IPO BM&F: vai ou fica?Olá pessoal. A semana foi muito agitada, inclusive para a equipe do Dinheirama. O Arthur, responsável pela série “Aconteceu no Dinheirama”, não pôde redigir a pauta desta semana, portanto tentarei substituí-lo nos comentários de algumas notícias. A Bolsa de Valores[bb] de são Paulo simplesmente travou por conta da estréia dos papéis da BM&F, cujo rateio foi marcado de muita polêmica e razão de interesse por mais de 250 mil CPFs. Recorde absoluto, essa negociação mexeu com o mercado nacional, mas não atingiu a rentabilidade histórica da Bovespa (52%), apesar de ter se valorizado bastante (22%).

Domingo, dia 02/12, estréia no Brasil a TV Digital. Imagens mais nítidas e serviços personalizados são as grandes vedetes da indústria que se forma em torno do tema. No âmbito dos investimentos, o ouro lidera o ranking mensal com 5,89% de valorização. A Bolsa, tão falada com os novos IPOs, apresentou queda de 3,54%.

Bolsa “trava” com negociação dos ativos da BM&F
A sexta-feira, dia 30/11, foi marcada por um susto na Bovespa. O Mega Bolsa, sistema usado para negociação eletrônica dos ativos, apresentou grande lentidão no fechamento de alguns negócios e leilões em geral. O grande gargalo foi a altíssima demanda gerada pela IPO – oferta publica de ações – da BM&F.

A Bovespa, em comunicado publicado no dia 30/11, esclareceu que:

“Hoje, o maior tempo de resposta do sistema foi devido ao extraordinário afluxo de ofertas com quantidade mínima de ações, detidas por um número – igualmente inusitado – de investidores”

A notícia parece um pouco estranha, mas deve ser considerada muito interessante por parte dos investidores e autoridades. A popularização do mercado acionário é fundamental para o surgimento de maiores (e melhores) empresas, capazes de gerar riqueza e empregos para o país. A abertura de capital é uma atitude que veio para ficar, não há dúvida. A nós, pequenos investidores, cabe aproveitar a oportunidade[bb].

Leia mais:


Ação da BM&F rende bem, mas menos da metade da “irmã” Bovespa

Mais de 250 mil pessoas participaram da oferta inicial de ações – IPO – da BM&F. Os papéis, negociados sob a sigla BMEF3, fecharam cotados a R$ 24,40, alta de 22% em relação ao preço original de R$ 20,00. Com a enorme procura, a Bovespa bateu seu recorde de negociações, alcançando um total de 313681 negócios.

Conversando com alguns leitores, percebi alegria e decepção. A primeira discussão surgiu depois do anúncio do rateio, que reservou para a pessoa física o máximo de R$ 1820,00 na oferta inicial, ou 91 ações. O valor, concordo, é muito baixo se comparado aos R$ 5 mil exigidos para a reserva dos papéis. Claro, o número altíssimo de CPFs envolvidos colaborou para o cenário descrito.

Por outro lado, há ainda um rumor sobre uma possível fusão entre BM&F e Bovespa. Apesar de ambas as empresas terem negado oficialmente a alternativa, o mercado operou com forte indício emocional. A alegria de alguns investidores estendeu-se além dos 22% de valorização, com a perspectiva de valorização no longo prazo. Você, leitor do Dinheirama, preferiu negociar os papéis no dia da IPO ou investiu pensando no longo prazo? Qual sua opinião sobre o papel?

Leia mais:


Bolsa não bate dólar e ouro “reina” em novembro

Novembro foi o mês do ouro. Literalmente. O desdobramento da crise hipotecária nos EUA teve forte influência nos mercados de ações e no cenário de investimentos dos países em desenvolvimento. A Bovespa teve seu pior mês de 2007, com recuo de 3,54%. Marcelo Mello, vice-presidente da Sul América Investimentos, explica:

“Foi um mês marcado pelo flight to quality (vôo para qualidade), com os investidores internacionais buscando os títulos do Tesouro dos Estados Unidos”

O ranking de rentabilidade de novembro ficou assim:

  1. Ouro: 5,89%
  2. Dólar: 3,28%
  3. Fundos de renda fixa: 0,78%
  4. CDBs: 0,73%

Leia mais:


TV digital estréia no Brasil domingo dia 02/12

Doze minutos. Este será o tempo usado pelas emissoras TV Globo, Rede TV, Band, Record, Cultura e SBT para a primeira transmissão digital de TV no Brasil. A idéia é permitir que cada canal fale sobre os benefícios da nova era que se apresenta. O sinal analógico ainda permanecerá ativo, como explica Paulyne Jucá, engenheira de sistemas do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (C.E.S.A.R.):

“As emissoras tradicionais vão existir ainda por muito tempo, já que o processo de desligamento da TV analógica será longo. Talvez demore até mais de dez anos”

Estamos diante de um momento de experimentação. Particularmente, fico contente em perceber e vivenciar esta evolução tecnológica tão importante. Alguns aspectos, como o preço do conversor digital e a disponibilidade de televisores, ainda estão sendo trabalhados. O debate mostra que ainda há um longo caminho a ser percorrido, mas que o primeiro passo já foi dado.

A interatividade, grande barato da TV digital, ainda deve demorar pelo menos 4 anos para aparecer como algo viável e interessante para o usuário.

Leia mais:

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários