[bb] que propõem testes para os visitantes descobrirem se estão preparados para tocar o seu próprio negócio. Que insanidade e que perda de tempo! Como alguém pode descobrir se gosta de algo sem nunca ter experimentado ou passado por aquilo? Vamos a um exemplo para ilustrar melhor a situação. Trata-se da velha história da mãe querendo que o filho coma brócolis:

– Filho, experimente este leguminho – Diz a mãe preocupada com a formação alimentar do filho.
– Não quero comer esse negócio verde mãe. Não gosto disso!
– Joaquim, não fale assim com a mamãe. Como você sabe que não gosta de algo se você nunca experimentou? – Diz a mãe em tom bastante calmo para convencer o filho.
– Sei lá. Eu sei. É feio, verde e não vem com um boneco legal do Pokémon[bb]. Não deve ser bom!
Neste momento, a mãe já se irritou e colocou três brócolis no prato da criança, obrigando-a a comer. E Joaquim começou a chorar…

Desculpe o exagero, não resisti. Brincadeiras a parte, quero afirmar que perguntar a uma pessoa se ela está preparada para trabalhar longas horas sem ter garantias de que terá lucro no fim do mês, no fim do ano, ou no fim de cinco anos, não ajuda e nem serve como teste. Acredito até que atrapalhe. É lógico que ela dirá que não está preparada para isso.

A certeza de que você está preparado para empreender só virá no momento em que você estiver fazendo sucesso com seu empreendimento – em muitos casos, nem assim a certeza vem. Não vá atrás de certezas, mas sim daquilo que você acredita que vai dar certo, de algo em que você aposta, gosta e, acima de tudo, entende. E faça protótipos e testes com o seu produto.

Até porque, empreender é sempre lidar com diferentes situações em cenários sempre distintos. Não há como comparar isso a um teste com algumas questões. A minha dica é: descubra do que realmente gosta e mergulhe com tudo. Feito isso, aprenda todos os dias algo novo que possa te ajudar e descubra como fazer dinheiro com isso. Mas, é importante lembrar que dinheiro não pode ser o seu principal objetivo. Você tem de ter um motivo maior para empreender. E principalmente gostar do que está fazendo!

Seguindo a linha de pensamento de Guy Kawasaki, guru de empreendedorismo e autor do livro “A Arte do Começo” (Best Seller), a sua empresa só tem um motivo para existir, um significado, quando busca cumprir pelo menos uma das seguintes questões:

  • Tornar o mundo melhor;
  • Elevar a qualidade de vida;
  • Consertar algo muito errado;
  • Evitar que algo positivo acabe.

Se o seu propósito de ser um empresário não cumpre um destes pontos, é claro que não dá para dizer que você está errado. Mas você poderia estar fazendo melhor para o seu negócio e para a sociedade em geral. Busque, ao mesmo tempo, formas de ganhar dinheiro[bb], realização e generosidade com a sociedade que o cerca. Essa responsabilidade também é sua.

Se gostou do tema e da abordagem, experimente ler também os artigos “Aprenda a aprender e a mudar com a leitura” e “O dilema experiência-emprego-salário!”. Você alguma vez já teve um impulso sobre algo de que gosta muito e que tem potencial de se tornar um negócio lucrativo? Qual sua reação? Vai adiante? Por que?

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários