Home Empresas Ações da GSK desabam após 70 mil ações judiciais

Ações da GSK desabam após 70 mil ações judiciais

Nos últimos 12 meses, a GSK resolveu uma série de ações judiciais relacionadas ao Zantac, incluindo várias na Califórnia

por Reuters
0 comentário

As ações da GSK (GSK; G1SK34) caíram mais de 9% nesta segunda-feira, depois que um juiz dos Estados Unidos permitiu o avanço de mais de 70.000 ações judiciais que alegam que o medicamento para azia Zantac causa câncer.

A GSK disse que discorda da decisão e que vai recorrer. As ações da companhia caíram 9,4%, a caminho para seu pior dia desde agosto de 2022, com a queda eliminando quase 7 bilhões de libras (8,9 bilhões de dólares) do valor de mercado da empresa.

Após a decisão, analistas do J.P. Morgan disseram que a responsabilidade potencial que a GSK pode enfrentar com o litígio é provavelmente maior do que o valor de 2 bilhões a 3 bilhões de dólares assumido pelo mercado.

O juiz decidiu, na sexta-feira, que testemunhas especializadas podem testemunhar no tribunal que o medicamento pode causar câncer.

No entanto, os ex-fabricantes do Zantac, GSK, Pfizer, Sanofi e Boehringer Ingelheim, argumentaram que as opiniões dos peritos não têm suporte científico.

As ações judiciais têm sido um obstáculo para a empresa, com preocupações sobre disputas prolongadas e indenizações que eliminaram quase 40 bilhões de dólares do valor de mercado combinado da GSK, Sanofi, Pfizer e Haleon durante aproximadamente uma semana em agosto de 2022.

Analistas do Citi presumem 3 bilhões de dólares de custos de acordo relacionados ao Zantac. A Redburn, por outro lado, espera que o litígio seja resolvido por cerca de 1 bilhão a 1,5 bilhão de dólares.

Nos últimos 12 meses, a GSK resolveu uma série de ações judiciais relacionadas ao Zantac, incluindo várias na Califórnia.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.