As armadilhas do autoenganoComeço esse artigo com uma frase de Black Elk: “é na escuridão de seus olhos que os homens se perdem”. Ela consegue definir um estado que todos nós vivenciamos muitas vezes em nossa vida. Falo do autoengano, da negação de fatos e também da simples falta de consciência da realidade. Esse estado exagerado de autoengano[bb] compromete demais a vida pessoal e profissional dos indivíduos.

Essa questão intrigante permeia nosso cotidiano e acaba minando nossas capacidades e comprometendo nossos relacionamentos. O fato é que, na maioria das vezes, não nos damos conta que a culpa é nossa e que somente nós podemos reverter situações ruins. O autoengano costuma ficar evidente quando colocamos a culpa de nossos problemas nos outros ou temos um olhar crítico em relação aos comportamentos alheios, sempre achando que nós somos melhores!

Alguns exemplos comuns seriam:

  • A mãe que diz que os amigos levaram seu filho “para o mau caminho”;
  • A namorada que, ao ser traída, justifica a situação colocando a culpa na outra mulher;
  • O paciente que não acredita ser portador de alguma patologia;
  • O funcionário que não aceita que precisa se aprimorar;
  • O cidadão que se recusa a admitir que é o grande culpado pelo seu alto grau de endividamento.

Agimos como aquela criança que ao correr tropeça na cadeira[bb], cai e fala que a culpa é da cadeira que estava no lugar errado! “Mas eu estava me divertindo e a cadeira apareceu de repente…” justifica choramingando o pequeno para a mãe.

Vamos confessar que várias vezes somos como essa criança e culpamos o mundo pelo nosso fracasso, intolerância e descontentamentos. Esse tipo de comportamento acaba piorando o problema e nos torna reféns do próprio modo de pensar, pois não somos capazes de ver além do problema ou insatisfação. Essa cegueira ou o autoengano provoca uma relação interessante:

O perigo do Autoengano!

O esquema nos mostra o ciclo improdutivo em que acabamos entrando por conseqüência do autoengano. Funciona mais ou menos assim: tenho um problema e, por conta da minha “cegueira”, acabo enxergando causas irreais e partindo para soluções[bb] inadequadas, e com isso agravo ainda mais minha situação inicial.

O autoengano é um recurso de autodefesa (e necessário em alguns casos) que surge todas as vezes que nos sentimos ameaçados, decepcionados ou nos deparamos com algumas verdades inconvenientes. Seria uma maneira de retardar o amadurecimento e ter que se posicionar frente às situações, como argumenta o psicólogo Armando Correa S. Neto:

“Enquanto a responsabilidade não recair sobre si mesmo, a infantilidade permanecerá disfarçada de azar”

Quando começamos a nos enxergar de verdade, quando mesmo que dolorido assumimos nossas dificuldades, nosso “padrão de autoengano“ muda. Conseguimos perceber a situação real e passamos a agir com coerência. Difícil? Um pouco, mas vale a pena tentar.

Comece a ver você como protagonista de sua história e não como vítima dela. Não tente ser perfeito, mas procure fazer o melhor possível. Sua vida pode ficar melhor a partir dos detalhes! Para saber mais e aprofundar suas reflexões, indico o livro “Auto-Engano” (Companhia de Bolso) de Eduardo Giannetti da Fonseca.

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários