Afinal, quanto custa um passeio a dois?Há algumas semanas, recebi a sugestão de escrever sobre passeios a dois, em especial aqueles mais românticos. Adorei a idéia e acho a hora bastante apropriada. Explico: na semana passada, completei um ano de casada e, como não podia deixar de ser, estava sonhando com presente e uma comemoração à altura. Muitas opções passaram pela minha cabeça, além das muitas dicas que também recebi. Mas, ao pesquisar, fiquei um tanto quanto indignada com os valores.

Confesso que passei os últimos anos focada na montagem do apartamento no qual moro hoje e na organização do casamento[bb]. Estive um pouco fora do mercado de passeios românticos. São várias as opções: jantar a luz de velas, uma noite especial em algum hotel, uma viagem de fim de semana, uma festa (!) ou algum passeio inesquecível como sobrevoar a cidade de helicóptero. São inúmeras ofertas e, pior (ou melhor?), bastante tentadoras.

Pensando com a calculadora…
Pesquisei restaurantes em São Paulo e conclui que um jantar não sai por menos de R$ 150.  Uma noite em um hotel com decoração temática e jantar custa em torno de R$ 300. Uma viagem? Refúgios famosos como Campos do Jordão, litoral Norte e sul de Minas Gerais custam em média R$ 400 mais todos os gastos com passeios e alimentação.

E o passeio de helicóptero? Ah, esse eu nem tive coragem de orçar. Veja bem, pesquisei em hotéis e restaurantes recomendados: não tenho intenção aqui de julgar se são valores abusivos ou não ou a qualidade/importância deles. A análise não entra tanto no mérito da percepção de valor ou do nome do local analisado.

Então, como ceder ao desejo e não entrar no vermelho?
Muitas pessoas nos encorajam a ir em frente, afinal, “não é sempre que comemoramos 1 ano de casados”. Essa é ou não é a frase padrão da sociedade? Acho mesmo que nós devemos comemorar conquistas, datas marcantes, bem como qualquer outra coisa que julgamos importante. Mas, acredito eu, dever por conta disso não é certo. Em suma, devemos optar por comemorações que cabem nos nossos bolsos[bb].

O que deve ser levado em conta é que ainda temos o dia-a-dia. Uma comemoração que mereça um gasto maior deve ser compensada em menos passeios nas semanas posteriores. O mais importante nessa situação é planejar. É colocar no papel o quanto se vai gastar com um passeio atípico e o quanto ele vai impactar nas contas futuras.

Uma forma eficaz de se controlar os gastos com lazer é estipular um montante máximo mensal disponível. Faça as contas com seu namorado(a) ou esposo(a) e determine qual o percentual ideal do salário de ambos para destinar a passeios. Cuidado com o auto-boicote. Se no terceiro final de semana do mês o valor estipulado for atingido, o desafio é não gastar mais nada até a chegada do mês seguinte.

Posso listar diversas atividades gratuitas e divertidas, como reunião de amigos na sala de estar, rever fotos antigas, visitar a família (quem não tem uma avó ou tia que faz um bolo delicioso?), caminhar no parque e etc. Com um pouco de criatividade, esse “problema” pode ser facilmente resolvido.

Como ficam a sociedade e suas expectativas?
A pressão da sociedade para que tenhamos uma vida social ativa é muito grande. Devemos entender que nem todas as pessoas estão interessadas em ter uma vida financeira saudável[bb] e por isso jantam fora várias vezes por semana, organizam happy hours semanais ou convidam amigos para shows e baladas de valores abusivos.

Bem ou mal, devemos respeitá-las. Todos nós somos responsáveis pelos nossos atos e, conseqüentemente, pelo nosso sucesso. Elabore respostas-padrão, invente qualquer outra coisa, mas é essencial se policiar e manter a disciplina. Para ter um argumento mais interessante, somei o valor gasto por um casal em um típico fim de semana livre (valores para duas pessoas):

Sábado

  • 1 hora de boliche: R$ 36
  • Jantar com amigos: R$ 60

Domingo

  • Cinema: R$ 30
  • Pipoca mais refrigerante: R$ 15
  • Estacionamento: R$ 5

Total: R$ 146,00

Se deixássemos de fazer passeios similares pelo menos uma vez ao mês, em 12 meses o total economizado pode chegar a R$ 1.752,00. Um pacote turístico de 8 dias (7 noites) em Itacaré-BA, para 2 pessoas, gira em torno de R$ 1.600. Que tal?

A conclusão é que podemos sim fugir da rotina[bb], contanto que a escapada seja previamente calculada e planejada. A substituição de escolhas pode ser benéfica e sem grandes impactos. Cinemas fora de shoppings costumam ser mais baratos; peças de teatro são mais em conta aos domingos; passeios em alta temporada de inverno ou verão em cidades badaladas tem um custo maior do que fora da temporada. E por aí vai.

O ser humano tem a capacidade de se flexibilizar e devemos exercitar essa característica diariamente. Faça o teste. Ah, sim, você quer saber qual foi a nossa decisão para a comemoração do primeiro ano de casamento? Optamos por passar um fim de semana numa cidade menos badalada do interior de São Paulo, onde a hospedagem é mais em conta e é possível fazer trilhas gratuitas, curtir a natureza e tomar banho de cachoeiras. Boa pedida?

——
Mariana Prates é economista pela PUC-SP e pós-graduanda em Administração de Empresas pela FGV. Trabalha em precificação de Empréstimo em Folha e adora fazer planejamento financeiro para amigos e familiares.

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários