Home Empresas Apple pode impulsionar vendas de iPhones com recursos de IA

Apple pode impulsionar vendas de iPhones com recursos de IA

A Apple buscou a IA como uma forma de revigorar sua base de fãs leais de mais de 1 bilhão de clientes e reverter um declínio nas vendas de seu produto mais vendido

por Reuters
0 comentário

A conferência para desenvolvedores da Apple (AAPLAAPL34), realizada na segunda-feira, foi mais do que a inclusão da mais recente tecnologia de inteligência artificial em seus softwares. Também tratou de vender mais iPhones.

A Apple buscou a IA como uma forma de revigorar sua base de fãs leais de mais de 1 bilhão de clientes e reverter um declínio nas vendas de seu produto mais vendido.

O software, que requer pelo menos um iPhone 15 Pro ou Pro Max para funcionar, pode incentivar uma cascata de novas compras, segundo vários analistas. Alguns previram que o maior ciclo de atualização desde o lançamento do iPhone 12 em 2020 deve ocorrer no final deste ano.

“O que vimos hoje foi mais convincente do que qualquer coisa que vimos desde então”, disse o analista Gil Luria, da DA Davidson, na segunda-feira.

A empresa apresentou o que chamou de Apple Intelligence, sua abordagem de IA generativa. A companhia demonstrou como sua IA pode gerar emojis personalizados, um desenho animado para enviar a amigos ou edições para que um email pareça mais profissional. A assistente digital Siri também poderá perguntar aos usuários se eles  vão querer ajuda do ChatGPT, da OpenAI, empresa financiada pela rival da Apple, a Microsoft.

Alguns analistas expressaram ceticismo, prevendo que os consumidores não correrão para as lojas da Apple apenas para ter um celular caro que, com exceção dos recursos de IA, faz praticamente as mesmas coisas que versões anteriores.

“Talvez haja o suficiente nos novos e aprimorados dispositivos da Apple com inteligência artificial e com tecnologia Siri para estancar parte da hemorragia de receita na área de dispositivos, mas não há o suficiente para criar um novo grupo de seguidores”, disse o analista da Forrester, Dipanjan Chatterjee.

Tejas Dessai, da Global X, acrescentou: “Os investidores claramente querem uma estratégia mais abrangente e ambiciosa da Apple no que diz respeito à IA”.

As ações da Apple caíram 2% após os anúncios.

Atualização para IA?

Os recursos de IA da Apple não virão para todos os iPhones. A empresa disse que os usuários precisam fazer upgrade para o iPhone 15 Pro ou Pro Max, que a Apple começou a vender em setembro passado.

A Apple alegou que a IA, desenvolvida para que possa processar dados de forma privada no dispositivo do usuário, depende dos chips nos smartphones mais novos da companhia.

Logo da Apple em loja em Paris, França (Imagem: REUTERS/Gonzalo Fuentes/Arquivos)
Logo da Apple em loja em Paris, França (Imagem: REUTERS/Gonzalo Fuentes/Arquivos)

Na opinião do analista da Wedbush Securities, Dan Ives, isso representa uma grande oportunidade. Ele calculou que cerca de 270 milhões de iPhones não foram atualizados nos últimos quatro anos.

“Estimamos que mais de 15% da base instalada da Apple fará o upgrade para o iPhone 16, pois o Apple Intelligence é o aplicativo matador que muitos estavam esperando”, disse Ives.

O lançamento do iPhone 16 está previsto para o final do ano.

Gene Munster, sócio-gerente da Deepwater Asset Management, disse que outra vantagem da Apple foi sua integração fácil de usar com o ChatGPT. “Eles estão realmente eliminando o atrito do uso de IA”, disse ele.

A receita do iPhone no ano fiscal que terminou em setembro de 2023 foi de 200,6 bilhões de dólares, abaixo dos 205,5 bilhões do ano anterior.

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.