Com o orçamento das famílias mais apertado por causa da inflação alta e queda da renda real, muitos clientes de programas de fidelidade têm aproveitado para economizar trocando suas milhas aéreas acumuladas no cartão de crédito por outros produtos e serviços (eletrodomésticos, vale combustível, vouchers para restaurantes…).

Essa alternativa é muito válida, segundo a planejadora financeira Leticia Camargo. “Em momento de crise, como o atual, aproveitar o poder de compra das milhas dos programas de fidelidade se torna uma ótima estratégia para esticar mais o orçamento”, afirma.

Para Bruno Nissental, fundador do Oktoplus, aplicativo de gerenciamento de pontos e milhas, todos os clientes que possuem o hábito de abastecer seus veículos, fazer compras em supermercado, gastar em seus cartões de crédito, viajar de avião e hospedar-se em hotéis, deveriam participar de programas de fidelidade.

“Quem possui esses hábitos de consumo e não participa dos programas está deixando de ganhar. O cliente já realizará as compras no estabelecimento, mas será uma decisão dele ganhar ou não o benefício. Quando ele não participa, está deixando dinheiro na mesa”, diz Bruno.

Leitura recomendada: Guia de viagens na crise: o que fazer com o dólar acima de R$ 3,00?

Diante da possibilidade de trocar pontos por produtos e serviços, aderir aos programas de fidelidade dos cartões de crédito pode ser uma grande vantagem. Porém, especialistas ressaltam algumas dicas e cuidados que devem ser levados em conta pelo consumidor:

  • Entenda as regras de cada programa. Ler o contrato é fundamental na hora de escolher qual programa de bônus aderir e se informar sobre o prazo para resgatar os pontos. Além disso, todo programa de fidelidade tem restrições sobre as quais os usuários devem estar conscientes;
  • Cuidado com o uso do cartão. Por causa da dificuldade de acumular milhas suficientes apenas com a compra de passagens aéreas, muitos consumidores acabam pagando tudo o que podem com o cartão de crédito. No entanto, essa atitude só é recomendada para quem controla muito bem cada gasto. “Ao comprar muito no cartão de crédito, o consumidor pode se atrapalhar para pagar a fatura depois. O ideal é ir anotando todas as compras e não passar do limite estipulado. Não é válido se endividar no cartão só para acumular mais pontos”, destaca a planejadora financeira Leticia Camargo;
  • Verifique se a taxa de anuidade compensa. Há algumas modalidades de cartão, principalmente os que são voltados a clientes de alta renda, cujas milhas acumuladas não expiram e contabilizam até três vezes mais pontos por gasto. Em contrapartida, cobram taxas de anuidades mais caras. Por isso, é importante ficar atento ao custo-benefício e avaliar o quanto, dentro do seu estilo de vida, este cartão mais caro realmente compensa;
  • Fique atento à validade dos pontos. Lembre-se de monitorar com regularidade quanto tem acumulado e, principalmente, até quando pode utilizar o que juntou. As milhas têm duração estipulada pelo programa, variando de dois a três anos. Outra dica é transferir suas milhas se elas estiverem prestes a vencer. “Caso ainda não saiba o que fazer com os pontos, é possível transferi-los para outros programas de fidelidade. Dessa forma, os pontos podem ganhar 2 ou mais anos de validade”, sugere Bruno Nissental;
  • Avalie se vale a pena comprar um produto da forma tradicional ou através da troca de pontos. Para fazer o cálculo leve em consideração a anuidade (no caso dos cartões bancários) mais o gasto mensal para acumular os pontos mais taxas de administração. Se no final das contas o preço do serviço ou produto for mais caro, é melhor parcelar no crédito ou comprar à vista.

Dica de aplicativo para ajudar a organizar as milhas

Gratuito, o aplicativo Oktoplus reúne informações dos 23 programas de fidelidade existentes no Brasil. Ele compila automaticamente todos os dados necessários para o usuário saber quantas milhas possui e o auxilia a trocar os pontos por passagens aéreas ou outros produtos e serviços. A ferramenta ainda alerta sobre a expiração de pontos com 60 dias de antecedência, além de calcular o saldo dos programas.

Foto “Bonus”, Shutterstock.

Isabella Abreu
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários