Animal de estimação requer planejamento financeiroTer um bicho de estimação traz muitos benefícios para toda a família. É uma ótima companhia e a diversão é garantida, além do que eles promovem a tão importante interação social, principalmente junto ao universo infantil. Temos uma Basset de 5 meses e posso comprovar, todos os dias, o que costumava sempre ouvir: cuidar de um animal é gratificante e revigora as emoções!

Várias pesquisas demonstram que ter um animal de estimação[bb] proporciona inúmeras vantagens:

  • Contribui para a estabilidade emocional;
  • Favorece a comunicação entre os membros da família;
  • Melhora a autoestima e a autoconfiança;
  • Estimula a autonomia e responsabilidade das crianças;
  • Reduz o nível de estresse.

No entanto, é preciso muita atenção em relação aos bichanos. É importante escolher um animal de estimação adequado à família e seu estilo de vida e ter certeza de que será possível criá-lo com amor, respeito e saúde. Neste sentido, abordaremos neste artigo o lado financeiro desta história. Algumas perguntas podem nortear esse momento:

  • Por que queremos um bicho de estimação?
  • Tenho ambiente adequado para acomodá-lo?
  • O que faremos quando viajarmos ou sairmos de férias?
  • Temos condições financeiras para cuidar do bichinho?

Condições financeiras? BINGO! Além de um trabalho extra em relação aos cuidados com o novo “membro da família”, uma posse responsável envolve também um planejamento financeiro adequado. A pergunta é: será que todo mundo que decide cuidar de um animal faz um planejamento financeiro ou considera suas despesas no orçamento[bb] doméstico? Caso a resposta seja negativa, as surpresas podem ser desagradáveis.

As despesas começam na compra, caso você não adote um bichinho em abrigos especializados.  Em certos casos, adequar o ambiente também será necessário. As idas ao veterinário, banho e tosa, as vacinas obrigatórias, a alimentação, os cuidados com a higiene e os irresistíveis mimos, como brinquedinhos e roupinhas, custam dinheiro!

Os animais de estimação movimentam bilhões em todo o mundo. Dados da ANFAL PET (Associação Nacional de Fabricantes de Alimentos para Animais) dizem que, em brinquedos, acessórios e alimentação, o brasileiro gasta anualmente por volta de R$ 819 milhões.

Mesmo sem cometer exageros, cuidar de um bicho aumenta as despesas. Dependendo da raça, os custos de manutenção mensais são maiores. Por exemplo, se optar por um cachorro de pelo longo, sua despesa com banho e tosa será o dobro (pelo menos) quando comparada à de um cachorro de pelo curto.

Assim, desde um peixinho Beta a um cachorro ou gato, o planejamento financeiro é muito bem vindo e necessário.  A dica é: informe-se sobre os custos com amigos ou em um pet shop[bb] confiável e faça uma lista de todas as despesas mensais que terá.  Abra o jogo com os filhos e familiares sobre estes novos gastos e a capacidade de eles entrarem no padrão de vida do lar. Não deixe apenas a emoção guiá-lo na chegada do novo amigo.

A convivência com um animal é muito boa e com planejamento financeiro poderá ficar melhor ainda. O ideal é decidir em família sobre a vontade de cuidar de um bichinho. Afinal, ele precisa ser razão de alegria, amor e felicidade, certo? Pois bem, com  entendimento e  respeito às condições financeiras familiares, ter um animal de estimação será uma experiência muito significativa para todos!

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários