O padrão de consumo consciente abordado nesse artigo, diz respeito aos hábitos, que todos nós temos como consumidores de produtos e serviços, e ao adequado uso dos meios de pagamentos disponíveis.

Em tempos de acesso à credito abundante, as pessoas tendem a aumentar o consumo de produtos e serviços, mesmo sem ter os recursos financeiros disponíveis no momento. Essa é a mágica do crédito e dos parcelamentos, que nos permitem consumir de imediato, algo que iremos desembolsar no futuro.

Por outro lado, esse mesmo crédito ou parcelamento, que em um momento inicial, se mostra aliado na satisfação de nossas necessidades e desejos, poderá se tornar um grande vilão em caso de dificuldades no cumprimento dos prazos de pagamentos acordados.

Muitas pessoas, seja por falta de planejamento, disciplina, ou por imprevistos do cotidiano, acabam se afundando em dívidas e diversas dificuldades financeiras, podendo, inclusive, comprometer o equilíbrio pessoal, familiar e profissional.

Listo abaixo algumas dicas, para você atingir um padrão de consumo mais consciente e responsável, que certamente irão te proporcionar dias mais tranquilos.

1- Mantenha o equilíbrio no consumo, ponderando suas necessidades e prazeres

O consumo deriva da necessidade que pessoas e empresas tem para utilizar determinados bens ou serviços, mas também é oriundo de um desejo de satisfazer prazeres individuais e coletivos. Nesse sentido, é fundamental entender a diferença entre a efetiva necessidade por determinada compra, e aquela que se dá apenas por prazer ou impulsividade, para que o processo de decisão seja o mais consciente possível, e de acordo com o orçamento de cada um.

2- Utilize os meios de pagamento que mais se adaptam a sua realidade

O mercado atual oferece uma variedade de meios de pagamento para facilitar a vida moderna e propiciar agilidade na compra e venda de bens e serviços. Procure utilizar aqueles que mais se encaixem no seu perfil de consumo, e que te permitam uma melhor organização e disciplina financeira:

Pagamento em dinheiro, cheque ou cartão de débito – indicado para aqueles que possuem um caixa muito restrito, e geralmente tem pouco controle de suas finanças. A chance de você gastar mais do que tem disponível, é pequena, pois essas modalidades, em geral, exigem que você possua dinheiro em mãos, ou depositado em uma conta bancária. Aqui normalmente não se fala em crédito, exceto nos casos de cheque pré-datado, que devem ser evitados, sempre que possível.

Pagamento em cartão de crédito – indicado para aqueles que conseguem controlar bem suas finanças, pois é um mecanismo que exige muita disciplina, apesar de podermos limitar e ajustar o teto de gastos à capacidade de pagamento de cada um. Nessa modalidade de compras, temos um crédito de curto prazo, até 30 dias, dependendo da data de corte da fatura.

3- Pequenos procedimentos para uso do cartão de crédito e organização de seus gastos na “ponta do lápis”

Para começar, tenha somente 1 cartão de crédito, de preferência, com limite de gastos que não ultrapasse 50% de sua renda líquida no mês, pois isso irá contribuir para aumentar sua capacidade de pagamento da fatura em dia, sem incorrer em multas e juros altíssimos.

À cada compra que você realizar no cartão de crédito, anote o valor acumulado gasto até aquele momento, e deixe na carteira, de forma visível, para que você possa sempre conferir o valor total desembolsado. Uma vez atingido o limite mensal de gasto estipulado por você, encoste o cartão de crédito até o fechamento da fatura, e só volte a utilizá-lo depois da data de corte de seu cartão. Com isso você estará se protegendo de “estouros” no seu orçamento.

4- Evite o crediário ou parcelamento de longo prazo

Sempre que possível, faça uma avaliação criteriosa em relação a real necessidade de se fazer um crediário de longo prazo e, principalmente, pense na relevância dos valores envolvidos para sua programação de caixa futura. Se pergunte, mais de uma vez, o que poderia acontecer se eventualmente você perdesse seu emprego, ou se tivesse um problema de saúde familiar grave, para somente então avaliar se o parcelamento contratado estaria sob risco de uma catastrófica inadimplência, ou se você conseguiria superar tais problemas com tranquilidade. Ao menor indicativo de um potencial risco, recomenda-se postergar, ou mesmo, cancelar a ideia de contratação do crédito, e alternativamente buscar novas estratégias de aquisição do bem ou serviço pretendido.

Claramente alguns crediários ou parcelamentos são interessantes pelo imediatismo do consumo e antecipação na posse de determinado bem, mas se não for um crédito bem estudado, poderá rapidamente comprometer suas conquistas e a felicidade alcançada.

5- Faça uma poupança

Se programe para aplicar um pouco de capital todo mês, e ao longo dos anos você irá caminhar na construção de um patrimônio interessante, que te permitirá viver um futuro mais tranquilo, realizar seus sonhos e desejos, e te garantir em situações de emergência. Esse processo de formação de poupança, depende de muita disciplina, mas lá na frente será recompensador. Conhecemos muitas pessoas de renome e ótima formação, em várias áreas, que simplesmente não tiveram a capacidade de acumular patrimônio ao longo da vida, e hoje passam seus últimos dias a depender da boa vontade de terceiros.

Se comprometa com você mesmo, e com sua família, e reserve uma pequena parte de seus rendimentos, para a formação de uma poupança que lhes permitirá um maior conforto e serenidade no futuro. Inicialmente adote aplicações conservadoras, em fundos de previdência, renda fixa, multimercado ou títulos públicos, e somente depois, se você tiver um mínimo de conhecimento técnico, expanda uma pequena fração de seus investimentos para renda variável.

6- Procure viver com menos e tenha hábitos de reciclagem

Faça desse hábito um lema de vida, sensibilize outras pessoas, seus amigos e familiares, divulgue o consumo consciente e sua importância para o meio-ambiente e a sociedade como um todo. Tente, sempre que possível, reutilizar, consertar, transformar ou reciclar produtos e embalagens, e principalmente reflita sobre suas reais necessidades de consumo e procure viver com menos, no final das contas, até o seu bolso irá te agradecer.

7- Adote um Fluxo de Caixa para melhorar o planejamento e a organização de seus gastos

Recomenda-se, em paralelo aos itens acima, a adoção de um fluxo de caixa que irá te auxiliar no registro das entradas e saídas de caixa do passado (fluxo de caixa realizado), e te possibilitará uma visão de futuro, com projeções de curto, médio e/ou longo prazo (fluxo de caixa projetado).

O fundamental em qualquer planejamento financeiro que objetiva um mínimo de acumulação de riquezas, é gastar menos do que se ganha, independentemente do nível social das pessoas!!!

Maurício Perpétuo
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários