As oportunidades no Brasil da classe médiaInvestidores, bancos e muitos outros agentes ligados ao mercado financeiro[bb] passaram o ano de 2009 bastante atarefados. O tímido desempenho da economia nacional no ano passado trouxe preocupações, mas também uma constatação importante: a migração de classes, alimentada pelo crescimento e estabilidade econômica, é uma realidade que vem transformando o país. Nos últimos cinco anos, a classe C recebeu 30 milhões de brasileiros e já representa 49% da população de nossa nação, ou 92,85 milhões de pessoas.

O número em si não representa muita coisa, mas sua análise em relação às classes D e E nos permite concluir que a mudança representa crescimento e aumento no poder de compra. De acordo com dados do Ipsos, em 2005 a classe D/E continha 51% da população, enquanto a classe C sustentava 34% dos brasileiros. A situação se inverteu e hoje somos um país de classe média (classe C com 49% do total) e menos pobre (classe D/E com 35%).

O economista-chefe do Centro de Políticas Sociais da FGV (Fundação Getúlio Vargas), Marcelo Neri, disse à Folha em 07/04 que o Brasil deve ter pelo menos mais cinco anos de ascensão social, com a entrada de 9,4 milhões de brasileiros nas classes A/B até 2014 e outros 26,6 milhões na classe C.

Mercado de trabalho aquecido, criação e formalização de empregos, empreendedorismo e ambiente econômico estável são alguns dos ingredientes para tais mudanças. Com a renda familiar média também em ascensão, muitos brasileiros começaram a compor seu desejo de compra com itens antes supérfluos, como indica matéria recente sobre padrão de consumo da classe C publicada pelo jornal Folha de S. Paulo.

Bem estar e qualidade de vida
A notícia é importante porque evidencia a tão comentada (e necessária) ascensão social. Cada vez mais, os brasileiros estão tendo acesso a novas oportunidades de trabalho, o que influencia diretamente a renda da família, sua capacidade de construir patrimônio[bb] e investir em qualidade de vida. A realização de pequenos desejos oferece possibilidades de elevar a autoestima e, com ela, a felicidade.

Abro parênteses para uma questão por vezes polêmica: investir e adiar consumo para realização de sonhos não significa que a prioridade deve ser dada apenas para as conquistas futuras. Não. Significa destinar parte de suas receitas para estes objetivos, mas de forma que outra parte do orçamento seja usada para o equilíbrio no dia a dia e qualidade de vida. Tudo para que você viva bem, satisfazendo também as vontades imediatas. Priorizar apenas um ou outro extremo é não saber valorizar toda a mudança que a classe C vem trazendo ao país.

Investindo em oportunidades de geração de renda
Vale reiterar que com um Brasil mais previsível e economicamente sustentável, sobram oportunidades de empreender[bb] e gerir o próprio negócio. Com renda crescente e maior estabilidade no trabalho, potenciais clientes podem estar deixando de consumir porque sua região não oferece determinados produtos. Serviços gerais, antes na informalidade, agora podem se profissionalizar – not o caso do programa MEI (Micro Empreendedor Individual). Tem mais gente por ai querendo ajustar e elevar seu padrão de vida, o que é ótimo.

Fica claro que o caminho parece ser muito diferente daquele pautado pelas extenuantes altas nos preços, dificuldade de poupança e planejamento. A moeda única, a oportunidade de usar serviços bancários de qualidade, o crédito e a força de trabalho cada vez mais qualificada são atributos de um país resiliente, candidato a se transformar em potência. E é esse o Brasil que está diante de nossos olhos. Aproveitá-lo significa reconhecer sua trajetória e valorizar aquilo que depende do nosso controle: nosso capital moral, intelectual e financeiro. Viva o Brasil da classe média.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários