dinheirama-post-abismo-retorica-pratica-relacoes-internacionaisSeguindo a tradição, o Brasil “iniciou os trabalhos” e realizou a abertura da 68ª Assembleia Geral da ONU. O discurso incisivo de Dilma citou o programa de espionagem dos Estados Unidos e outros assuntos como, por exemplo, a inclusão de países em desenvolvimento nos assentos permanentes da instituição, a fim de se reduzir o déficit de representatividade e legitimidade vigente.

Independentemente do tom eleitoreiro e despertador de patriotismo do discurso de Dilma, e do momento oportuno para esse caso vir à tona (desviando a atenção da opinião pública brasileira do julgamento do mensalão), uma reação enérgica e retaliativa ao monitoramento de informações pela agência de segurança nacional americana (NSA) se fez imprescindível.

Citando a violação dos direitos humanos, da privacidade e do direito internacional, a afronta à soberania e à liberdade civil, e que sem respeito não há democracia, Dilma criticou a ingerência americana, sem que as principais autoridades da delegação dos EUA estivessem presentes no auditório da sede da ONU, em Nova York.

Coincidentemente ou não, os secretários e embaixadores de Obama só chegaram ao final do discurso, e um pouco antes do discurso de Obama. Tal falta de etiqueta foi acrescentada à pouca relevância dada ao assunto por parte dos EUA. Como explicado pela especialista Sabrina Medeiros, “as agendas dos dois países são conflitantes e a pauta americana priorizou as questões nucleares”.

O recado foi dado: o argumento de que a “interceptação ilegal de informações destina-se a proteger as nações contra o terrorismo” não se sustenta. Somos um país democrático e que há 160 anos resolvemos nossas diferenças pacificamente.

Espionar assuntos estratégicos da presidência brasileira e da Petrobras traduz-se como uma tentativa de obtenção de vantagens comerciais oriundas do país que tem a liberdade de expressão, do ir e vir e a democracia; não só em sua exaustiva retórica oficial, mas em toda a sua postura e cultura popular.

A imensa lacuna entre as ações e o discurso é motivo de indignação e intolerância em toda a comunidade internacional. No discurso, pregam-se o neoliberalismo econômico e os direitos humanos; na prática, ações comerciais protecionistas nas fracassadas rodadas iniciadas em Doha, nos painéis da OMC, e violação do direito de privacidade de empresas privadas e cidadãos civis.

Como foi frisado por Dilma, essa questão da espionagem transcende a relação bilateral dos dois países e é uma questão relevante ao Conselho de Segurança da ONU, para que não haja deterioração de relações diplomáticas multilaterais futuras. Cabe a nós a aprovação de leis e mecanismos de proteção e a manutenção de uma bem-sucedida relação com a maior economia mundial.

Em visita ao Brasil em 2011, Obama ressaltou explicitamente a intenção de intensificar o relacionamento comercial com o Brasil, principalmente após a descoberta do pré-sal.

A histórica relação de amizade com nosso principal parceiro comercial não pode ser fundamentada com tamanha diferença entre a retórica e prática, e sim com colaboração mútua e cooperação entre as duas nações amigas.

Foto UN flag, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários