Agente BR: temos nosso próprio Madoff!?Que o Brasil tem muitos picaretas, todo mundo sabe. Mas qual o tamanho da picaretagem realizada pelos brasileiros? Há pirataria, tráfico, negociações políticas em trocas de influência e muito mais. Mas, será que temos também fraudes no sistema financeiro? O escândalo financeiro protagonizado pelo Sr. Bernard Madoff nos Estados Unidos trouxe luz a uma antiga afirmação popular: “quando a esmola é demais, até o santo desconfia”. E se você tivesse oportunidade de investir em um clube de investimentos com retornos de 10% a 30% ao mês. Toparia? Por que? Por que não?

André, um amigo e leitor deste blog desde os seus primeiros textos, enviou-me ontem um e-mail dizendo “Navarro, nós temos nosso próprio Madoff!” e anexando uma matéria do jornal Valor Econômico sobre a empresa Agente BR Assessoria, do grupo Agente BR Corretora de Câmbio. Para começar, a empresa teve liquidação decretada em janeiro deste ano pelo Banco Central por não atender aos pedidos de atualização cadastral e registro diante das autoridades.

Promessas de retornos fantásticos e nenhuma informação sobre os produtos eram os trunfos iniciais das conversas entre potenciais clientes e os gestores. E para chegar até lá, só com indicação de amigos. Fica fácil compreender porque os próprios aplicadores estão comparando este caso ao do emblemático, e agora preso, Sr. Madoff: ao que parece, quase tudo era falso, simplesmente como fachada para captar dinheiro em um esquema pirâmide.

A situação
Em julho de 2008, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) divulgou deliberação alertando o mercado para o fato de a Agente BR não ser devidamente autorizada a criar e operar clubes de investimento. Ainda segundo a CVM, o profissional responsável pela corretora, Tulio Vinícius Vertullo, não tinha autorização para atuar como administrador de carteira de valores mobiliários. A propósito, experimente acessar o endereço da “corretora” na Internet – www.agentecorretora.com.br – e veja o que acontece.

“A Agente BR, que não era autorizada a oferecer clubes de investimento, atraía clientes com promessa de retorno altíssimo, acima de 10% em alguns meses, em carteiras que levavam os sugestivos nomes de Diamond III ou Fortune II, com aplicações mínimas entre R$ 10 mil e R$ 30 mil. Não havia envio de extratos, o acompanhamento da aplicação era feito no site da própria corretora, que informava a rentabilidade de cada investidor”
(Jornal Valor Econômico – 18/03/2009)

E o dinheiro aplicado?
Os profissionais designados para realizar a liquidação da “corretora” simplesmente não encontram os registros dos clubes ou das operações realizadas com o dinheiro dos clientes. Não havia contabilidade alguma sendo realizada. O Banco Central vai fazer uma convocação aos credores, para que seja estipulado o tamanho da fraude e o volume total de recursos desviados. Só então o processo será enviado ao judiciário.

A reportagem do Valor procurou o representante da Agente BR, que disse que a empresa está negociando com os investidores e que vai pagar a quantia devida no futuro, em quatro parcelas. Sinceramente, fica difícil acreditar que os investidores reaverão todo o dinheiro aplicado e que isto aconteça em um futuro próximo. Infelizmente, neste caso não consigo demonstrar muito otimismo.

Cabe repassar algumas dicas para o caso de você se deparar com uma proposta excepcionalmente boa pela frente:

  • Consulte as autoridades. Se a empresa negocia valores mobiliários e títulos, procure pelo registro junto à CVM, BM&F Bovespa e etc. Este caso aqui ilustrado é típico de um golpe: a empresa não tinha autorização da CVM e nenhum de seus clubes estava registrado na BM&F Bovespa;
  • Desconfie. Peça documentos que comprovem a estratégia usada pela empresa para os ganhos que oferece. Questione: como são feitas as operações? Quem é o responsável? Em que ações vão investir? Que tipo de operação será realizada? Não se satisfaça com poucas respostas ou apenas suposições;
  • Na dúvida, corra! Se o negócio está nebuloso, parece ser uma fraude e você tem apenas a opinião de poucos amigos e uma grande interrogação pairando sobre sua cabeça, prefira ficar de fora. Investigue mais, dedique mais tempo a conhecer e pesquisar sobre a empresa e os negócios. Só invista quando estiver seguro quanto ao que oferecem e ao que a companhia representa.

Nada melhor que encontrar alguns investidores que acreditaram na promessa de retorno rápido feita pela “corretora” para entender o que se passava nas reuniões fechadas que a Agente BR convocava – alguns chegaram a dizer que os retornos prometidos foram da ordem de 25% ao mês. O InfoMoney Fórum tem um tópico dedicado ao assunto Agente BR e traz inúmeras declarações de vítimas da fraude. São mais de 33 páginas assustadoramente reais. Leia e tire suas conclusões. Infelizmente, também temos pelo menos um Madoff operando por aqui. Que seja feita justiça, de preferência rápida e severa como a de lá.

——
Conrado Navarro, educador financeiro, formado em Computação com MBA em Finanças e mestrando em Produção, Economia e Finanças pela UNIFEI, é sócio-fundador do Dinheirama. Atingiu sua independência financeira antes dos 30 anos e adora motivar seus amigos e leitores a encarar o mesmo desafio. Ministra cursos de educação financeira e atua como consultor independente.

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários