Ainda a crise, seu plano de resgate e o ProerHoje faz uma semana que o governo americano apresentou ao mundo seu plano mirabolante para tentar recuperar o sistema financeiro americano e tentar colocar o mundo de volta em um ambiente um pouco mais tranqüilo e previsível. Ora, que o governo americano precisa intervir para resgatar a credibilidade do sistema, é fato, mas será que o plano proposto irá funcionar? Como ficam os contribuintes americanos com tamanha responsabilidade? Planos deste tipo costumam funcionar?

Já foram colocados em movimentação e no suporte da crise muitos bilhões de dólares desde o inicio da crise, em agosto de 2007. Agora ouvimos e lemos que a “ajuda” ao sistema financeiro[bb] girará em torno de US$ 700 bilhões. Cifra difícil de imaginar, não é mesmo? Há quem estime que o valor necessário chegue a mais de US$ 1 trilhão. Há quem critique a atitude de comprar títulos podres.

Para que tanto dinheiro?
Durante esta madrugada, o Washington Mutual, um dos maiores bancos dos EUA, “arregou” e foi parar nas mãos do JP Morgan Chase. A idéia do governo americano é tentar evitar que a crise piore e, assim, contamine ainda mais as economias ao redor do mundo, que muito vendem e compram dos EUA. Evitar a quebradeira, conseqüência das chamadas crises sistêmicas, é a missão dos responsáveis pelo plano apresentado ao Congresso.

O plano pretende retirar de circulação os títulos podres de hipotecas que estão em poder do mercado financeiro. O governo está se propondo a comprar esses papéis, inclusive por um preço acima dos valores atuais (razão de muitas críticas), levando, em tese, maior liquidez ao mercado e diminuindo o risco de novas falências.

Corre-se o risco de pagar caro demais por estes títulos podres? A cifra de US$ 700 bi será suficiente? O governo não tece comentários sobre as qualidades do plano, limitando-se apenas a comentar sua necessidade, ligando-o necessidade de combate de um mal maior. E ele precisa mesmo sair.

O peso do plano para o contribuinte americano
O X da questão é o grande acordo que precisa ser costurado para aprovação desse “pacote” financeiro proposto. Os congressistas não estão completamente convencidos de que a ajuda financeira será o melhor caminho para enfrentar a crise. Mais, há aqueles senadores e políticos que tentam mudar alguns detalhes do plano para tentar proteger o bolso do eleitorado (lembre-se que há uma eleição chegando por ai).

Será justo chamar o contribuinte para pagar a conta pela má gestão financeira[bb] dos chamados “deuses de Wall Street?”. Este é um dos principais ponto da discórdia. Convencer as pessoas de que elas precisam entrar em uma festa cujo bolo já está cortado e comido, e ainda pagar por ele, não é missão fácil.

Também já vimos algo semelhante por aqui…
Na década de 90, também vivemos diante de um programa de ajuda financeira aos bancos. O chamado PROER – Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional. A idéia de proteção a pequenas instituições financeiras que passavam por períodos de instabilidade favoreceu grandes bancos, que então levantaram dinheiro para adquirir as instituições em dificuldades.

O Brasil, naquele momento, iniciava seu processo de estabilização econômica graças ao Plano Real. Durante os anos de 1980 a 1994, os planos econômicos se sucediam e o fantasma da superinflação permanecia assombrando o país. Durante esses anos, era comum a falta de rigor administrativo por parte de algumas instituições bancárias que se utilizavam da inflação como forma para acobertar possíveis “desvios” financeiros.

A estabilização, que culminou no controle da inflação, mostrou a verdadeira realidade de muitas instituições que partiam para esse nebuloso caminho, expondo toda fragilidade do sistema financeiro da época. Foram gastos, durante os anos de 1995 a 2000, cerca de R$ 30 bilhões nesse programa, algo em torno de 2,5% do PIB do país.

De volta ao presente…
Voltando ao caótico cenário atual, fica a dúvida: quando será fechado o plano de resgate apresentado pela equipe econômica do Fed e do Tesouro americano? Também está sendo discutido se os valores empregados no pacote poderão ser usados no pagamento de salário dos administradores das instituições em dificuldades.

Até o momento, não há consenso sobre a questão, o acordo não foi fechado e as bolsas de valores[bb] operam com forte volatilidade. Fica-se com a impressão de que a ajuda às pessoas com dificuldades em quitar dívidas não está no pacote. No entanto, manter o sistema financeiro de pé – ajudar quem supostamente controla o crédito – pode ser a única saída para evitar um caos ainda maior. Ufa, bom final de semana.

Alguns dados usados neste artigo foram retirados de páginas da Wikipédia.

——
Ricardo Pereira é consultor financeiro, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários