Poupança é importante!Adelaide comenta: “Navarro, após reorganizar minha vida financeira (diagnosticando, cortando supérfluos e saldando dívidas antigas) alguns familiares (da turma do deixa-disso) têm tentado “aproveitar-se” de minhas economias: sugerem festas (em minha casa claro), passeios e me convidam para contribuir financeiramente com a maior parte dos gastos dos eventos, já que ‘saí do vermelho’. Enfim, como lidar com parentes e amigos e exercitar, com carinho e conscientização, a capacidade de dizer ‘não’? Estou com muita dificuldade já que ouço piadas do tipo ‘você é pão-dura’. Eu é que sei quanto dinheiro perdi com cartões de crédito (rotativo), cheques especiais e prestações infinitas. Como passar essa sensação adiante?”

Adelaide, obrigado pela visita. Suas palavras são um importante alerta para muitos leitores e, infelizmente, sua situação é muito mais comum do que pode imaginar. Carinho e consciência, uau! Você usou duas palavras muito especiais e pelas quais demonstro sempre muito apego. O carinho é a chave para qualquer projeto de vida bem sucedido e a consciência representa o respeito por si mesmo diante dos relevantes momentos de tomada de decisões[bb]. Para firmar-se diante da família e dos amigos, e não tornar-se vítima destes, é preciso antes respeitar-se. Esse processo envolve, entre tantas outras coisas, o aprendizado do “não”.

Simplifique!
Não queira que todos gostem de você. É sério, prefira que todos respeitem seu modo de ser, suas qualidades e defeitos. Assim como sua vida pessoal merece certa blindagem, suas finanças merecem sigilo e privacidade. Familiares e amigos muito próximos normalmente tendem a enxergar apenas as superficialidades, o que torna o relacionamento financeiro bastante desgastante. Quase sempre, falar “não” passa a ser somente uma importante atitude de sobrevivência quando deveria ser a porta para um diálogo verdadeiramente sincero em seus propósitos.

Não é não! Pare por ai!
O grande problema é que, quase que por instinto, acabamos falando mais do que um simples “não” e o momento de reflexão passa a ser apenas mais um grave e longo desabafo. Como lidamos com pessoas próximas, nos sentimos compelidos a falar mais do que apenas a grande razão para a inflexão demonstrada. Acabamos, involuntariamente, “cuspindo” verdades entaladas por tempos em nossos corações. O “não” vira uma lição e o relacionamento passa a ser criticado pelo negativismo e não pelas verdadeiras razões para a negação financeira.

Quando conversar sobre dinheiro é algo sacrificante, é hora de recomeçar. Perceber essa linha tênue é difícil, mas é parte crucial do bem falado “não”. Costumo dizer que:

Você não precisa fazer tudo. Quem faz tudo para todos não tem tempo de fazer quase nada para si mesmo. É muito bonito ouvir “Se não puder fazer tudo, faça tudo que puder” na televisão, mas como fica a necessidade de relacionar-se com a frustração? Nossa educação é feita de muitos “sim” e raríssimos “não”, como se a disponibilidade fosse essencial para a vida plena e feliz. Lembre-se de que nem tudo na vida existe em abundância ou está em um local de fácil acesso. Aprender a lidar com a privação é uma forma crucial de crescimento pessoal e o melhor é não tentar evitar que isso aconteça.

Nem sempre o “NÃO” é o melhor “não” possível. O debate financeiro é uma grande oportunidade de transformar a negação em oportunidade de aprendizado. Ao negar dinheiro a um parente você está investindo em seu futuro financeiro[bb]. Acreditar nisso é o primeiro passo para que apareça a oportunidade de demonstrar-lhe o raciocínio por trás dessa afirmação. Quando alguém quiser aproveitar-se de você, perca alguns minutos demonstrando o esforço que fez para chegar onde está e compartilhe de suas dificuldades. Peça atenção de seu ouvinte e lembre-se de não misturar as “verdades escondidas”, o desabafo, com a chance singular de crescer e fazer seu interlocutor crescer.

Assumir sua posição e não deixar-se levar pela dúvida é fundamental. Estabeleça suas prioridades e respeite-as, deixando-as bem claras para todos os que por ventura possam abordar-lhe pedindo dinheiro. Se começar a levar adiante a estratégia “dois pesos e duas medidas” vai acabar voltando para os dias de amargura financeira. No entanto, cuidado para não tornar-se uma pessoa inflexível. Pode ser que, num primeiro momento, seus parentes e amigos sumam porque você resolveu agir de forma mais drástica. Isso passa.

Cobrar de parentes é embaraçoso e incômodo. Mesmo que o ente em questão seja reconhecido como bom pagador, a estatística demonstra que em raríssimas vezes o dinheiro é devolvido. Além disso, imagine-se tendo que lembrar seu primo do dinheiro emprestado ou ainda tendo que dar um puxão de orelha em seus amigos por aquele churrasco feito com seu dinheiro. É chato! Sabendo disso, fica mais fácil falar “não” sem apenas esbravejar ou dar lição de moral, não acha?

O melhor investimento na família e nos amigos é o tempo que você passa com eles. Quando alguém lhe pedir dinheiro, ofereça 20 minutos de seu dia para uma conversa sobre educação financeira[bb], alternativas de crédito e investimentos. Sua disposição certamente demonstrará o carinho e apreço que tem por aquele ouvinte e o fará mudar sua atitude nas próximas abordagens. Crie um ambiente sadio para discutir o dinheiro e esteja sempre disponível para recomendar ou indicar bons materiais de referência. Melhor que ser uma referência financeira é ser uma referência de sabedoria cotidiana. Credibilidade e respeito são melhores companheiros para a vida que os rótulos simplistas “amigão” e “bonzinho”.

OK! Não é tão fácil assim!
Autoridade familiar é assunto para muitas linhas e palavras, é verdade. Não há como escrever de outra forma, portanto lá vai: seja coerente e consistente com os seus objetivos de vida, mesmo que isso incomode parte de sua família ou círculo de amigos. Agradar a todos é muito legal e pode torná-lo uma pessoa popular, mas será que isso é suficiente para seus desafios do dia-a-dia? Seja sincero nos debates com a família e procure demonstrar o quanto você batalha por sua indepedência financeira. Passe mais tempo com eles.

Cuidado para não confundir-se com minhas palavras. Não trata-se de dar mais valor ao dinheiro, mas de dar real valor à família. Que família é essa que só lhe procura quando precisa de dinheiro? Não soa estranho vermos pais e mães que nunca dedicaram parte de seu tempo para ensinar os filhos a valorizarem suas finanças pedindo a eles dinheiro emprestado? É triste notar que muitas famílias pegam-se brigando mais pelo dinheiro que pela fraternidade entre seus elos. O assunto é polêmico, mas precisa ser discutido.

No meu ponto de vista, é o raro exercício da frustração que alimenta essa triste realidade. De forma geral, somos poucos inflexíveis porque ouvir um “não” incomoda mais do que deveria. Felizmente, aprendi que o “não” é mais importante que o “sim” na valorização daquilo que conquistamos. Deixo uma frase constante de meu aprendizado, proferida por Winston Churchill: “Sucesso é ir de fracasso em fracasso sem perder o entusiasmo”. E você, tem apenas falado “não” ou tenta também construir algo melhor?

Crédito da foto para Marcio Eugenio.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários