Home Carreira Adeus 2010! Que venha um Feliz e Diferente 2011!

Adeus 2010! Que venha um Feliz e Diferente 2011!

por Plataforma Brasil
0 comentĂĄrio

Adeus 2010! Que venha um Feliz e Diferente 2011!A reta final chegou e o ano de 2010 se despede abrindo passagem para 2011. Deixando de lado as corriqueiras especulaçÔes sobre os movimentos da economia[bb] ou o contexto político, gostaria de explicitar aqui alguns anseios para o ano que vai começar. O leitor observarå que eles estão longe das grandes questÔes, dos grandes temas, mas muito próximos do cotidiano do ambiente de negócios, sendo, portanto, totalmente integrados ao cenårio onde de fato a vida acontece.

Sei que vou incomodar alguns, arrancar gargalhadas de outros, e sei também que muitos se identificarão com a lista absolutamente genuína que publico abaixo. Ela não reflete apenas opiniÔes deste que vos escreve, mas é inspirada em grande parte nos contatos do dia a dia, onde escuto as queixas e comentårios mais críticos de executivos, empreendedores e outros profissionais.

O ano de 2010 acabou! O Ano Novo se aproxima. Espero:

1) Que nĂŁo sejamos constantemente abordados por modinhas de gestĂŁo cuja importĂąncia se dilui na mesma intensidade com que sĂŁo anunciadas;

2) Que as pessoas envolvidas com o mundo dos negĂłcios abandonem o uso irresponsĂĄvel e massacrante do gerĂșndio em suas comunicaçÔes – algo como “estamos fazendo, alinhando, providenciando” – usado sempre para criar a imagem de movimento e ação para algo que jĂĄ se sabe totalmente paralisado ou engavetado;

3) Que as empresas abandonem a instabilidade como cultura permanente e passem a entendĂȘ-la como um problema a ser resolvido e nĂŁo como uma solução ou qualidade sem nexo algum. E, em consequĂȘncia, nunca mais serĂŁo escutadas em uma reuniĂŁo[bb] ou encontro de negĂłcios expressĂ”es do tipo “Sou um cara movido por mudanças”, como se a mesma representasse um adjetivo qualitativo;

4) Que o desempenho cĂȘnico nunca mais vença o fato. Que ninguĂ©m se permita ser persuadido ou seduzido pela oratĂłria ou capacidade de expressĂŁo de alguĂ©m, mas sim convencido pela clareza dos fatos apresentados e pela lĂłgica dos argumentos;

5) Que o mundo empresarial abandone a ideia de que a polĂ­tica Ă© lugar apenas para polĂ­ticos profissionais, sindicalistas, ativistas ou agitadores desta ou daquela tendĂȘncia, pois Ă© justamente por essa falta de participação e engajamento que vivemos no Brasil absurdos como: a) Meses para se abrir uma empresa; b) Uma massacrante burocracia para se tirar qualquer ideia empreendedora do papel; c) Uma legislação trabalhista absolutamente antiquada e desestimulante para a geração de empregos formais; d) Uma brutal insegurança jurĂ­dica; e) A maior carga tributĂĄria do planeta, sem retorno em benefĂ­cios pĂșblicos. NĂŁo para por aqui, existem muitos outros, mas vocĂȘ jĂĄ “pegou o espĂ­rito”;

6) Que tenhamos mais personalidade e altivez, longe do nacionalismo barato, mas abandonando de vez, ou sempre que possível, o hábito de usar outros idiomas para expressar ideias, conceitos ou o que quer que seja, estimulando com isso o neo-analfabetismo (dificuldade de expressão no idioma nativo, verificado em pessoa dotada de instrução). Tudo com bom senso; evidentemente, não vamos passar a chamar o “mouse” de rato;

7) Que as reuniĂ”es sejam objetivas e estruturadas, sem espaço para açÔes performĂĄticas ou recitais de frases de efeito, deixando as artes cĂȘnicas para o momento apropriado;

8) Que chefes[bb] sejam simplesmente bons chefes, dotados de aptidĂ”es para a liderança (jĂĄ estaria de bom tamanho), sem as propaladas pretensĂ”es rocambolescas de se tornar “O LĂ­der”, ou “O Grande LĂ­der” ou quem sabe “O Grande Timoneiro”;

9) Que tenhamos um pouco mais de autoconfiança, tratando com naturalidade as opiniÔes divergentes, as críticas ou embates de natureza profissional e fazendo com que essa atitude saia do discurso e entre para a vida real;

10) Que ninguém seja cobrado para ser politicamente-correto, mas estimulado a dizer a verdade, a ser honesto, mesmo que não agrade;

11) Que abandonemos as frases feitas e o lugar comum, por cultura e aprofundamento.

A lista poderia ser bem maior, Ă© verdade. TambĂ©m Ă© verdade que o pouco que estĂĄ aqui pode parecer bem utĂłpico, mas Ă© como dizem: “Tudo o que existe, nasceu antes em uma ideia”. Que assim seja. Espero. Feliz 2011!

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

O Dinheirama Ă© o melhor portal de conteĂșdo para vocĂȘ que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os nĂșmeros.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteĂșdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que nĂŁo faz qualquer tipo de recomendação de investimento, nĂŁo se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com Ă© de propriedade do Grupo Primo.