O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), desacelerou. Foi de 1,69% em junho para 0,18% em julho, divulgou nesta quinta-feira (28), a Fundação Getúlio Vargas (FGV). O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como o aluguel de imóveis.

O resultado do IGP-M de julho ficou dentro do intervalo das estimativas da maioria dos analistas do mercado financeiro.

Entre os três indicadores que compõem o IGP-M, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), saiu de 2,21% em junho para -0,01% em julho. Na mesma base de comparação, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), saiu de 0,33% para 0,29%. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), desacelerou de 1,52% para 1,09%. A variação acumulada do IGP-M em 12 meses, até julho, é de 11,63%. No acumulado do ano de 2016 até julho, o indicador tem alta de 6,09%.

Desemprego: 91 mil vagas fechadas em junho

Apesar de completar o 15º mês seguido de queda, o mercado de trabalho formal aponta para uma desaceleração no fechamento de vagas.

Segundo o Ministério do Trabalho, em junho deste ano, foram cortados 91 mil postos de trabalho, aproximadamente 18% menos do que junho de 2015.

Em doze meses, o país acumula o fechamento de 1,75 milhão de postos de trabalho. Em março deste ano, quando foi alcançado o recorde no fechamento de vagas, este número estava em 1,81 milhão.

Desde abril de 2015, o país não registra um saldo líquido positivo entre a criação e o encerramento de postos de trabalho. Neste período, já foram fechados mais de 2 milhões de empregos.

A redução de vagas está espalhada por quase todas as áreas da economia. Em junho, apenas os setores de administração pública e agropecuária, que sofre importante influência sazonal, apresentaram um saldo positivo em junho.

Juro do crédito rotativo cai pela primeira vez em 2016

O juro do rotativo do cartão de crédito, recuou pela primeira vez desde outubro do ano passado, informou nesta quarta-feira (27), o Banco Central. A taxa caiu para 470,9% ao ano em junho, saindo de 471,5% ao ano em maio. Ainda assim, é a taxa mais alta entre todas as avaliadas pelo BC.

A taxa média de juros no crédito livre seguiu em 52,2% ao ano em junho, mesmo valor registrado em maio. Em junho de 2015, essa taxa estava em 43,3% ao ano. Para pessoa física, a taxa média de juros no crédito livre passou de 71,7% ao ano para 71,4% ao ano, de maio para junho, enquanto para pessoa jurídica seguiu em 30,3% ao ano, no mesmo período de comparação.

Mercado financeiro

O mercado financeiro começa a avaliar os resultados de algumas companhias. O destaque negativo até o momento fica por conta do lucro abaixo do esperado do Bradesco.

O Ibovespa, principal benchmark da Bolsa de Valores de São Paulo, opera as 11h51 em baixa -1,38%, com 56.065 pontos, enquanto o dólar tem valorização de + 0,02%, negociado a R$ 3,27.

Foto: Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários