Análise GráficaA maioria dos investidores pessoas físicas, quando resolvem alocar parte de seus investimentos em ações[bb], tem um viés bem característico ao selecionar as empresas cujas ações irão adquirir: dão preferência às empresas de grande porte, bem estabelecidas, conhecidas e lucrativas. No geral, mantêm sempre o foco nos fundamentos das empresas. No entanto, há uma corrente de investidores que prefere trilhar um outro caminho, o dos gráficos.

No início do Século XX, o jornalista Charles Dow e seu companheiro Edward Jones (Dow&Jones te lembra alguma coisa?) começaram a plotar um gráfico diário com a média das cotações das principais ações negociadas na Bolsa de Nova York, num informativo financeiro que posteriormente viria a se transformar no The Wall Street Journal.

Com base neste gráfico, Dow analisava o comportamento do mercado. Suas observações, reunidas posteriormente, resultaram na Teoria de Dow, considerada o fundamento da Análise Gráfica, ou Análise Técnica[bb] como alguns preferem chamar. A teoria sugere ser possível, através dos gráficos, identificar o momento de abrir e fechar uma posição. Em resumo, “padrões” que se repetem ao longo da história sinalizam se há uma probabilidade maior de alta ou queda das cotações naquele momento.

Dow defendia, entre outras coisas, que a informação não era disponível num mesmo momento para todos investidores e que analisando os gráficos seria possível colher indicações do comportamento do mercado. Da mesma forma, assim que os chamados inside traders (investidores com informações privilegiadas) começassem a operar, seria possível acompanhá-los.

Outro pilar importante da análise gráfica é o de atentar para o fato de que o mercado é operado por pessoas, com sentimentos e comportamentos emocionais que influenciam na tomada de decisão de compra ou venda de uma ação. Os grafistas defendem que é possível identificar padrões, muitas vezes facilmente visualizados, que indicam o “humor” do mercado e como as cotações deverão ser comportar num futuro próximo.

Ao contrário do analista fundamentalista, o analista gráfico não se preocupa se uma ação está “barata” ou “cara”, ele apenas procura visualizar no gráfico se a ação está em tendência de alta ou não, mantendo-se comprado até que algum padrão no gráfico sinalize uma mudança de tendência, momento em que ele, então, desmontará sua posição.

Com o passar do tempo alguns estudiosos se aprofundaram no estudo dos gráficos e deram-lhe alguma sofisticação, criando os chamados indicadores, que em sua maioria são ferramentas de estatística aplicadas aos gráficos, com a finalidade de facilitar a compreensão dos mesmos em determinadas situações. A sofisticação é bem-vinda e ajudou a popularizar os conceitos criados por Dow.

Por sua simplicidade e facilidade de compreensão e uso, a análise gráfica se espalhou pelo mundo e é largamente utilizada por investidores, sejam eles profissionais ou pessoas físicas comuns. Assim, é natural notar uma batalha entre as escolas gráfica e fundamentalista. Batalha esta que nunca determinará um vencedor, uma vez que as duas análises não concorrem entre si, mas se complementam.

Ainda que alguns especialistas não concorde, com a Análise Fundamentalista[bb] indicando as empresas “saudáveis”, que “merecem” receber o nosso suporte e a Análise Gráfica indicando o “timing” de compra das ações destas empresas, o investimento torna-se mais inteligente e interessante.

——
André Motta, editor do blog Trader Sem Mistérios, é Engenheiro Civil formado pela Universidade Federal do ES, pós-graduado em Finanças pelo IBMEC-MG e mestrando em Administração pela FUCAPE Bussiness School (Vitória-ES).

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários