Caro leitor, você já deve estar acostumado a ter que fornecer por aí o número do seu RG (ou CPF ou carteira de motorista, enfim), mas provavelmente nunca teve que se preocupar em saber o seu score de crédito atual. Se lhe perguntassem hoje, por exemplo, qual a sua pontuação, é natural que você não soubesse informar. E na verdade, sejamos sinceros, talvez você nem saiba muito bem o que ele significa e nem qual a importância que pode ter em sua vida financeira, certo? Não se preocupe, chegou a hora de elucidar alguns pontos!

Quando falamos em score de crédito, falamos de uma pontuação que é atribuída a cada cidadão levando em conta seus hábitos de pagamentos e relacionamento com o mercado de crédito. Há muitas controvérsias sobre a veracidade desta pontuação com relação à definição do real risco de inadimplência, mas o fato é que ela basicamente acaba servindo como fonte importante na hora que você precisa, por exemplo, pedir um empréstimo para uma instituição financeira, fazer um financiamento ou conseguir um limite extra no cartão, entre outras coisas.

Ter um score baixo pode ser um pesadelo em algumas situações, já que significa que você pode tratar-se de um “mau pagador” aos olhos de quem está concedendo o crédito. Por isso é importante não apenas conhecer o seu score como estar atento a algumas questões que podem diminuir ou aumentar a pontuação! Vamos lá?

Aproveite para ler: Não se engane! Você precisa acabar com as dívidas se quiser prosperar

Como conhecer o seu score?

Conhecer o seu score de crédito é muito simples. O Serasa Score, por exemplo, é um dos modelos estatísticos existentes e está disponível para consulta online. Outro modelo é o consultor do Boa Vista SCPC. Basta fazer um cadastro para poder consultar.

Saiba que a pontuação – que vai de 0 a 1.000 pontos – considera itens como o pagamento de contas em dia, registros do SPC e Serasa, histórico de dívidas negativas, idade e renda, dados cadastrais atualizados e o relacionamento financeiro com diversas empresas.

Score alto ou score baixo: o que isso – em tese – significa?

Dentro da pontuação que, como já dissemos, vai de 0 a 1.000 pontos, um score é considerado baixo quando não chega a 300 pontos; de risco médio quando está entre 300 e 700 pontos; e de risco baixo se está entre 700 e 1.000 pontos.  Um score baixo significa que as instituições financeiras podem vê-lo como um mau pagador ou alguém com maior risco de dar o calote nos próximos 12 meses, portanto, podem dificultar o oferecimento de crédito e financiamento ou aumentar as taxas de juros cobradas.

Pode ser até que isso tenha a ver com até agora você  não ter conseguido aquele cartão de crédito sem anuidade ou aquela conta corrente digital sem tarifas, entende? Por isso vale a pena dar uma checada!

Por outro lado, um score alto significa, aos olhos do mercado, que há mais chances de você honrar dívidas nos próximos 12 meses, o que acaba facilitando a tomada de crédito, entendeu? É importante conhecer o seu score, pois a partir daí você pode descobrir como tende a ser visto perante o mercado e também pode agir para melhorar a sua pontuação. Quer saber como fazer isso?

Assista vídeo: Como criar uma planilha de controle financeiro que funciona

Como aumentar o score de crédito?

Melhorar o score de crédito é uma tarefa relativamente simples, mas para fazer isso você terá que organizar melhor as contas e pagamentos. Ou seja, seguir tudo aquilo que sempre ensinamos aqui no Dinheirama. Como o escore é dinâmico, vale a pena começar a prestar atenção a alguns pontos. São eles:

  • Pagar as contas em dia: Esta é fácil. Com exceção de uma situação em que você está sem dinheiro para pagar as contas, vale a pena se organizar para evitar atrasos relacionados a esquecimentos. Também é válido checar se é possível alterar datas de pagamento para não atrasar. Por exemplo, se você recebe salário todo dia 10, mas tem um pagamento grande a ser feito todo dia 5 e, portanto, sempre atrasa, verifique a possibilidade de mudar a data.
  • Quitar dívidas em atraso: Dívidas sempre são um indicativo de que seu dinheiro futuro está comprometido, especialmente se elas estiverem atrasadas. Procure negociá-las, comparar alternativas mais baratas se for o caso, e busque ajuda de especialistas caso não saiba como proceder.
  • Limpar o nome caso esteja sujo: Entendemos que em algumas situações, quando o dinheiro realmente não dá para tudo, pode ser necessário deixar de pagar algo e aí o nome acaba ficando sujo. É normal, porém, que um tempo depois do ocorrido, as próprias empresas acabem entrando em contato oferecendo uma negociação para quem quer quitar o que está devendo. Assim que possível, negocie!
  • Manter os dados cadastrais sempre atualizados: É importante que o mercado saiba que seus dados estão atualizados, tais como idade, estado civil, renda, e etc. Ou seja, você não vai “sumir”. Com isso você ganha pontos.
  • Pagar dívidas antecipadamente se possível: Não ter dívidas futuras significa que haverá mais dinheiro sobrando nos próximos meses. Por outro lado, é preciso verificar se realmente vale a pena antecipar parcelas, por exemplo, apenas para melhorar a sua pontuação. Talvez não valha. Estude com cuidado, pois é sempre importante ter uma reserva financeira para emergências, ok?
  • Ter investimentos em instituições financeiras: Quando você tem investimentos em instituições financeiras e também um histórico como cliente de determinados bancos, fica mais fácil de ter sua conduta financeira avaliada.
  • Abrir o cadastro positivo na Serasa: O cadastro positivo ajuda a mostrar o pagamento de contas em dia e ajuda na pontuação.
  • Finalmente, cuidado ao realizar empréstimos, compras e financiamentos em nome de terceiros: Muitas vezes, acreditamos que não é nada demais ceder o nome para este tipo de coisa, porém, se o amigo ou familiar não pagar, lembre-se que a responsabilidade será sua. Você não apenas pode ficar com o nome sujo e dívidas, como terá seu score bastante prejudicado, já que será considerado mau pagador sem ter culpa no cartório. Portanto, olho vivo e muito cuidado nestas horas!

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários