As muitas verdades entre o consumismo e a frugalidadeNunca defendi – nem defenderei – que uma família deva viver sem lazer ou satisfação de certos desejos. Dito isso, fico tranquilo para desferir alguns comentários sobre os hábitos de muitos brasileiros e seu impacto nas finanças do lar. O ano de 2008 foi marcado, além do estouro da crise internacional, pelo susto da inflação. No entanto, poucos observaram que os preços de muitos serviços subiram além da inflação e não se deram conta de que seus hábitos em mantê-los é que colaboraram de forma decisiva para a deterioração do planejamento financeiro – e da consequente falta de dinheiro.

Exemplos? Comer fora ficou mais caro. Em casa também.
Um levantamento realizado pelo IBGE apontou que a alimentação fora do domicílio acumulou alta de 11,99% em 2008 – quase o dobro da inflação média, de 5,9%. O exagero ao almoçar e jantar em restaurantes sempre foi um vilão do orçamento doméstico[bb] e esta situação se agravou com a chegada da crise. Interessante notar que comer em casa também ficou mais caro: 10,62% de alta em 2008.

Estou certo de que o apontamento das despesas e a constante avaliação da planilha de fluxo de caixa certamente apontou estas mudanças em sua casa – daí sua grande importância. Se levarmos em consideração também o início de 2009, surgem algumas surpresas nas altas de preços:

  • O cinema registrou alta de 1,27% só em janeiro deste ano, contra 0,69% em todo o ano passado;
  • A ida ao motel ficou 1,14% mais cara no primeiro mês de 2009;
  • Serviços de mudança subiram impressionantes 11,93% em janeiro, contra alta de 2,52% durante todo o ano de 2008;
  • As autoescolas também aumentaram dramaticamente seus preços, registrando alta de 10,54% em janeiro de 2009, contra alta de 2,98% em todo o ano passado.

Por que frugalidade?
Ora, a conclusão típica ao analisar rapidamente os dados aqui fornecidos é que as altas registradas em 2008 e no começo deste ano ainda representam indícios de uma economia aquecida, com demanda em alta. Logo, cabe observar que em momentos de bonança raramente nos damos conta da necessidade de poupar e investir[bb] a fim de passarmos ilesos por eventuais crises e momentos mais complicados. Quando tudo vai bem, deixamos a frugalidade de lado e preferimos realizar desejos e objetivos materiais – consumimos pra valer.

Agora que tudo está mais complicado, o questionamento natural reaparece: e se, ao observarmos a evolução dos gastos resolvessemos diminuir a freqüência dos almoços fora de casa e das saídas de final de semana? Pois é, perceba como a dúvida cruel sobre os hábitos do passado influenciou seu presente. Mas, que influência terá no futuro? Repare como o comportamento pesa tanto quanto o conhecimento técnico de mercado, finanças e investimentos – e isso é ótimo!

É fato que quem poupou e economizou, especialmente ao notar que tudo ficava mais caro, está mais tranqüilo hoje. Quem fez isso, certamente vive dias mais calmos diante da complicada crise financeira que ainda insiste em assolar o mundo. No entanto, com a desaceleração da economia as coisas devem mudar. Os preços, bem como a inflação, tendem a murchar, já que a demanda se esfriará e sobrarão produtos nas prateleiras. O mesmo acontecerá com os serviços. Tudo voltará a ficar mais barato, para depois ficar caro de novo. Trata-se de um ciclo. Sobre como vamos encará-lo, do ponto de vista das finanças pessoais, é que interessa refletir.

Que lições tirar desta coisa de consumo versus frugalidade?
Basicamente, que consumo e um pouco de frugalidade devem ser realidades presentes na vida de todos nós. Infelizmente, não fomos muito bem educados para não fazer isso ou aquilo. A negação, assim como a crítica, nunca foi fator motivador para a maioria das pessoas. Não basta aceitar que a frugalidade em certos momentos da vida pode colaborar com seus planos de independência financeira[bb]: é preciso incorporá-la e valorizar cada centavo de diferença que ela traz em seu benefício.

Isso sem se esquecer de viver e consumir, mas com a mesma inteligência para discernir entre a hora boa ou ruim para este ou aquele desejo supérfluo. Ser frugal o tempo todo pode torná-lo uma pessoa avarenta, mesquinha – e pobre. Ser consumista o tempo todo pode torná-lo uma pessoa repleta de bens, mas vazia, sempre em busca de “algo mais” – e pobre. A coerência e harmonia entre os hábitos é que fazem a diferença. Assim espero.

——
Conrado Navarro, educador financeiro, formado em Computação com MBA em Finanças e mestrando em Produção, Economia e Finanças pela UNIFEI, é sócio-fundador do Dinheirama. Atingiu sua independência financeira antes dos 30 anos e adora motivar seus amigos e leitores a encarar o mesmo desafio. Ministra cursos de educação financeira e atua como consultor independente.

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários