Aproveite o momento para rever seus objetivos e planos financeirosO mês de janeiro já está entrando em sua reta final. O ano começou, passa rápido, mas muitos brasileiros já deixaram de lado as promessas feitas no Ano Novo. Colocar as contas em dia, lembra? Pois é, tem gente que não percebe que já passa da hora de (re)colocar o orçamento em dia e se deixa levar pelo tão mencionado “piloto automático”, pelo “uma hora eu faço isso”.

É verdade que o Brasil atravessou um período de muita bonança, com emprego formal batendo recorde e muito otimismo por parte da população. Mas precisa acomodar? Não confunda minha preocupação com pessimismo: só não gosto de apenas acreditar que tudo continuará “às mil maravilhas”.

O mundo dá voltas e a economia[bb] é muito dinâmica. Basta analisar a história recente para vislumbrar essa realidade. O que está bom pode se ficar ruim, a dúvida pode ser a principal moeda de negociação e os fundamentos podem piorar. Tudo isso pode acontecer rápido. Sim, sou cauteloso e gosto de planejar bem. E nada melhor que aproveitar o bom momento presente para construir um futuro mais pleno e feliz.

Comece com uma reserva especial
O primeiro e decisivo passo quando tudo vai bem é justamente trabalhar para formar a sua reserva para as emergências (quando tudo vai mal). A idéia é que ela funcione como um cheque especial – não como os oferecidos pelos bancos que trabalham com juros altíssimos, mas uma reserva que possa ser o porto seguro na hora de apertar o cinto.

Vale lembrar as tão faladas crises[bb] são cíclicas, isto é, elas vêm e vão e sempre e afetam a vida das pessoas – para o bem e para o mal. Aqueles com uma reserva podem aproveitar crises para investir em ativos depreciados, pagando muito menos que seu valor real. Oportunidade rara, mas que só aproveita quem tem reserva.

Especialistas sugerem que o fundo de reserva seja composto de ao menos seis vezes o valor de sua renda mensal. Se você puder formar um colchão financeiro maior, digamos de doze meses, melhor ainda. Com sua reserva, você terá a tranquilidade necessária para manter seu padrão de vida e escolher os próximos passos da sua vida com calma, mesmo que o cenário não seja dos melhores.

Aprendi que é importante não ter medo de cortar aquilo que não for fundamental. O planejamento só tem sentido se for capaz de levá-lo à realização de seus sonhos. Onde você quer chegar? É claro que todos queremos viver com conforto e eu não sou diferente de você: busco o melhor para minha família.

Ainda assim, todo ano arrumamos um tempo para analisar nosso oçamento e identificar se não existe nenhum furo ou possibilidade de melhoria. Temos um plano de longo prazo e um objetivo a ser seguido em comum. Esse objetivo está em primeiro lugar e não medimos esforços pra chegar lá.

Chegamos ao desafio de realizar mais com menos, comprar melhor e dessa forma reduzir os custos de forma a não perder a qualidade de vida e o conforto tão duramente conquistado. A primeira ação de 2011 foi justamente renegociar os serviços de internet, TV e telefonia (de novo). Uma conversa de 15 minutos foi suficiente para conseguir um desconto de 20% no ano, algo em torno de R$ 600,00.

Não é um bom começo de ano? Quero que você leitor possa embarcar no mesmo desafio[bb], respeitando o seu planejamento e, principalmente, o seu padrão de vida. Para alcançar seus objetivos não se pode ter medo de cortar o que não é indispensável; e é importante ter uma reserva que lhe dê tranquilidade nas horas do aperto. Concorda?

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários