As lições da rodada Doha e você!Na última semana, conversei com a Luciana, jornalista do Diário do Comércio (Belo Horizonte), que gostaria de saber minhas impressões sobre o possível fracasso na recente Rodada Doha. Confessei à Luciana que, apesar de tratar diariamente de assuntos ligados à economia, esta não era a “minha praia” e acabei indicando para a matéria outra colega.

Agora, com mais tempo e em um espaço maior, tomo a liberdade de tecer algumas considerações. Antes de começar, uma curiosidade: Doha (Qatar), foi o nome escolhido por esta ter sido a sede, em 2001, da primeira conversa sobre liberalização do comércio, ocorrida durante o 4o. encontro ministerial da OMC (Organização Mundial do Comércio).

O mundo hoje passa por um problema grave: a inflação.
Não é segredo para ninguém que o fenômeno inflacionário é um ingrediente ímpar na historia da humanidade. Vemos, por exemplo, a alta de preços decorrente do acesso, por parte da população mais pobre, a uma alimentação mais rica e consistente. Pois é, entender de economia[bb] e finanças[bb] nunca foi tão importante.

Podemos afirmar, com uma razoável consistência, que Brasil, China e Índia, através do crescimento econômico dos últimos anos, criaram uma espécie de efeito colateral. É simples, acompanhe: quando o aumento da produção se desarranja com as curvas de demanda, os preços sobem. Alguns países, como o Brasil, apostavam suas fichas na chamada Rodada Doha para conseguir frear o protecionismo americano e europeu.

Assim, pensavam, seria possível aumentar suas produções e exportações agrícolas se beneficiando desses fortes mercados. Mas o que, a grosso modo, parece simples, na prática se tornou um fracasso absoluto. Os países chamados desenvolvidos não se deixaram convencer pelo viés humanitário dado ao último encontro, na Suíça, e endureceram o jogo, pedindo contra-partidas como maior abertura desses novos mercados (em desenvolvimento) a seus produtos.

Nos últimos momentos, o Brasil ainda aceitou algumas medidas propostas pelos negociadores, como a redução dos valores subsidiados aos produtores internacionais (valor inferior ao pretendido). Mas não foi o bastante. Além do acordo não ter encontrado êxito, o país ainda teve que engolir insinuações de traição, pois abandonou a tese defendida, durante muito tempo, em parceria com Argentina e Índia, por exemplo.

O dado concreto é que agora só restou um único caminho para levar a gama de produtos brasileiros ao mundo: os antes renegados acordos bilaterais ou mesmo através dos blocos econômicos.

“Fica a seguinte alternativa: ou bem a decisão de apoiar o acordo estava correta, por atender aos interesses econômicos do país, e nesse caso toda a diplomacia anterior estava errada ou a diplomacia dos pobres era o caminho da luz e, nesse caso, o Brasil não tinha nada que apoiar um acordo com os ricos.” (Carlos Alberto Sardenberg, economista)

Enquanto isso, os problemas mundiais que impulsionam a fome e a alta dos alimentos continuarão atingindo, sobretudo, os países mais pobres e dependentes da importação de poucos produtos – geralmente de pouca ou nenhuma competitividade no exterior. Se o assunto parece um pouco distante da sua realidade, cuidado. Não é!

Os efeitos da alta da inflação são sentidos por todos, seja com a alta dos juros, seja pela perda da rentabilidade nos investimentos[bb] ou poder de compra. Não é verdade que, na vida, sempre se aprende pelo amor ou pela dor?

Pelo que percebo, no curto prazo vamos sofrer muito, enquanto quem realmente decide ainda não aprende e implementa a “equação” que nos levaria ao efetivo e inteligente livre comércio. Fique de olho nestes temas e extraia lições para sua vida pessoal e seu cotidiano financeiro[bb] e familiar. Tenha um ótimo final de semana.

——
Ricardo Pereira é consultor financeiro, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários